PUBLICIDADE

CAS nega recurso e mantém Ricardo Teixeira banido do futebol

Corte Arbitral do Esporte sustenta punição do Comitê de Ética da Fifa e ainda exige que ex-presidente da CBF pague multa de R$ 5,69 milhões

14 set 2021 15h12
| atualizado às 15h30
ver comentários
Publicidade

Ricardo Teixeira continuará banido do futebol. A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) recusou nesta terça-feira o recurso do ex-presidente da CBF para reverter a punição imposta pela Fifa em 29 de novembro de 2019 e, com isso, o ex-dirigente prossegue afastado de qualquer atividade envolvendo futebol pelo resto de sua vida. A determinação original havia sido aplicada pelo Comitê de Ética da máxima entidade do esporte mais popular do planeta.

Ricardo Teixeira foi banido pelo Comitê de Ética após acusação de receber propina em contratos com fornecedora de material esportivo e contratos de direito de transmissão de TV na Copa do Brasil (Foto: Reprodução / CNN)
Ricardo Teixeira foi banido pelo Comitê de Ética após acusação de receber propina em contratos com fornecedora de material esportivo e contratos de direito de transmissão de TV na Copa do Brasil (Foto: Reprodução / CNN)
Foto: Lance!

Além do banimento, Ricardo Teixeira terá de pagar a multa de 1 milhão de francos suíços (cerca de R$ 5,69 milhões, pela cotação atual) imposta pela Fifa.

Presidente da CBF entre 1989 e 2012, Teixeira foi acusado de violar o artigo 27 do Código de Ética da Fifa. Recaem sobre ele as acusações de receber mais de R$ 30 milhões em propinas em diversas negociações envolvendo a entidade que comanda o futebol nacional, como na assinatura do contrato com a Nike e na venda de direitos de transmissão de TV na Copa do Brasil.

O dirigente apelou à CAS em 20 de novembro de 2019, pedindo a anulação da punição. Sua defesa sustentava que a Fifa não teria jurisdição para puni-lo. Caso houvesse decisão favorável, Teixeira poderia voltar ao cenário do futebol.

Entretanto, nesta terça-feira, o máximo tribunal esportivo recusou por unanimidade, em painel composto por três especialistas, o recurso apresentado pela defesa do ex-presidente da CBF.

"A CAS concluiu que Ricardo Teixeira violou o artigo 27 do Código de Ética da Fifa e considerou que a sanção imposta pelo Comitê de Ética da Fifa foi proporcional, visto que a quantidade de propina recebida por Teixeira foi extraordinariamente alta", escreveu o tribunal.

Lance!
Publicidade
Publicidade