1 evento ao vivo
Logo do Seleção Brasileira
Foto: terra

Seleção Brasileira

Seleção Brasileira

Zico lamenta escândalo da Fifa e diz: "futebol ganha"

Daniel Ramalho / Terra
27 mai 2015
14h36
atualizado às 15h10
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Em Varsóvia para comentar a final da Liga Europa, o ex-jogador e atual treinador do Goa, da Índia, Zico lamentou o escândalo da Fifa deflagrado na madrugada desta quarta-feira, na Suíça. O ídolo da torcida do Flamengo não se ateve a nomes e opinou que as prisões são positivas para o futebol, desde que os infratores deixem o esporte. Entenda tudo sobre o escândalo de corrupção na Fifa aqui.

"Não é só o Marin. O envolvimento de todos. Acho que a gente não pode especificar esse ou aquele. É muito ruim para o futebol e que tudo seja esclarecido e as pessoas envolvidas possam sair fora do futebol. O esporte que ganha com isso", opinou.

Operação prende Marin e mais seis executivos da Fifa

Zico não quis fazer suposições referentes ao atual comando da CBF, que tem como presidente atual Marco Polo Del Nero, antigo vice e braço direito de Marin. "A polícia Suíça está lá para isso", afirmou. O ex-jogador espera que a entidade máxima do futebol brasileiro confirme sua inocência no caso.

"Eles devem comprovar que não tem nada a ver com a história. Todo acusado deve mostrar que é inocente. Isso é a lei natural das coisas. Você está sendo acusado, que as pessoas que te acusem também provem que há um envolvimento da sua parte. Eu sei porque já fui acusado e fui atrás para provar e fui absolvido. A vida é isso, ninguém pode acusar ninguém sem provas", concluiu o hoje técnico e comentarista, fazendo alusão a uma investigação que passou em 2010 .

Fifa nega envolvimento de Blatter e garante eleição na sexta

A polêmica da época tinha a ver com sua passagem pela diretoria de futebol Flamengo, quando uma parceria entre o clube rubro-negro e o CFZ foi alvo de investigações, das quais Zico foi inocentado.

Romário lembra eleição da Fifa: "queremos Blatter preso"

 

Lista dos 14 acusados na investigação de corrupção na Fifa
Alejandro Burzaco 50 anos argentino executivo
Aaron Davidson  44 anos americano executivo
Rafael Esquivel 68 anos venezuelano presidente da Federação Venezuelana de Futebol
Eugenio Figueredo 83 anos uruguaio ex-presidente da Conmebol
Hugo Jinkis 70 anos argentino executivo
Mariano Jinkis 40 anos argentino executivo
Nicolás Leoz 86 anos paraguaio ex-presidente da Conmebol
Eduardo Li 56 anos costarriquenho presidente da Federação de Futebol da Costa Rica
José Margulies 75 anos brasileiro executivo
José Maria Marin 83 anos brasileiro ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol
Julio Rocha 64 anos nicaraguense presidente da Federação Nicaraguense de Futebol
Costas Takkas 58 anos caimanês braço-direito do presidente da Conmebol
Jack Warner 72 anos trintino ex-presidente da Concacaf
Jeffrey Web 50 anos caimanês vice-presidente do comitê executivo da Fifa
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade