PUBLICIDADE

Thiago Fernandes, meio-campista brasileiro do Kirivong Sok, comenta sobre seu futuro no futebol

Jogador, que atua no futebol de Camboja, falou sobre o início de sua trajetória no futebol e sua relação com a família. Além de atuar no futebol asiático, ele é é naturalizado Timorense

25 jun 2022 - 06h23
Ver comentários
Publicidade

Jogadores brasileiros seguem tendo destaque em diversos lugares do mundo da bola. É assim também no continente asiático, no qual atua o meio-campista Thiago Fernandes. O atleta defende as cores do Kirivong Sok, equipe tradicional do Camboja, que disputa a primeira divisão nacional do país, a C-League.

Thiago Fernandes está em Camboja e pretende um dia voltar ao futebol brasileiro (Divulgação/Kirivong Sok)
Thiago Fernandes está em Camboja e pretende um dia voltar ao futebol brasileiro (Divulgação/Kirivong Sok)
Foto: Lance!

No entanto, o caso de Thiago é ainda mais singular. Além de atuar no continente asiático e já ter tido passagens por clubes da Índia, Indonésia, Kuwait e Bahrein, o jogador é naturalizado Timorense, ou seja, é um cidadão do Timor-Leste.

Por possuir uma longa carreira no futebol asiático, é natural que o atleta viva afastado das terras brasileiras. Por isso, o jogador guarda com carinho os momentos vividos profissionalmente no Brasil e tem na sua família o grande sentimento de um dia retornar ao país. O meio-campista falou sobre o início de sua trajetória no futebol e comentou sobre a sua relação com a família:

- O início da minha carreira foi aos 15 anos, atuando pelo Taboão da Serra-SP no Paulistão da categoria. Pelo meu bom rendimento, logo em seguida fui para o tradicional Juventus da Mooca. Lá, de fato, foi onde me formei, tive a oportunidade de atuar no clube durante três temporadas. Já no profissional voltei a atuar no Taboão da Serra-SP. Após um mês no clube, surgiu a chance de estar representando a seleção do Timor Leste. Cheguei a jogar alguns amistosos por lá - disse, e emendou:

- Pretendo (voltar ao Brasil), sem dúvidas. Quem não sonha em jogar em um grande clube do seu país? Comigo não é diferente. Afinal, estaria próximo da minha família e amigos, teria total apoio e respaldo para estar fazendo o meu melhor dentro de campo. A minha família é o principal motivo para eu voltar um dia e atuar no Brasil - finalizou.

Lance!
Publicidade
Publicidade