PUBLICIDADE

Saiba tudo sobre a Copa Sul-Americana: novo formato, premiação e times participantes

'Estadão' destaca as principais mudanças no torneio, previsto para começar no dia 16 de março

26 fev 2021 15h38
| atualizado às 15h47
ver comentários
Publicidade

Seis representantes brasileiros, fase de grupos inédita e premiação de cerca de R$ 36 milhões ao campeão, com distribuição de R$ 300 milhões ao longo da disputa. Esta é a nova cara da Copa Sul-Americana, mais atraente, competitiva e parecida com a cobiçada Libertadores da América. O Estadão destaca as principais mudanças no formato do torneio, os novos valores da premiação e quem são os participantes da disputa, prevista para começar dia 16 de março. Até o momento, apenas os representantes do Uruguai não foram definidos.

Taça da Copa Sul-Americana
Taça da Copa Sul-Americana
Foto: Divulgação/Conmebol / Estadão

NOVO FORMATO

Diferentemente do longevo modelo de mata-mata, aplicado desde a edição de 2003, neste ano os participantes da Sul-Americana terão de passar por três fases, com exceção das privilegiadas equipes brasileiras e argentinas, que entram no torneio direto na etapa de grupos.

Os clubes da Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e Venezuela não tiveram a mesma sorte. Eles terão de jogar uma fase preliminar. Daí surgem 16 classificados, que se juntam aos 12 brasileiros e argentinos. Para completar as 32 equipes que disputam a segunda fase, entram mais quatro times que foram eliminados da última etapa da Pré-Libertadores.

Determinado os times, haverá um sorteio. As equipes serão distribuídas em oito chaves. Apenas os primeiros colocados passam para a terceira e última etapa da competição, a de mata-mata. Eles enfrentam, nas oitavas de final, as equipes que ficaram em terceiro lugar na fase de grupos da Libertadores.

PREMIAÇÃO MAIOR

Devido ao novo formato, a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) decidiu aumentar a premiação da competição em 25%. O campeão poderá receber cerca US$ 6,8 milhões (R$ 36 milhões). Isso no caso de brasileiros e argentinos, que iniciam o torneio na etapa de grupos.

Nesta fase, cada equipe receberá US$ 300 mil por jogo como mandante, acumulando um total de US$ 900 mil até o fim da primeira parte. Em seguida, os clubes classificados recebem US$ 500 mil nas oitavas de final; US$ 600 mil nas quartas; US$ 800 mil na semifinal; e US$ 4 milhões na grande final. O vice fica com US$ 2 milhões. Os clubes da América do Sul precisam dessa premiação, principalmente em tempos de pandemia, sem patrocinadores e público nos estádios.

QUEM SÃO OS PARTICIPANTES

Apenas os quatro representantes do Uruguai não foram definidos. De resto, a competição já conhece seus 52 integrantes. Os últimos a se classificarem, inclusive, foram os brasileiros Athletico-PR, Corinthians, Red Bull Bragantino, Ceará, Atlético-GO e Bahia. Conheça o restante:

  • Argentina: Newell's Old Boys, Talleres, Lanús, Rosário Central, Arsenal de Sarandí e Independiente.
  • Bolívia: Jorge Wilstermann, Guabirá, Nacional Potosí e Atlético Palmaflor.
  • Chile: Palestino, Antofagasta, Cobresal e Huachipato.
  • Colômbia: Deportes Tolima, La Equidad, Deportivo Pasto e Deportivo Cali.
  • Equador: Emelec, Guayaquil City, Macará e Aucas.
  • Paraguai: Nacional, Guaireña, 12 de Octubre e River Plate.
  • Peru: Carlos A. Mannucci, Sport Huancayo, Universidad Técnica Cajamarca e Melgar.
  • Venezuela: Puerto Cabello, Aragua, Metropolitanos e Mineros de Guayana.

A fase preliminar da Copa Sul-Americana terá início no dia 16 de março. Já a fase de grupos terá o pontapé inicial dado no dia 19 de abril. O último campeão do torneio foi o Defensa Y Justicia, da Argentina, então comandado pelo técnico Hernán Crespo, atualmente no São Paulo. Internacional, São Paulo, Chapecoense e Athletico-PR são os brasileiros que já faturaram a competição em outras edições. Aliás, este foi o último torneio que o tinhe ganhou. Foi em 2012.

Estadão
Publicidade
Publicidade