1 evento ao vivo

Atletas do Arsenal fazem vídeo contra homofobia e viram hit

6 set 2014
15h36
atualizado às 15h41
  • separator
  • comentários

Criada por uma casa de apostas e por uma entidade que luta pela igualdade de direitos para homossexuais, a campanha Rainbow Laces chegou ao futebol. Mais precisamente ao Arsenal. A ação, que propõe às pessoas usarem cadarços de tênis coloridos como forma de mostrar apoio ao combate da homofobia, foi aderida por alguns jogadores do clube londrino, que deram um show de simpatia em um vídeo publicado na internet (veja, na íntegra, aqui). Participaram: os atacantes Olivier Giroud, Theo Walcott e Oxlade Chamberlain, e os meias Mikel Arteta e Santi Cazorla. 

Foto: Reprodução

A ideia do vídeo é simples: cada atleta conta o que é tão forte em sua personalidade que não pode ser mudado. Ou seja, qual é o seu estereótipo, qual é a forma como eles são vistos e reconhecidos pelas pessoas. No fim, a publicação diz que nada é “imutável”, pede para que todos mudem o jogo e implora para que lutem contra a homofobia, a discriminação contra lésbicas e gays. O tema ainda é considerado um tabu no futebol.

O mais engraçado do vídeo, porém, foram as participações e falas dos atletas do Arsenal. Olivier Giroud, por exemplo, recebe um “jato” de perfume em seu corpo e diz que não pode mudar o fato de ser “lindo”.

O meio-campista espanhol Mikel Arteta, capitão da equipe, ressalta que não pode mudar o fato de ter um “cabelo perfeito”.

Santi Cazorla, também meio-campista nascido na Espanha, afirma que não pode mudar a sua altura – ele tem 1,68 m e é um dos mais baixinhos do elenco do Arsenal.

Oxlade Chamberlain, por sua vez, se auto ironiza e conta que não pode mudar o fato de se parecer com uma Tartaruga Ninja, famoso desenho animado que faz sucesso entre crianças, jovens e até adultos.

Já Theo Walcott vai mais além e brinca que não pode mudar o fato de ser a cara do piloto de Fórmula 1 Lewis Hamilton, seu compatriota.

Depois de gravarem o vídeo, os jogadores do Arsenal ressaltaram a importância de participar de uma campanha como esta. “Nós estamos felizes por apoiar a campanha e, enquanto a propaganda é um olhar despreocupado em coisas que não podemos mudar, a discriminação no futebol não pode ser tolerada e nós queremos trabalhar juntos para mudar isso”, disse Arteta, em nome também dos outros quatro atletas.

E este não é o primeiro fato que mostra a importância do clube londrino para o combate à homofobia. O Arsenal possui, por exemplo, uma torcida uniformizada gay, a GayGooners, que, por meio de um de seus fundadores, elogiou a atitude dos atletas. “A participação do Arsenal na propaganda significa muito para os torcedores LGBT do Arsenal e para a comunidade gay. A campanha manda uma mensagem que as atitudes devem e podem mudar”, afirmou Stwart Selby.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade