PUBLICIDADE

Jogadores

Após derrotas ao lado de romeno, Sá busca novo parceiro

28 abr 2010 - 10h00
(atualizado às 10h30)
Compartilhar

Parceiros durante dois anos e meio, os brasileiros Marcelo Melo e André Sá se separaram no final do ano passado. Em 2010, o primeiro passou a jogar ao lado do compatriota Bruno Soares e o segundo se juntou ao romeno Horia Tecau. Após quatro torneios com o europeu, Sá inicia a busca por um novo parceiro.

» Murray e Ferrer espantam "zebras" e avançam em Roma

» Eliminado em Roma, Federer já pensa no ATP 250 de Estoril

» Uruguai pede retirada de número 1 da equipe da Copa Davis

» Bellucci leva susto, mas estreia com vitória em Roma

» Federer é eliminado por letão na estreia do Masters de Roma

"Não tivemos muito entrosamento e ele está muito longe na Europa. Acho que a tendência neste momento é procurar um outro parceiro e respirar novos ares. Isso já está praticamente definido", declarou o tenista de 32 anos em entrevista ao site Gazeta Esportiva.

André Sá e Horia Tecau disputaram os ATP 250 de Santiago, Costa do Sauípe, Buenos Aires e Delray Beach. Em todos os campeonatos, foram derrotados logo na primeira rodada e sem vencer sets. Nas últimas semanas, ambos resolveram se separar, já que não teriam ranking para disputar os Masters 1000.

Atual 37º do mundo, Tecau é profissional desde 2003, tem 25 anos e vive a melhor temporada da carreira. Em 2010, ele conquistou os ATP 250 de Auckland (com o neozelandês Marcus Daniell) e Casablanca (com o sueco Robert Lindstedt), seus dois primeiros títulos no circuito. Para completar, ainda faturou o Challenger de Marrakesh (com o sérvio Ilija Bozoljac) e no ranking do dia 12 abril figurou no 35º posto, um recorde pessoal.

Com Thomaz Bellucci, André Sá foi semifinalista do ATP 250 de Auckland. Em seguida, caiu na primeira rodada dos seis torneios de primeira linha que disputou. Nas duas últimas semanas, ele conquistou o Challenger de Blumenau com o compatriota Franco Ferreiro e foi vice do Challenger de Curitiba com o paraguaio Ramon Delgado.

Para André Sá, atual 52º colocado do ranking de duplas, o ideal seria encontrar um parceiro sul-americano. No entanto, ele não descarta a possibilidade de atuar com um jogador de outro continente, a exemplo do que fez o brasileiro Bruno Soares ao lado de Kevin Ullyett, do Zimbábue, de forma bem sucedida em 2008 e 2009.

"Por enquanto, ainda não apareceu nada e estou esperando", diz André Sá. Ele planeja encontrar um parceiro fixo até Roland Garros, com início previsto para o próximo dia 23 de maio. "Devo ficar com o tenista que jogar comigo na França. Acho importante já ter uma dupla formada para os dois últimos Grand Slams", completou.

Nesta quinta-feira, Sá volta para a Europa e disputa o ATP 250 do Estoril a partir do dia 3 de maio. Campeão da edição de 2007 do torneio, seu primeiro título ao lado de Marcelo Melo, ele jogará com o australiano Stephen Huss. "É um duplista e está no mesmo caminho que eu. Se conseguirmos um bom resultado, pode ser uma opção de dupla", projeta o brasileiro.

Profissional desde 2000, Huss tem três títulos, entre eles Wimbledon-2005 (com o sul-africano Wesley Moodie), e sete vice-campeonatos, inclusive o do Masters 1000 de Miami-2009 (com o compatriota Ashley Fisher). Ele foi o 21º do mundo em junho de 2006, mas atualmente é o 73º da lista e tem 34 anos.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra