PUBLICIDADE

Uber pode estar com dias contados no Brasil: entenda como

MP ajuizou ações contra empresas de aplicativos para que regulem direitos trabalhistas dos motoristas sob risco de inviabilizar serviço.

11 nov 2021 11h17
ver comentários
Publicidade
Decisão do Ministério Público pode obrigar motoristas a não desligarem o aplicativo na hora que quiserem?
Decisão do Ministério Público pode obrigar motoristas a não desligarem o aplicativo na hora que quiserem?
Foto: Humphrey Muleba / Unsplash

O sistema de transporte por aplicativos recebeu quatro ações ajuizadas pelo Ministério Público do Trabalho em São Paulo nesta semana. Caso as ações prosperem, o serviço pode ser inviabilizado e extinto no país.

As ações valem para São Paulo mas terão amplitude nacional.

Segundo o Ministério Público, o fato de 99% dos motoristas terem trabalhado para aplicativos de transporte durante pelo menos quatro dias por semana entre 2018 e 19 caracteriza vínculo empregatício ― logo, os trabalhadores deveriam receber os direitos da CLT (Consolidação da Legislação Trabalhista).

As empresas se defendem pelo mesmo argumento, de que não existe empresa que aceite vínculo trabalhista caso o empregado trabalhe quatro dias e falte um na semana recorrentemente.

E mais: de que os motoristas têm liberdade de ligarem e desligarem os aplicativos quando quiserem e pelo tempo que quiserem sem que sejam punidos por isso.

Caso as ações prosperem, a multa sugerida é de R$ 10 mil por motorista. Apenas a Uber possui mais de um milhão de motoristas em seu sistema no país.

Homework Homework
Publicidade
Publicidade