PUBLICIDADE

Piloto da Mercedes aponta influência de game na paixão pelo automobilismo

Rafael Mascarenhas garante que a "experiência" que teve nas pistas virtuais foi fundamental para manter vivo o sonho de se tornar um piloto profissional

27 ago 2021 13h44
| atualizado às 14h08
ver comentários
Publicidade

Presente nos videogames desde os anos de 1970, os jogos de automobilismo, mesmo longe do mundo real nas décadas passadas, contribuíram para a formação de novos adeptos da modalidade, influenciando até alguns a seguirem uma carreira profissional.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Lance!

É o caso do basileiro Rafael Mascarenhas, que atualmente compete na divisão C300 Cup do Mercedes-Benz Challenge (MBC), campeonato de sedãs promovido pela gigante alemã. Suas primeiras "aceleradas" foram num jogo de Fórmula 1 do Super Nintendo.

"Minha paixão pelo automobilismo surgiu na infância assistindo Fórmula 1 ao vivo todos os domingos e depois a gravação durante a semana. Nessa época, ganhei um jogo do Nigel Mansell para o Nintendo. Era como se eu realmente fosse um piloto", lembra o piloto.

Rafael Mascarenhas garante que a "experiência" que teve nas pistas virtuais, que depois foram se aproximando da realidade com o avanço dos simuladores, foi fundamental para manter vivo o sonho de se tornar um piloto profissional.

"Aquelas jogatinas no Nintendo me marcaram muito. Quando se é criança e você leva a sério cada detalhe daquele mundo virtual, você se sente realmente vivendo uma realidade. Tenho certeza que contribuiu, sim, para eu alimentar esse sonho até realizá-lo", acredita.

Mesmo antes de acelerar nas pistas, Mascarenhas já vivia o mundo do automobilismo de perto, como patrocinador de etapas do circuito. Entretanto, nada se compara à sensação de rasgar a pista a mais de 200 km/h, afirma o piloto.

"O que mais me marcou foi a emoção de correr a C300 pela primeira vez. pensei que fosse ficar muito nervoso, mas fiquei mais emocionado. Quando a equipe falou no rádio 'largou, largou, largou' e a luz verde se apagou, eu dei um grito. Enfim, algo indescritível", narra.

Lance!
Publicidade
Publicidade