PUBLICIDADE

Em 10 anos, Simeone implementou 'cholismo' e derrubou pecha de perdedor do Atlético de Madrid

Treinador argentino completa uma década à frente do clube espanhol com títulos, recordes e marcas expressivas

26 dez 2021 15h10
| atualizado às 16h24
ver comentários
Publicidade

Ficar dez anos em um mesmo clube de futebol é raro, muito raro, nos dias atuais. Diego Simeone pode se orgulhar dessa façanha. O argentino completou uma década no comando do Atlético de Madrid na última quinta-feira, dia 23, e encaminha para aumentar a contagem. O treinador alcança a marca expressiva em meio a críticas por maus resultados em sequência, mas tem a confiança da diretoria e deve continuar seu trabalho, vitorioso e duradouro, ainda que sob cobraças.

Simeone transformou o Atlético em um time forte e aguerrido, foi responsável por montar sistemas defensivos competentes e um contra-ataque mortal. Encontrou o equilíbrio entre defesa e ataque. O "cholismo", que pressupõe coragem, garra, concentração, confiança em derrubar gigantes e também arte de viver o agora, partida a partida, despertou uma grande ilusão entre um torcedor que havia perdido as esperanças de ver seu time entre os melhores da Espanha e da Europa. Dez anos depois, pode-se dizer que ele cumpriu os seus objetivos e mudou a história do clube de Madri.

Simeone conseguiu implementar com sucesso suas ideias de futebol. Foi feliz em, sobretudo, passar aos atletas o seu jeito de agir e pensar que vai além do jogo. O "não deixar de acreditar" aplica-se quase diariamente como sinônimo de esforço, de luta e de solidariedade. "O clube procurou um ex-jogador para voltar a animar os torcedores e se saiu muito bem", recorda-se o ex-zagueiro Álvaro Domínguez, que foi atleta de Simeone em 2011, em entrevista ao podcast El Larguero.

Simeone foi contratado em 23 de dezembro de 2011 para resgatar o Atlético, imerso, na ocasião, em uma crise esportiva. Não pensou duas vezes em sair do Racing e topar o desafio de treinar um dos maiores clubes da Espanha e que ele conhecia bem, uma vez que teve passagem importante, de mais de quatro anos, como jogador do time.

"Estou muito feliz, venho com ilusão e alegria", afirmara o treinador em sua apresentação sem saber que se tornaria um dos personagens mais importantes na história do clube espanhol, ostentando títulos, recordes e marcas expressivas. A maior delas, sem dúvida, refere-se aos títulos. Ele é o técnico com o maior número de conquistas nos 118 anos do clube madrilenho. São oito troféus sob o seu comando: Liga Europa (2012 e 2018), Supercopa da Europa (2012 e 2018), Copa do Rei (2013), Supercopa da Espanha (2014) e Campeonato Espanhol (2014 e 2021). Cabe lembrar que, com Simeone, o Atlético chegou duas vezes à final da Liga dos Campeões, em 2014 e 2016, caindo em ambas as decisões para o Real Madrid.

O argentino é também o técnico com maior número de vitórias, 326, na história dos "colchoneros". São 551 jogos à beira do gramado. Apenas Luis Aragonés dirigiu o time de Madri mais vezes, em 611 partidas.

Simeone pode se orgulhar de ter levado o Atlético de Madrid a ser, nos últimos 17 anos, o único time a derrubar a hegemonia de Barcelona e Real Madrid e vencer o Campeonato Espanhol, o que ocorreu duas vezes na última década. Em 2014, a equipe alcançou o seu recorde de pontos (90) e na última temporada conquistou a liga nacional pela 11ª vez.

"Taticamente perfeito, concentrado e com muito caráter. Assim era Diego Simeone enquanto jogador e é exatamente como é a sua equipe agora", opinou Carlo Ancelotti, técnico do arquirrival Real Madrid.

Brasileiros sob seu comando

O argentino teve a ajuda de brasileiros para alcançar sucesso em Madri. Começou com Paulo Assunção, Diego Ribas e Miranda na conquista da Liga Europa de 2011/12 e passou por Filipe Luís e Diego Costa. Hoje, tem em seu elenco o zagueiro Felipe, o lateral-esquerdo Renan Lodi e o atacante Matheus Cunha. Para Diego Ribas, atualmente no Flamengo, o treinador é especial. "Simeone foi um dos melhores treinadores com quem já trabalhei por ser bom taticamente e, também, equilibrar isso com o lado pessoal. Sabe gerir muito bem o grupo".

Mas como o Simeone foi capaz de transformar o Atlético em uma potência na Espanha capaz de bater de frente com Real e Barcelona e incomodar gigantes da Europa? A explicação, para além dos aspectos táticos e técnicos, está na mentalidade.

"Ele chegou e caiu de pé no vestiário. Ele conquistou o respeito dele, aquele vestiário não era tão unido e ele harmonizou e mudou a mentalidade de quem estava lá. Ele se concentrou nos detalhes e na mentalidade de 'aqui você não perde mais para o árbitro'", explica Domínguez.

Prova disso é que "El Cholo", apelido que ganhou graças ao estilo de jogo raçudo e aguerrido quando jogador, enterrou a expressão "El Pupas", criada pelo ex-presidente Vicente Calderón para se referir à incapacidade que o time tinha de ser vencedor, falhando em momentos decisivos. A pecha, originada após derrota para o Bayern de Munique em 1974 na final da Taça dos Campeões da Europa, acompanhou a equipe por muitos anos, até Simeone, com sua mentalidade vencedora, afastá-la.

Estadão
Publicidade
Publicidade