PUBLICIDADE

Qual o melhor: Cruzeiro 2013 ou Botafogo 2023?

Time campeão brasileiro há 10 anos guarda semelhanças com a equipe comandada por Bruno Lage, líder absoluta da edição atual

6 ago 2023 - 06h00
Compartilhar
Exibir comentários
Ricardo Goulart, um dos destaques do Cruzeiro 2013, enquanto Tiquinho Soares é o goleador do Botafogo 2023
Ricardo Goulart, um dos destaques do Cruzeiro 2013, enquanto Tiquinho Soares é o goleador do Botafogo 2023
Foto: Jorge Rodrigues/Agif/Gazeta Press/Vipcomm

Cruzeiro e Botafogo se enfrentam neste domingo no Mineirão, a uma rodada do encerramento do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Com um retrospecto praticamente impecável, o time alvinegro já não pode mais ser alcançado antes do returno, em trajetória que remete à da equipe celeste de 10 anos atrás.

Sob o comando de Marcelo Oliveira, o Cruzeiro demorou a engrenar na temporada, depois de perder a final do Mineiro para o Atlético e ser eliminado nas oitavas da Copa do Brasil pelo Flamengo. Foi só no Brasileirão que o elenco reformulado, que mesclava jovens jogadores como Mayke e Lucas Silva, medalhões como Julio Baptista, Dagoberto, Willian e Dedé e as então apostas Everton Ribeiro e Ricardo Goulart, deu liga.

A partir da 16ª rodada, a Raposa não saiu mais da liderança e conquistou o título com quatro rodadas de antecedência. Havia terminado a metade inicial do campeonato com 40 pontos, enquanto o atual Botafogo tem três a mais e, se vencer os dois jogos restantes, chegará aos 49 pontos, o suficiente para cravar o melhor primeiro turno da história do formato com 20 clubes.

Jogando de forma envolvente, o Cruzeiro de Marcelo Oliveira marcou 77 vezes no campeonato. Borges e Ricardo Goulart dividiram a artilharia, com 10 tentos cada. Já a equipe botafoguense, dona do melhor ataque ao lado do Palmeiras, concentra mais de 1/3 de seus gols em Tiquinho Soares, goleador isolado da competição (13).

Outro grande trunfo dos cruzeirenses naquela campanha histórica foi a força como mandante. Atuando em Minas Gerais, o time celeste só perdeu uma vez até se sagrar matematicamente campeão. Por sua vez, o Botafogo venceu todos os seus nove jogos no estádio Nilton Santos, onde fechará o turno diante do Internacional.

Curiosamente, as duas equipes chegaram a duelar pela liderança em 2013, quando o Botafogo era regido em campo pelo holandês Clarence Seedorf. Pela falta de profundidade de elenco e alternativas ao protagonismo inconteste do camisa 10, o alvinegro carioca não teve fôlego para brigar pelo título até o fim, mas terminou com a vaga na Libertadores.

Desta vez, apesar da troca forçada no comando técnico, após a saída de Luís Castro e a chegada de seu compatriota Bruno Lage, o Botafogo se mostra bem mais encorpado, tanto que já abriu 12 pontos de vantagem na liderança. Assim como aquele Cruzeiro, tem condições não apenas de voltar a ser campeão brasileiro depois de 28 anos, mas também de garantir a taça por antecipação.

O Fogão 2023 se assemelha mais ao Cruzeiro do que ao próprio Botafogo de 10 anos atrás. Nem tanto pelo estilo de jogo, já que o time de Marcelo Oliveira era mais ofensivo, vistoso e encantador. Por outro lado, a equipe herdada por Lage tem uma campanha, uma defesa e um artilheiro mais imponentes. 

Por tudo que alcançou até aqui, o Botafogo tem tudo para superar o inesquecível Cruzeiro de 2013, que hoje, em processo de reconstrução após três anos na Série B, nem de longe lembra sua versão vencedora da última década.

Fonte: Breiller Pires Breiller Pires é jornalista esportivo e, além de ser colunista do Terra, é comentarista no canal ESPN Brasil. As visões do colunista não representam a visão do Terra.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade