2 eventos ao vivo

Celso Barros cobra o elenco e não garante Diniz: 'futebol é resultado'

Homem forte do futebol do Fluminense afirmou que não conversou com nenhum treinador, mas se mostrou bastante insatisfeito e preocupado: 'pontuação de rebaixado'

13 ago 2019
17h47
atualizado às 18h02
  • separator
  • 0
  • comentários

Após dois dias de folga, o elenco do Fluminense se reapresentou na manhã desta terça-feira, no CT Pedro Antônio. Antes da atividade, o vice geral e homem forte do futebol, Celso Barros, se reuniu com os jogadores e comissão técnica para cobrar melhores resultados no Campeonato Brasileiro. O Tricolor ocupa a 16ª posição, com apenas 12 pontos, aproveitamento de 28,6%. Para o dirigente, a campanha é de time rebaixado.

Celso Barros foi bem sincero sobre o atual momento do futebol do Fluminense (Foto: Lucas Merçon/Fluminense)
Celso Barros foi bem sincero sobre o atual momento do futebol do Fluminense (Foto: Lucas Merçon/Fluminense)
Foto: Lance!

- Eu queria discutir com os jogadores o momento ruim. Os times que estão à frente possuem 17 pontos. Então é o momento de redobrar a atenção. Temos que jogar mais, suar mais um pouco. Diniz é o técnico e está sendo cobrado, como todos estão. Futebol é resultado, não adianta jogar bonito e não vencer - disse o dirigente, que, por outro lado, deu um voto de confiança ao treinador.

- Mas estamos acreditando. Ele é o técnico, agora, temos que ficar atentos a essa situação. Estamos a um ponto do Z4. Fizemos 6 pontos desde que assumimos. Isso não pode acontecer. Essa pontuação é de rebaixado - ressaltou.

Por causa da pressão em torno do técnico Fernando Diniz, inúmeras especulações já surgiram sobre possíveis substitutos no cargo. No entanto, Celso Barros garantiu que não conversou com ninguém, porém não confirmou a permanência do treinador em caso de resultados negativos.

- Não conversamos com nenhum técnico, não falei com ninguém. Surgiu por aí que a gente falou com o Mano, de quem eu gosto muito, com o Dorival e o Abel. Ninguém vai dizer aqui que Diniz está prestigiado. Falava-se isso e o técnico caia no dia seguinte. Diniz é o técnico e está sendo cobrado, como ele cobra os jogadores. Queiram ou não, os resultados são importantes. Não tem jeito - comentou.

Os próximos dois jogos pelo Campeonato Brasileiro, são contra CSA e Avaí, ambos no Maracanã. Em tese, o Fluminense é o favorito para vencer esses confrontos. Entretanto, Celso Barros descartou que essas partidas serão decisivas. Para ele, todas serão daqui para frente e o elenco recebeu reforços para conseguir dar a volta por cima.

- Eu não vou condicionar a esses dois jogos. O fato é que em 14 partidas, o nosso resultado é ruim. É importantíssimo vencer esses dois jogos. Então, todo jogo é decisivo. Temos de trabalhar com a verdade. A situação é ruim e temos de mudar isso. Trouxemos jogadores que podem contribuir. É só ver o goleiro, Muriel nos ajudou muito já. Nenê é muito talentoso, o Nem tem entrado bem e acho que o Lucão pode ajudar muito - analisou.

Bate-Bola com Celso Barros

Possível demissão de Fernando Diniz:
- Já falamos sobre o jogo, sobre o estilo e ele falou algo importante. No momento em que não acreditarem no trabalho, cabe aos dirigentes dizer que encerrou o ciclo. Com o Abad foi assim. A torcida disse que não dava mais e ele antecipou a eleição. A vida é assim. Eu fui criticado quando na eleição eu fiz uma ponderação sobre o time estar a um ponto do Z4. Eu disse que estava preocupado. Me questionaram se eu não daria tempo ao Diniz. É claro que eu vou dar o tempo, mas ele está aí desde o começo do ano.

Jogo mais importante:
- O jogo mais importante foi o do Goiás, que foi o primeiro. É um campeonato muito difícil e o primeiro jogo vale mais do que o último. Na última um time pode estar rebaixado. Então é jogar como se todo jogo fosse uma decisão e a partida do CSA vale muito.

Fórmula para melhorar a situação:
- Se a gente vencer o CSA, vamos ter ganho seis pontos nos últimos nove disputados, contando os jogos com o Inter e o Atlético-MG. É uma boa média. Temos 29% de aproveitamento. Se a cada três jogos a gente fizer seis, uma média de 66%, saímos dessa situação. A gente foi para vencer o Atlético-MG. Agora, se tivéssemos somado um ponto lá, teria sido sensacional.

Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade