0

Brasil terá maior delegação da história no Parapan de Lima

País participará da maior competição continental, na capital peruana, com 337 competidores de 17 modalidades, a partir do dia 23 de agosto

17 jul 2019
16h12
  • separator
  • 0
  • comentários

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) anunciou nesta terça-feira uma delegação recorde que representará o país nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, a partir de 23 de agosto. Serão 512 integrantes na missão, sendo 337 atletas, entre os quais atletas-guias, calheiros, goleiros e pilotos, que não possuem deficiência, de 23 estados e do Distrito Federal em 17 modalidades. Este número representa um acréscimo de 24% em relação ao time que ostentou o pavilhão nacional na última edição do Parapan, em Toronto (CAN), em 2015.

Daniel Dias é o atleta mais vitorioso do Brasil (Foto: Marco Antonio Teixeira/MPIX/CPB)
Daniel Dias é o atleta mais vitorioso do Brasil (Foto: Marco Antonio Teixeira/MPIX/CPB)
Foto: Lance!

O Brasil busca repetir o feito das três últimas edições dos Jogos continentais. Desde 2007, quando a competição passou a ser realizada na mesma sede dos Jogos Pan-Americanos (tal qual ocorre nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos), os atletas brasileiros não conhecem outro resultado que não seja o primeiro lugar no quadro geral de medalhas. Foi assim no Rio-2007, em Guadalajara-2011 e Toronto-2015. Neste último, foram 257 medalhas, das quais, 109 de ouro, 74 de prata e 74 de bronze

- Temos uma grande responsabilidade, que é manter a hegemonia no continente. Por isso, vamos com nosso melhor time para Lima. Trata-se da primeira edição de Parapan em que pudemos oferecer a estrutura do Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, aos atletas brasileiros. A preparação dos nossos atletas e a qualidade dos profissionais envolvidos nesta missão nos dão a certeza de que fizemos tudo certo. Estamos prontos para encher o Brasil de orgulho neste Parapan - comentou Mizael Conrado, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, bicampeão paralímpico de futebol de cinco (para cegos) em Atenas 2004 e Pequim 2008.

Os Jogos Parapan-Americanos são o maior evento do continente. Em Lima, serão 1.890 atletas, de 33 países, em 17 modalidades: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, ciclismo, futebol de 5, futebol de 7, goalball, halterofilismo, judô, natação, rúgbi em cadeira de rodas, parabadminton, parataekwondo, tênis em cadeira de rodas, tênis de mesa, tiro esportivo e voleibol sentado.

Grandes nomes do paradesporto brasileiro estão garantidos e muito empolgados nas disputas.

- Será a minha quarta participação em Parapan. É uma competição muito especial para mim, porque colecionei muitas medalhas e todas elas de ouro. A competição também contribuiu para a conquista do Troféu Laureus, o Oscar do esporte mundial, em 2016, que considerou os feitos do Parapan em Toronto e também do Mundial de Glasgow. Estou ansioso desde já - comentou o nadador multimedalhista paralímpico Daniel Dias, que faturou oito medalhas de ouro no Parapan de Toronto-2015.

Dentre os atletas que irão a Lima, 77% da delegação que representará o Brasil tem alguma deficiência física. A segunda deficiência predominante é a visual, com 22%, seguida da intelectual (1%). A equipe também é composta por 22 atletas que não possuem deficiência: atletas-guia (atletismo), calheiros (bocha), pilotos (ciclismo) e goleiros (futebol de 5). A delegação ainda conta com 197 pessoas da comissão técnica, equipe médica e demais integrantes estafe.

O campeão mundial e paralímpico e recordista mundial nos 400m do atletismo da classe T20 (deficiência intelectual), o mariliense Daniel Tavares Martins se diz pronto para acrescentar mais esta medalha à imensa galeria pessoal.

- Minhas expectativas são as melhores possíveis. Será meu primeiro Parapan e estou ansioso. Espero fazer meu melhor lá e, se Deus quiser, voltar para casa com uma medalha no peito.

O time feminino configura 38% da delegação, e representa a totalidade de vagas disponíveis por Lima 2019 para as mulheres. E o Brasil vai com atletas já consagradas, como Alana Maldonado, campeã mundial de judô; Débora Menezes, campeã mundial no parataekwondo; Cátia Oliveira, vice-campeã mundial de tênis de mesa, entre outras.

- Fico muito feliz por fazer parte desses 38% de mulheres que representarão o Brasil nos Jogos Parapan-Americanos de Lima. Espero que essa porcentagem cresça a cada edição dos Jogos, que possamos mostrar a nossa força e conquistar um bom número de medalhas para o nosso país - disse Alana Maldonado, medalhista de prata no Parapan de Toronto 2015.

Em Lima 2019, 21% da equipe será composta por jovens com até 23 anos. Ao todo, 25% dos atletas com deficiência física são de classes baixas, aquelas em que estão compreendidos os desportistas com maior grau de comprometimento físico-motor. Com esta marca, o CPB supera o objetivo de 12% estabelecida para os Jogos Parapan-Americanos de 2023, em Santiago, Chile.

- O norte do nosso trabalho no CPB é o Planejamento Estratégico 2017/2024 e a convocação para esta missão em Lima está alinhada a ele. Atingimos indicadores importantes com atletas jovens, mulheres e estamos confiantes que manteremos o primeiro lugar no quadro geral de medalhas das Américas - disse Alberto Martins da Costa, diretor-técnico do CPB.

São Paulo é a unidade da federação com o maior número de representantes, 101 atletas. Seguido do Rio de Janeiro com 35, Paraná com 28 esportistas e Minas Gerais com 26.

Esta edição do Parapan marca a inclusão de três novas modalidades: parabadminton, parataekwondo e tiro esportivo. Lima dará vaga direta para os Jogos Paralímpicos de Tóquio em quatro modalidades: basquete em cadeira de rodas (os três primeiros colocados no masculino e campeão e vice no feminino), rúgbi em cadeira de rodas (campeão), tênis em cadeira de rodas (uma vaga no feminino e uma no masculino) e vôlei sentado (os quatro primeiros do feminino e do masculino).

Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade