PUBLICIDADE

Perguntas sobre autismo no Censo 2022: vitória e preocupação

Pela primeira vez o autismo entra no radar para levantar dados estatísticos, mas deixa indagações sobre sua real aplicação

13 mai 2022 14h52
ver comentários
Publicidade
Movimentos autistas esperam que dados sirvam para criação de políticas públicas específicas
Movimentos autistas esperam que dados sirvam para criação de políticas públicas específicas
Foto: iStock

A partir de 1º de agosto, questionários básicos serão aplicados por recenseadores do IBGE em 78 milhões de domicílios brasileiros. Pela primeira vez, o autismo vai entrar no radar das estatísticas para mapear quantas pessoas vivem com o transtorno e quantas podem ter, mas ainda não tiveram diagnóstico. Um passo importante, já que, no Brasil, estima-se que existem 2 milhões de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), porém esse número é incerto e requer atualização.

Desde 2019 existe a lei 13.861, que obriga o IBGE a perguntar sobre o autismo no censo populacional, mas somente este ano o questionário vai incluir perguntas sobre o tema. A decisão foi anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro ao sancionar a lei. Uma surpresa, já que o próprio, anteriormente, havia se posicionado contrário ao tema, mas voltou atrás por pressão dos movimentos autistas. Trata-se de uma vitória, mas também levanta questões a serem pensadas. 

A decisão foi comemorada como um avanço na luta pela inclusão pelos movimentos autistas, já que é uma forma de oficializar as estatísticas, traçar um panorama da população autista brasileira e com isso ajudar na elaboração de políticas públicas. Por outro lado, também levanta questões, inclusive vistas na repercussão nas redes sociais com a hashtag #autismonocenso2020. Uma pergunta, por exemplo, vista nos comentários do Instagram é: “Sensacional, mas fica uma pergunta, o que farão com esses dados?”. À primeira vista, parece uma questão já respondida no parágrafo acima, porém serve de gatilho para reflexão mais aprofundada. A abordagem poderá gerar constrangimento? Quais perguntas serão feitas (já que o diagnóstico do TEA é um processo complexo)? Os dados poderão ser usados para estigmatizar as pessoas com o transtorno? Por que não há abordagem de todas as deficiências na pesquisa?

Movimentos têm a expectativa de que a estimativa sobre o número de pessoas com TEA sirva para fomentar a criação de políticas públicas que garantam oportunidades - terapêuticas, sobretudo - a mais pessoas. Nem por isso, porém, deixarão de ficar atentos sobre a forma de conduzir a pesquisa e sobre a utilização de seus dados.

Fonte: Redação Nós
Publicidade
Publicidade