PUBLICIDADE

Imposto de Renda: 18 milhões ficariam isentos com correção integral da tabela do IR, diz estudo

Levantamento da Unafisco aponta que reajuste faria a faixa de isenção de renda mensal passar de R$ 1.903,98 para R$ 4.465,34 para este ano

12 jan 2023 - 12h25
(atualizado às 12h51)
Compartilhar
Exibir comentários

Mais de 18 milhões de brasileiros ficariam isentos da cobrança do Imposto de Renda na declaração deste ano se a tabela fosse corrigida totalmente pela inflação, aponta levantamento da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco Nacional). A defasagem acumulada é de 134,53%. Para o ano-calendário de 2023, com exercício em 2024, a diferença é ainda maior, de 148,1%. A associação fez o cálculo com base no IPCA acumulado de 1996 a dezembro de 2022, com base na inflação anual divulgada pelo IBGE.

Imposto de Renda.
Imposto de Renda.
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / Estadão

Para as declarações deste ano, a arrecadação prevista é de R$ 328,56 bilhões. Caso a tabela fosse corrigida, deixariam de ser arrecadados R$ 184,29 bilhões. Ano que vem, considerando a hipótese de reajuste integral da tabela, a diferença seria de R$ 228,84 bilhões.

Veja como a tabela mensal ficaria se fosse corrigida para o ano-calendário de 2023

Renda/Parcela a deduzir

Até 4.723,77: isento

De R$ 4.723,78 até R$ 7.012,94: R$ 354,29

De R$ 7.012,95 até R$ 9.306,38: R$ 880,26

De R$ 9.306,39 até R$ 11.573,10: R$ 1.578,24

Acima de R$ 11.573,10: R$ 2.156,88

Dedução por dependente: R$ 470,37

Dedução de educação (limite): R$ 736,34

Sem a correção da tabela, os brasileiros que ganham 1,5 salário mínimo (R$ 1.953) terão que pagar o Imposto de Renda neste ano. O ex-presidente Jair Bolsonaro afirmou, no ano passado, que já havia acertado com o então ministro da Economia, Paulo Guedes, a revisão da tabela do imposto de renda para 2023. O reajuste, no entanto, não se concretizou.

Antes de tomar posse, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu a correção da faixa de isenção da tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas para R$ 5 mil. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sinalizou na semana passada que a correção da faixa de isenção da tabela só entrará em vigor no ano que vem.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade