PUBLICIDADE

Acosta dá bote no fim e vence GP da Alemanha de muitas quedas na Moto3

Pedro Acosta precisou segurar o pelotão na volta final para reencontrar as vitórias, conquistar o GP da Alemanha e disparar na liderança do campeonato. Kaito Toba e Dennis Foggia fecharam o pódio

20 jun 2021 06h47
| atualizado às 07h05
ver comentários
Publicidade
Pedro Acosta segurou o pelotão na volta final e venceu no circuito alemão
Pedro Acosta segurou o pelotão na volta final e venceu no circuito alemão
Foto: KTM / Grande Prêmio

A Moto3 abriu o domingo (20) de corridas em Sachsenring com uma prova cheia de mudanças na liderança, com um pelotão bem agrupado e vitória definida apenas na última volta. No fim, um 'velho' conhecido levou de novo. Pedro Acosta assumiu a ponta no último giro e segurou os rivais para vencer o GP da Alemanha e ampliar a vantagem na liderança do campeonato.

Kaito Toba voltou a andar bem e conseguiu boas ultrapassagens na volta final para terminar na segunda posição. Jeremy Alcoba recebeu a bandeirada em terceiro na pista, mas foi punido pelos comissários e caiu para o quarto lugar já no parque fechado. Com isso, Dennis Foggia fechou o pódio em Sachsenring.

WEB STORY

Pedro Acosta venceu o GP da Alemanha e está cada vez mais líder da Moto3
Pedro Acosta venceu o GP da Alemanha e está cada vez mais líder da Moto3
Foto: KTM / Grande Prêmio

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Andrea Migno ficou na quinta colocação, com Niccolò Antonelli, Sergio García, Tatsuki Suzuki, Xavier Artigas e Izan Guevara fechando o top-10.

A prova foi marcada por diversos incidentes, com muitas quedas. Algumas foram solo, como no caso de Gabriel Rodrigo. Outras, no entanto, envolveram diversos pilotos ao mesmo tempo. Todos estão bem, sem sustos na Alemanha.

A Moto3 volta à ação já no próximo fim de semana, com a nona etapa do calendário, o GP da Holanda, em Assen. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

Saiba como foi o GP da Alemanha de Moto3:

Depois de dois dias de sol e temperaturas mais elevadas, a Moto3 encontrou um dia mais nublado, mas ainda com calor. Às vésperas da largada, a temperatura era de 28°C, com o asfalto chegando a 34°C. A velocidade do vento era de 13 km/h.

A escolha de pneus dianteiros foi uniforme, com todos optando pelos médios. Na traseira, a maioria escolheu o H4, mais resistente, mas pilotos como Kaito Toba,, Niccolò Antonelli, Romano Fenati, Jaume Masià e Darryn Binder foram de S2.

Quando as luzes se apagaram em Sachsenring, Filip Salac conseguiu manter a liderança apenas por alguns metros, mas acabou superado por Tatsuki Suzuki, que aproveitou uma espalhada de Kaito Toba na curva 1. John McPhee apareceu em terceiro, com o dono da pole escorregando para a quarta colocação.

Ainda no primeiro giro, Toba assumiu a liderança, deixando Suzuki em segundo lugar. McPhee logo tomou a segunda colocação de Tatsuki e passou a pressionar Kaito.

Ainda no início da disputa, Adrián Fernández caiu na curva 1, mas não abandonou a disputa. O irmão de Raúl não sofreu lesões mais sérias.

Na volta 3, Toba seguia na liderança, mas sem abrir vantagem em relação a McPhee. Dennis Foggia era o terceiro na Alemanha, seguido por Andrea Migno e Pedro Acosta.

No início do giro seguinte, Binder entrou no pit-lane para cumprir o ride-through que recebeu por direção irresponsável na classificação.

Foggia, então, tomou a liderança de Toba, com McPhee caindo para terceiro antes de ser superado por Acosta. Suzuki era quinto, à frente de Andrea Migno.

Acosta, aliás, avançou ainda mais, chegou ao segundo posto e, no início do segundo setor da pista de Chemnitz, assumiu a liderança pela primeira vez na volta 6. Foggia era o segundo, seguido por McPhee, Migno e Toba.

O jovem líder do Mundial não manteve a liderança por muito tempo, com Foggia voltando a ocupar a posição. Pedro foi atacado por Suzuki e caiu para terceiro, à frente de Migno.

Acosta conseguiu recuperar o segundo lugar, mas viu o atraso em relação a Foggia subir para 0s230 na Alemanha. Suzuki era o terceiro, à frente de Toba, Migno e Gabriel Rodrigo.

Na volta 8, Jaume Masià foi punido com uma volta longa por direção irresponsável, por ter causado o contato que culminou com a queda de Yuki Kunii. A criticada direção de prova decidiu ser mais severa neste GP da Alemanha.

Com Foggia ainda se afastando do pelotão, Suzuki passou Acosta e reassumiu o segundo posto. Migno seguia em quarto, pressionado de pertinho por Toba.

O líder do Mundial logo recuperou a segunda colocação e reduziu a vantagem de Foggia na liderança, mas não só não conservou a posição como caiu para quarto, atrás de Toba e Suzuki.

Na volta 11, Gabriel Rodrigo foi ejetado da moto na curva 5 e parou só no air-fence. Apesar do susto, o argentino deixou a pista caminhando.

No mesmo momento em que o piloto era atendido, Toba tomou a liderança da disputa em Sachsenring e abriu 0s193 de vantagem para Foggia. Acosta era o terceiro, com Suzuki e Sergio Garcia completando o top-3 do GP da Alemanha.

Acosta, aliás, deu uma errada um pouco depois e acabou saindo da pista, o que o fez cair para a quinta colocação. Dono da pole, Filip Salac entrou nos boxes quando faltavam 15 voltas.

Na curva 1, Fenati tocou Deniz Öncü, causando a queda do turco e de Lorenzo Fellon, que não teve como reagir ao tombo do irmão gêmeo de Can. Ryusei Yamanaka também foi envolvido no incidente que passou a ser investigado pela direção de prova.

Pouco depois, enquanto Acosta voltava à liderança da corrida, Jaume Masià caiu e abandonou a disputa. A disputa, porém, era tumultuada. Nepa sofreu um acidente, empurrou Fenati para fora da pista e ainda derrubou Yamahaka.

Dennis conseguiu retomar o comando da disputa, com Suzuki se instalando em segundo, à frente de Acosta, Sergio García e Toba.

Faltando dez voltas para a bandeirada, Suzuki estava de volta à liderança, à frente de Foggia e Acosta. O primeiro pelotão tinha ainda dez pilotos, com García em quarto, seguido por Toba, Migno, Xavuer Artigas, Antonelli, Alcoba e Izán Guevara.

Dono de um ritmo forte. Foggia foi rápido em recuperar a primeira posição, com Acosta aparecendo brevemente para se instalar na segunda colocação antes de ser superado por Suzuki.

No fim da volta 19, Acosta conseguiu a segunda colocação mais uma vez. Enquanto isso, Fenati foi punido com a volta longa por ter causado a queda de Öncü.

Garcia foi ao ataque e se instalou em segundo, diante de Suzuki e Acosta. Toba era o quinto, escoltado por Migno e Alcoba.

Na ponta da disputa, Foggia conseguiu abrir 0s400 de margem, mas a diferença foi caindo pouco a pouco. Acosta chegou a retomar a ponta, mas o troco de Dennis veio rápido.

Na penúltima volta, Acosta retomou a liderança, enquanto Alcoba foi punido e tinha de entregar uma posição. Antes de ver a mensagem, Jeremy foi superado por Toba, mas isso não foi suficiente.

Acosta recebeu a bandeirada na Alemanha na frente, com 0s130 de vantagem para Toba. Alcoba cruzou em terceiro e foi ao parque fechado, onde foi avisado da punição que promovia Foggia ao pódio.

Moto3 2021, GP da Alemanha, Sachsenring, Corrida:

1 P ACOSTA Red Bull KTM Ajo 39:38.791 27 voltas
2 K TOBA CIP KTM +0.130  
3 D FOGGIA Leopard Honda +0.259  
4 J ALCOBA Gresini Honda +0.206 P+1
5 A MIGNO Snipers Honda +0.459  
6 N ANTONELLI Avintia KTM +0.728  
7 S GARCIA Aspar KTM +0.537 P+1
8 T SUZUKI SIC58 Honda +0.647 P+1
9 X ARTIGAS Leopard Honda +0.864  
10 I GUEVARA Aspar KTM +6.557  
11 J MCPHEE SIC HONDA +7.512  
12 E BARTOLINI Avintia KTM +7.576  
13 R FENATI MAX Husqvarna +20.902  
14 D BINDER SIC HONDA +37.855  
15 A FARID IZDIHAR Asia Honda +38.297  
16 D ÖNCÜ Tech3 KTM +54.714  
17 J KELSO CIP KTM +58.423  
18 R YAMANAKA Prüstel KTM +1:27.070  
19 S NEPA BOE KTM Abandonou  
20 R ROSSI BOE KTM Abandonou  
21 J MASIÀ Red Bull KTM Ajo Abandonou  
22 L FELLON SIC58 Honda Abandonou  
23 F SALAC Snipers Honda Abandonou  
24 G RODRIGO Gresini Honda Abandonou  
25 A FERNÁNDEZ MAX Husqvarna Abandonou  
26 Y KUNII Asia Honda Abandonou  
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade