0

Raí banca Jardine no São Paulo, mas havia feito o mesmo com Aguirre

Diretor utiliza com atual treinador discurso semelhante ao empregado um mês antes da queda do antecessor

7 fev 2019
04h42
atualizado às 10h15
  • separator
  • comentários

Diretor executivo de futebol do São Paulo, Raí esteve na Argentina acompanhando a derrota de quarta para o Talleres, por 2 a 0, pela Libertadores, e garantiu a permanência do técnico André Jardine no cargo, mesmo com a pressão de precisar reverter a grande vantagem dos argentinos para se classificar no torneio continental.

"Continuo acreditando no estilo dele, no trabalho, nos resultados. Obviamente está bem abaixo do que a gente esperava até agora, mas acredito no trabalho dele, no trabalho do dia a dia, no poder dele de mobilizar. Eu conversei agora com a comissão técnica acreditando que vai ter resultado", afirmou o dirigente.

Vale lembrar que, em entrevista concedida no dia 16 de outubro do ano passado, Raí utilizou discurso muito semelhante para bancar o então técnico Diego Aguirre, que vinha colecionando maus resultados que afastavam a equipe da briga pelo Brasileirão: "O trabalho do Aguirre, os resultados falam. Não os resultados imediatos, das últimas semanas, mas desde que ele chegou aqui. Onde ele pegou o time, onde o time estava e aonde chegou. Então a confiança... Isto não está nem em pauta, na verdade, a confiança. A gente acredita muito no trabalho dele".

Menos de um mês depois, em 11 de novembro, o uruguaio foi demitido. Na ocasião, o dirigente justificou assim a sua escolha: "Uma decisão dessas a gente acredita que vai ter reação e uma melhora. Tem riscos, tem responsabilidade, mas da maneira que vinha acontecendo me leva a crer que a gente terá mais chances de se manter, de tentar uma vaga entre os quatro primeiros". Mesmo com Jardine assumindo o posto, o São Paulo não reagiu e acabou ficando fora do G-4, o que o tirou da classificação direta à fase de grupos da Libertadores e o obrigou a disputar a fase prévia.

Lembrado após a derrota para o Talleres sobre o fato de ele também ter bancado Aguirre anteriormente e sobre qual era a diferença em relação à promessa atual de manter Jardine, Raí respondeu: "Foi uma opção estratégica ali, de fim de campeonato, pensando já na sequência, era final de temporada. Agora é início de temporada. E obviamente, em início de temporada, a tendência é que tenha bastante tempo para trabalhar, sabendo da urgência do resultado em uma competição eliminatória".

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade