0
Logo do São Paulo
Foto: Marcos Bezerra / Futura Press

São Paulo

Aguirre valoriza empate, mas admite preocupação com o São Paulo

Treinador uruguaio acha normal equipe oscilar, mas reconhece que poderia estar apresentando melhor rendimento

16 set 2018
19h26
atualizado às 19h26
  • separator
  • comentários

O ponto conquistado pelo São Paulo no empate sem gols com o Santos, neste domingo, na Vila Belmiro, foi comemorado pelo técnico Diego Aguirre. Por outro lado, o uruguaio reconheceu que gostaria de ver sua equipe apresentando melhor rendimento à esta altura do Campeonato Brasileiro.

"Queremos ser protagonistas, mas é ter calma. Começou o segundo turno. Não estamos bem, mas hoje dou valor a um ponto conquistado. Poderia ser melhor, há momentos em que jogamos bem, outros não. Talvez, sejamos um pouco irregulares. Precisamos encontrar um pouco mais de jogo", admitiu o treinador, depois da partida. "É impossível não falar de tudo, porque se hoje estamos na liderança, é porque fizemos muitas coisas boas. Mas eu gostaria de ter mais pontos, acho que poderíamos."

Das seis partidas disputadas pela equipe até aqui no returno, ela só venceu duas (Ceará e Bahia) - ambas em casa, e pelo placar mínimo. Ainda houve três empates (Santos, Fluminense e Paraná), além da derrota para o Atlético-MG. O aproveitamento está em 50%. À essa mesma altura do primeiro turno, o time havia conquistado 55,5% dos pontos disputados.

Questionado se o aproveitamento do segundo turno lhe preocupava, Aguirre disse que sim: "Me preocupa tudo, temos o objetivo importante de manter o sonho até o fim. Precisamos ter calma. Faz parte, às vezes, tem momentos melhores. Mas o começo de segundo turno foi melhor que o do primeiro", disse, referindo-se ao desempenho antes do clássico na Vila.

Por fim, indagado se o rival mais complicado era aquele que luta contra o rebaixamento ou o adversário direto na briga pelo título, o treinador são-paulino foi enfático: "Rival mais complicado é sempre o próximo. Todos os times estão brigando por coisas importantes, independentemente de quem seja. Temos de nos preparar pra jogar uma final, tentar vencer. Não fazemos diferença entre um e outro, são todos muito difíceis".

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade