PUBLICIDADE
Logo do

Seleção Brasileira

Meu time

Antony se diz em 'um dos melhores momentos da carreira' e pretende ajudar ao máximo a Seleção

Uma das novidades de Tite para convocação dos jogos de outubro, atacante dá segredo para afiar pontaria: 'Paciência com a posse de bola'

6 out 2021 10h00
| atualizado às 10h14
ver comentários
Publicidade

A busca por aprendizado e mostrar suas credenciais dita Antony em sua primeira convocação para a Seleção Brasileira principal. Em entrevista coletiva divulgada nesta quarta-feira (6), o medalhista de ouro em Tóquio destacou.

'É um sonho de vestir a Amarelinha, gratificante pra mim', disse Antony (Reprodução / CBF)
'É um sonho de vestir a Amarelinha, gratificante pra mim', disse Antony (Reprodução / CBF)
Foto: Lance!

- Sou um jogador que trabalho muito todos os dias. Não tenho pressa de chegar meu momento na Seleção principal, que é o sonho dos jogadores vestir essa camisa. Estou aqui para ajudar e somar com o grupo - disse, ressaltando que vive seu melhor momento:

- É um sonho de vestir a Amarelinha, gratificante pra mim, minha família e para todos que gostam pra mim. Com certeza, é um dos meus melhores momentos na carreira - completou.

Ouro em Tóquio e convocado pela primeira vez para a Seleção principal em um intervalo de 60 dias, Antony falou sobre como pretende contar esta história futuramente para seu filho Lorenzo, que tem 1 ano e 11 meses.

- Muito gratificante ter um filho que vê você jogando e poder contar história para ele, ser o exemplo dele... Para mim, é feliz, tenho vídeo de que ele passa jogos e fala "papai". Pretendo contar muitas histórias - disse.

Aos seus olhos, o momento é de contribuir independentemente da função para a qual o técnico Tite solicitá-lo na ponta.

- Jogo pelos dois lados, costumo jogar mais pelo lado direito, mas atuar do lado esquerdo não tem problema nenhum - afirmou.

O jogador de 21 anos exalta a evolução que teve desde que chegou ao Ajax.

- Aprendi muito desde quando cheguei lá no Ajax, tive uma grande evolução, espero dar continuidade e contribuir aqui na Seleção - disse.

Acostumado a atuar no Ajax, equipe que preza pela posse de bola e tem 37 gols no Campeonato Holandês, Antony opinou sobre o caminho para a Seleção conseguir transformar esta maneira de atuar em gols.

- Acredito que tem que ter paciência com a posse de bola. A gente no Ajax trabalha muito isso, tendo paciência com os adversários. Vendo os jogos da Seleção, eles têm muita criatividade. Observo, acompanho os jogos, vejo e aprendo isso também. Com certeza, é preciso ter paciência e esperar o melhor momento para atacar- destacou.

Antony falou sobre a luta por estar no grupo da Copa de 2022 e repetir o caminho de outro jogador convocado para a Seleção em um Mundial: Romário, que em 1990 atuava no PSV.

- Esses dias até citei em uma entrevista o Romário. Foi um craque, ele tem uma história bonita com a camisa da Seleção, é um craque, espero construir a minha - disse.

O Brasil enfrenta a Venezuela nesta quinta-feira (7), às 20h30 (de Brasília).

Lance!
Publicidade
Publicidade