PUBLICIDADE

Futebol Internacional

Modric exalta Vini Jr. e projeta duelo com o Brasil: "Maior jogo da Copa para nós"

8 dez 2022 - 10h52
Compartilhar
Exibir comentários

O meio-campista Luka Modric está prestes a disputar um dos jogos mais importantes de sua carreira: o duelo contra a Seleção Brasileira, nesta sexta-feira, ao meio-dia (de Brasília), no estádio Cidade da Educação. O jogador realizou entrevista coletiva na véspera da partida e reconheceu o favoritismo brasileiro, mas afirmou que a Croácia não deve se dar por satisfeita por chegar até as quartas de final da Copa do Mundo.

"Fizemos muito para chegar até as quartas. Mas, independente disso, sempre queremos mais. É a maior partida da Copa do Mundo para nós e está bem à nossa frente. O Brasil é sempre favorito, especialmente nesta Copa. Acho que, por tudo que fizeram, merecem esse favoritismo", disse o croata.

"Temos que ser nós mesmos e dar o nosso melhor, assim como fizemos em cada jogo até aqui. Se assim fizermos, temos chances de vencer. Não podemos ficar satisfeitos só com as quartas", completou.

Modric também devolveu os elogios ao atacante Vinícius Júnior, que nesta quarta-feira comentou a importância do meia para sua adaptação no Real Madrid. O capitão da atual equipe vice-campeão mundial admitiu que ele e seus companheiros terão uma difícil missão em pará-lo.

"É muito legal saber que Vini está me elogiando, me parabenizando. Ele é um excelente jogador. Uma pessoa muito boa. Tem uma enorme capacidade física e, desde que chegou ao Real, mostrou isso em todos os jogos. Ele está fazendo a mesma coisa nesta Copa. Teremos uma difícil missão de tentar pará-lo", declarou.

"Ainda não vencemos eles (Seleção Brasileira) e espero poder mudar isso desta vez", comentou o jogador ao recordar a derrota de seu time para o Brasil na estreia da Copa de 2014.

Ao lado de Modric, o técnico da Croácia, Zlatko Dalic minimizou a polêmica sobre as danças dos brasileiros nas comemorações de gols. Ele disse que "não gostaria que seus atletas fizessem o mesmo", mas afirmou que os adversários "podem celebrar como quiserem".

"Eles têm a sua própria forma de comemorar e fazem isso como sabem, como estão acostumados. Estão fazendo as coisas com muita unidade, fazem isso juntos. Demonstrando sua tradição, sua característica. Estão certos. Isso significa que é respeitoso ou desrespeitoso? Não sei dizer. Eu não gostaria ver meus jogadores fazendo, mas é a cultura deles. Eles gostam e podem fazer", disse.

A tendência é que a seleção croata não tenha muitas alterações para encarar o Brasil. A única mudança deve ser o retorno de Sosa, que ficou de fora das oitavas diante do Japão.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Compartilhar
Publicidade
Publicidade