PUBLICIDADE
Logo do

Seleção Brasileira

Meu time

Último Brasil x Peru em São Paulo foi marcado por vaias

21 jun 2019 11h55
ver comentários
Publicidade
Romário, único poupado das vaias pela torcida brasileira no Morumbi
Romário, único poupado das vaias pela torcida brasileira no Morumbi
Foto: Gazeta Press

A Seleção Brasileira passou por momentos constrangedores na última vez que enfrentou o Peru em São Paulo. Com o empate por 1 a 1, no jogo disputado em abril de 2001, no Morumbi, pelas Eliminatórias do Mundial, ouviu vaias e foi vítima de um protesto atípico: um 'bandeiraço' - quando os torcedores, revoltados com a atuação do time e com o resultado, arremessaram suas bandeiras para o gramado.

Nesse sábado (22), Brasil e Peru voltam a se enfrentar - agora na Arena Corinthians. O empate garante a Seleção nas quartas de final da Copa América. Na terça-feira (18), a Seleção empatou com a Venezuela (0 a 0) na Bahia e deixou a Fonte Nova sob vaias.

Naquela oportunidade, em 2001, o futebol do Brasil já recebia críticas pela falta de criatividade e pela mesmice. Durante a transmissão da partida pela TV Globo, o narrador Galvão Bueno justificou a reação da torcida.

"O jogo é dramático no Morumbi, dramático porque joga mal o futebol brasileiro, dramático porque o futebol brasileiro passa por um momento difícil, complicado. Todo jogo é difícil para o futebol brasileiro", disse Galvão.

Em outra situação, já próximo do final da partida, ele voltaria a se manifestar. "A gente repete. Aqueles que mandam no futebol, aqueles que deveriam comandar de forma correta o futebol, em caráter de urgência, antes que acabe com o futebol brasileiro ... tem que organizar o futebol ... para que não passe mais por isso a Seleção do Brasil."

Ao deixar o campo, Romário, o único poupado pelo público e autor do gol da Seleção, defendeu o trabalho do técnico Emerson Leão e reconheceu que já não havia mais entre os adversários "o grande respeito" que se tinha pela Seleção.

Fonte: Silvio Alves Barsetti
Publicidade
Publicidade