1 evento ao vivo

Guga elogia nova geração e diz que brasileiro pode vencer o Rio Open em três anos

Tricampeão de Roland Garros, ex-atleta mostra otimismo com o futuro do tênis no País

19 fev 2020
20h01
atualizado em 20/2/2020 às 10h13
  • separator
  • 0
  • comentários

Um dos maiores nomes da história do tênis brasileiro, Gustavo Kuerten avaliou nesta quarta-feira que o País está próximo de voltar a ter um jogador com reais condições de vencer um torneio de simples no circuito da ATP. Em entrevista durante o Rio Open, que está sendo disputado no Jockey Club Brasileiro, o tricampeão de Roland Garros disse acreditar que em três anos o País terá um jogador brigando pelo título do torneio carioca, que é o mais importante da América do Sul.

"Daqui a pouco a gente vai ter uma safra com maiores pretensões. Na décima edição - a gente está na sétima agora - pode ter certeza de que vamos ter brasileiro brigando pelo título", considerou, acrescentando que "se der este ano, será um acontecimento".

Gustavo Kuerten celebra nova geração do tênis brasileiro
Gustavo Kuerten celebra nova geração do tênis brasileiro
Foto: Divulgação/Fotojump / Estadão

Guga fez muitos elogios a Thiago Wild, paranaense de 19 anos que, na segunda-feira, salvou três match points e venceu de virada o espanhol Alejandro Fokina, na primeira rodada do Rio Open. "Ano passado, até falei que o Thiago tinha tudo para ser o grande protagonista dessa nova geração, e isso vai se concretizar. O Wild passou por todas as etapas, foi campeão em todas as categorias que participou, vem num processo de crescimento contínuo, e com essa idade está tendo experiências muito precoces", pontuou Guga. "Vejo o Tiago Wild muito seguro. A personalidade dele às vezes é motivo de notícia, acham que é o lado mais crítico, mas vejo que ele precisa acreditar nele. Vejo que está disposto a suportar todas as etapas."

A participação de Wild e de outros tenistas brasileiros no Rio Open é vista por Kuerten como "fundamental" para o País voltar a ter jogadores no primeiro escalão do tênis mundial. "Funciona como uma catapulta para dar velocidade, estímulo", avaliou. "Esse torneio dá a sensação (aos novos jogadores) de que o tênis mundial não é tão impossível assim."

O "não é tão impossível assim" foi exemplificado por Guga com a atuação de outro brasileiro da nova geração, Felipe Meligeni, que na terça conseguiu vencer um set sobre Dominic Thiem, quarto colocado no ranking mundial. "Não vai transformar, mas seguramente antecipa e auxilia para se ter convicções, acreditar mais. Parece um abismo, mas de repente o Felipe Meligeni ganha um set do Thiem num momento de oscilação...", disse Guga, "O tênis é isso: trabalhar bastante e acreditar muito."

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade