0

Para onde vai o dólar em caso de impeachment de Dilma?

22 mar 2016
16h40
atualizado às 16h42
  • separator
  • 0
  • comentários

O mercado financeiro começa a calcular os efeitos mais imediatos sobre a possível mudança no rumo político do país com o impeachment da presidente Dilma Rousseff se tornando o cenário base dos investidores e analistas. Se tudo correr como o planejado na Câmara dos Deputados, o processo pode ser votado no plenário no dia 19 de abril e, caso acatado, será enviado em seguida ao Senado. Lá, caso aprovado, implicará no afastamento da presidente por 180 dias.

Manifestação contra o governo Dilma Rousseff no dia 13 de março de 2016, em São Paulo
Manifestação contra o governo Dilma Rousseff no dia 13 de março de 2016, em São Paulo
Foto: Gustavo Kahil/ O Financista / O Financista

Um dos ativos financeiros mais influenciados pelo ambiente político incerto nos últimos meses tem sido o dólar. O banco Nomura, em um relatório enviado a clientes nesta terça-feira, comparou o real com outras moedas da América Latina para tentar calcular quanto é o prêmio de risco político que está implícito na moeda brasileira. Desde janeiro de 2014, as moedas da região têm se enfraquecido e, na média, excluindo o Brasil, perderam 34%. A queda do real, contudo, chega a 50%.

“Aqui, somado aos problemas econômicos sofridos pelo país (recessão, alta inflação, elevação da dívida e deterioração fiscal), a crise política tem um impacto significativo, o que levou a um impasse e a uma piora do sentimento sobre a possibilidade de soluções sendo encontradas em algum momento em breve”, avalia João Pedro Ribeiro, analista do Nomura.

Rali do impeachment

A expectativa por uma mudança no cenário político, contudo, já tem afetado o rumo do real, que se valorizou em março. Com isso, o valor do dólar passou de R$ 4,01 para R$ 3,61, uma desvalorização de 10%.

“Assumindo que tal risco seria eliminado pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, avaliamos onde o real estaria caso estivéssemos negociando com os mesmos fatores de os outros países da região. Concluímos que há espaço para um rali a partir dos níveis atuais, mas tal rali deve ser limitado”, explica Ribeiro.

Segundo o banco, apesar de existir a possibilidade de uma reação exagerada, o nível entre R$ 3,20 – R$ 3,40 representa um tipo de guidance para manter em mente caso o impeachment se torne ainda mais provável.

O Financista Todos os direitos reservados
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade