PUBLICIDADE
Logo do

Santos

Meu time

Carille aponta desatenção do Santos em derrota: 'A gente se perdeu na partida'

Sob o comando do treinador, equipe santista ainda não assinalou nenhum gol

26 set 2021 20h48
| atualizado às 20h48
ver comentários
Publicidade

Ainda sem vencer após quatro partidas no comando do Santos, o técnico Fábio Carille apontou a desatenção do time como um dos fatores responsáveis pela derrota por 3 a 0 sofrida diante do Juventude neste domingo, em Caxias do Sul (RS), pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. De fato, a defesa santista teve momentos ruins, principalmente ao sofrer dois gols de bola parada, um no primeiro tempo e outro no segundo, em lances que incomodaram o treinador.

"Nosso primeiro tempo foi muito bom, a gente agrediu. No segundo, a gente continuou propondo o jogo, buscando o empate, e mais uma vez em uma bola área a gente acaba sofrendo o segundo gol. Aí, a gente se perdeu na partida. É algo que quando eu cheguei tinha muita preocupação, eu já trabalhei muito a questão da bola aérea, infelizmente aconteceram os gols, passam um pouquinho pela desconcentração, a percepção do que vai acontecer", avaliou o técnico.

Além das falhas defensivas, outro detalhe que explica o placar elástico construído pelo time gaúcho é a falta de eficiência do ataque santista, que produziu bastante, mas pecou muito na hora da conclusão. O Santos finalizou 19 vezes, apenas quatro vezes no gol, enquanto o Juventude teve seis chutes, dos quais quatro foram no alvo, com três bolas na rede.

Segundo Carille, a prioridade nos seus primeiros treinos foi acertar a defesa, que até demonstrou estar em ordem nos três jogos anteriores. Já nos trabalhos realizados durante a última semana, o treinador optou por focar em trabalhos para potencializar o setor ofensivo, por isso se disse satisfeito com as chances criadas, apesar de o gol não ter saído neste domingo, assim como nos outros jogos. Uma das grandes missões no momento é fazer o time marcar pela primeira vez sob seu comando.

"Essa semana eu peguei para trabalhar muito a questão ofensiva, pois não tive tempo para trabalhar nos meus três primeiros jogos. Como tinha dado uma segurança muito legal no sistema defensivo, priorizei mais a parte ofensiva, e hoje (domingo) o resultado foi bom na questão de finalizar e terminar. Neste momento, a gente tem que falar pouco, trabalhar muito, passar mais confiança para nossos atletas, continuar trabalhando a parte ofensiva para que eles ganhem confiança no treino e essa bola entre no jogo. A partir do momento que essa bola entrar, tenho certeza que eles vão ter mais calma para terminar as jogadas", afirmou.

Sem vencer há 10 jogos, oito deles no Brasileirão, o Santos tem 24 pontos e briga contra o rebaixamento. O próximo desafio da equipe será contra o Fluminense, em jogo marcado para domingo que vem, na Vila Belmiro, pela 23.ª rodada.

Estadão
Publicidade
Publicidade