PUBLICIDADE

Análise: The Legend of Zelda: Skyward Sword HD

Game para Switch é versão definitiva do controverso Legend of Zelda do Wii

21 jul 2021 10h48
| atualizado às 15h15
ver comentários
Publicidade
The Legend of Zelda: Skyward Sword HD
The Legend of Zelda: Skyward Sword HD
Foto: Nintendo / Divulgação

Em 2011, quando a versão original de The Legend of Zelda: Skyward Sword foi lançada, a série vivia um momento de incerteza. Os últimos dois títulos até então, The Wind Waker, e Twilight Princess, ofereciam experiências e abordagens distintas, então havia uma dúvida entre fãs e imprensa especializada sobre qual caminho a série seguiria. Do lado da Nintendo, a companhia parece ter enxergado em Skyward Sword a obra com que ela abraçaria o mundo: a alegria solar de Wind Waker, a tradição de Twilight Princess e os controles por movimento, um dos pilares da gigantesca popularidade que o Nintendo Wii, console de então, alcançou com o grande público.

No fim das contas, Skyward Sword acabou ficando no meio do caminho, o que fez com que se tornasse o título mais controverso da série principal, antagonizando alguns grupos de defensores contra muitos fãs que simplesmente desprezam o jogo. Prova disso foi a onda de reações negativas ao Nintendo Direct de fevereiro de 2021, onde The Legend of Zelda Skyward Sword HD foi oficialmente anunciado. 

Ainda assim, 5 meses depois, Skyward Sword HD figura entre os primeiros em listas dos jogos mais vendidos. Para explicar esse fenômeno, é preciso separar o joio do trigo e analisar um game que possui grandes méritos e defeitos de igual ordem. 

Fi...nalmente posso jogar em paz

The Legend of Zelda: Skyward Sword foi lançado no final da era Nintendo Wii, que teve como uma das características centrais a atração de um grande público que ia além dos jogadores tradicionais de videogame, os chamados (muitas vezes de forma pejorativa) "jogadores casuais". Como esse público era composto de pessoas que não tinham o hábito de jogar videogame regularmente ou já havia deixado de fazê-lo há bastante tempo, e portanto não estavam habituados a exigências e códigos típicos dos games, em muitos casos game designers que precisavam desenhar jogos para o Nintendo Wii se viam na obrigação de abaixar o nível de exigência dos games, ou então, explicar e orientar cada passo que o jogador tinha que dar no jogo.

Link salta para a aventura em Skyward Sword HD
Link salta para a aventura em Skyward Sword HD
Foto: Skyward Sword HD / Reprodução

Como a Nintendo fez questão de deixar claro em seus diversos vídeos de divulgação, The Legend of Zelda Skyward Sword HD, para além de um mero "remaster" que apenas atualiza gráficos e sons, sofreu uma generosa revisão, sobretudo sobre a forma como a experiência de jogo da versão original de Skyward Sword se desenrolava. Para agradar o maior público possível sem que o jogo terminasse sendo fácil demais, o produtor Eiji Aonuma e sua equipe escalaram a personagem “Fi” como a guia do jogador, decisão que se mostrou infeliz. Primeiro porque a Nintendo pesou a mão, fazendo com que Fi fosse uma figura absolutamente intrusiva, que constantemente interrompia o jogador para dar informações redundantes e que re-explicava fatos que tinham acabado de acontecer. Segundo, porque Fi é uma personagem mal desenvolvida, pois além de travar a experiência de jogo, não era realmente uma companheira de jornada, como foi Midna em Twilight Princess, por exemplo.

Assim sendo, Skyward Sword HD tem um grande mérito em corrigir um dos elementos que mais minavam a aventura e a experiência de jogo no Nintendo Wii, fazendo com que o jogo se desenrole de modo mais agradável no Nintendo Switch. 

Amiibo da onça

Ao usar um Amiibo que não Zelda & Loftwing, Fi dá uma mensagem de erro
Ao usar um Amiibo que não Zelda & Loftwing, Fi dá uma mensagem de erro
Foto: Skyward Sword HD / Reprodução

A edição de Fi fez parte de um pacote de mudanças que a Nintendo chamou de "quality of life", que incluiu também o recurso de viagem rápida, outro tópico de intensos debates e discussões na internet. Isso porque muitos fãs não gostaram da ideia de um recurso de jogo estar bloqueado por um acessório pago, no caso o Amiibo de Zelda e Loftwing.

Uma ironia é que apenas esse Amiibo pode ser usado em Skyward Sword HD, e mesmo aqueles baseados nos personagens da série não adicionam bônus de qualquer espécie, como acontecia em The Legend of Zelda: Breath of the Wild, por exemplo. 

Botão ou ação

Ainda no campo da ironia, The Legend of Zelda: Skyward Sword HD contribuiu para mostrar como seu contestado controle por movimento funciona bem e nem sempre é fácil substituí-lo, como muitos pensavam. Na versão original de Nintendo Wii, o Wiimote plus, versão aperfeiçoada e com funcionalidade de giroscópio do Wiimote original, permitiu que gestos antes implementados em Wii Sports Resorts fossem adicionados à Zelda.

Atirando com estilingue em Skyward Sword HD
Atirando com estilingue em Skyward Sword HD
Foto: Skyward Sword HD / Reprodução

Assim, ações como atirar com arco e flecha e jogar bombas ganharam uma profundidade de controle nunca antes vista. O ponto de discórdia, porém, se situou nos combates, pois pela primeira vez na série, o ângulo e a intensidade dos golpes de espada faziam diferença no gameplay. Se adaptar a essa nova forma de jogar não foi um processo uniforme, e na época, muitos jogadores sentiram dificuldades, também por conta de nem sempre o suporte do Wii oferecer a precisão esperada. 

Nesse quesito, portanto, Skyward Sword HD fez um grande trabalho tanto em refinar a jogabilidade por movimento da versão original, quanto em enfim adicionar a tão desejada alternativa por botões. Ainda que bem implementado, esse modo de jogo tem suas limitações e também exige uma capacidade de adaptação por parte do jogador. No modo de controle por movimento, o jogador ganhou controle livre de câmera graças ao direcional analógico do Joy-Con direito. Já no modo de controle por botão, esse analógico é responsável por fazer Link sacar a espada, e para o jogador poder movimentar a câmera, ele ou ela deve manter o botão "L" pressionado. Uma escolha discutível, que provavelmente levará muitos a executarem muitas sacadas de espada acidentais.

Ações são executadas com os botões na nova versão do game
Ações são executadas com os botões na nova versão do game
Foto: Skyward Sword HD / Reprodução

Outro complicador são os golpes. No modo por botão o jogador deve fazer rapidamente o movimento da espada no analógico, uma ação não muito natural e que pode gerar dificuldade em combates mais exigentes. Por outro lado, como de fato Skyward Sword HD roda a 60 quadros por segundo (contra 30 do original), essa maior taxa de quadros contribui para uma maior responsividade do controle por movimento.

Ou seja, o modo de controle original continua sendo a melhor forma de aproveitar a aventura de Skyward Sword, mas não deixa de ser interessante que dessa vez os jogadores tenham uma escolha, sobretudo uma que não aliena os proprietários do Switch Lite.

Beleza revelada

Alta definição ressalta beleza dos cenários do jogo
Alta definição ressalta beleza dos cenários do jogo
Foto: Skyward Sword HD / Reprodução

Um dos maiores destaques da versão Nintendo Switch são os gráficos. Em primeiro lugar, o jogo roda em "full HD" no modo doca, em 1920x1080 e em 1280x720 no modo portátil, ou seja, nas resoluções máximas suportadas pelo console. Mas em The Legend of Zelda: Skyward Sword HD, a Nintendo de fato fez um trabalho gráfico, não se limitando ao aumento de resolução. A interface de usuário foi inteiramente refeita, incluindo caixas de texto, ícones de itens, menus,etc.

Tudo ficou muito bonito em alta definição. Indo para o jogo em si, as texturas e sombras dos personagens também ganharam aumento de qualidade, assim como a distância de desenho (draw distance) também ganhou profundidade em relação a versão original. 

A versão Nintendo Switch de The Legend of Zelda: Skyward Sword HD favoreceu bastante a estética aquarelada proposta pelo jogo, que nem sempre tinha condição de ser bem representada sob a menor resolução de imagem exibida pelo Nintendo Wii. No console híbrido atual, os fãs de Zelda enfim podem apreciar em plenitude a beleza de muitos dos cenários presentes na aventura de Skyward Sword. 

À moda antiga

É perigoso se aventurar pelo mundo de Skyward Sword HD
É perigoso se aventurar pelo mundo de Skyward Sword HD
Foto: Skyward Sword HD / Reprodução

Se a versão atual propõe uma série de melhorias e refinamentos sobre elementos de interface e da experiência do jogador, o núcleo do jogo, isto é, sua campanha principal e side quests permanece inalterada, para o bem e para o mal. Por um lado, mergulhar em Skyward Sword pode ser uma novidade interessante àqueles que tiveram em Breath of the Wild seu primeiro game da série The Legend of Zelda. Skyward Sword foi o último título moldado sob os preceitos de The Legend of Zelda: Ocarina of Time, em termos de oferecer uma aventura menos aberta e com estrutura mais linear. Skyward Sword, ao contrário de Breath of the Wild, tem um foco mais concentrado nos diálogos, sua narrativa é bem mais direcionada, e faz questão que o jogador não desvie muito do caminho a seguir.

O que também é um problema, pois seus personagens secundários são desinteressantes, e boa parte de suas subtramas são triviais e bobas. A primeira hora de jogo é um exemplo disso, fazendo o jogador se preparar para um evento que no fim das contas não tem nenhuma importância. O fato de que a versão Nintendo Switch tenha implementado uma função de pular cenas é quase uma confissão de que boa parte delas não são muito interessantes. 

Por outro lado, The Legend of Zelda Skyward Sword HD tem ótimos calabouços, bem desenhados, cheios de desafios e quebra-cabeças intrigantes. Outro destaque desse jogo são suas épicas batalhas contra chefes, que souberam bem tirar proveito dos controles por movimentos, resultando em encontros que exigem do jogador. 

Por fim...

The Legend of Zelda Skyward Sword HD é a versão definitiva de um dos títulos mais controversos da série. As melhorias e refinamentos propostos por essa versão dificilmente farão quem não gostou do jogo na época do Nintendo Wii mudar de opinião, sobretudo quando o título atual é vendido à preço cheio. Essas melhorias também não mudam os problemas e limitações presentes no núcleo do game original, ainda que tornem a experiência de jogo mais agradável e confortável. Ainda nesse sentido, não deixa de ser impressionante um título Zelda da linha principal estar inteiramente disponível para ser jogado de forma portátil, e bem implementado, ainda por cima.

The Legend of Zelda: Skyward Sword HD - Nota 7
The Legend of Zelda: Skyward Sword HD - Nota 7
Foto: Skyward Sword HD / Reprodução

Entre seus méritos e defeitos, Skyward Sword HD também é uma boa alternativa para quem já desbloqueou tudo o que podia em Breath of the Wild e quer algo além da simplicidade de Link´s Awakening, além de ser um bom passatempo para aqueles que ansiosamente esperam por Breath of the Wild 2 - sobretudo quando seus trailers sugerem haver alguma ligação entre os dois jogos. E por falar em Breath of the Wild, vale repetir que Skyward Sword também pode ser uma viagem ao passado para aqueles que iniciaram sua jornada com o game de Nintendo Switch e Wii U.

The Legend of Zelda Skyward Sword HD torna a versão original obsoleta ao trazer tudo o que ela tinha adaptado às exigências dos jogos atuais. Um bom aquecimento enquanto Breath of the Wild 2 não chega. 

Fonte: Game On
Publicidade
Publicidade