PUBLICIDADE

Economia alemã encolherá 2% no 1º tri , dizem assessores do governo

17 mar 2021 09h57
ver comentários
Publicidade

O conselho de assessores econômicos do governo da Alemanha afirmou nesta quarta-feira projetar que a maior economia da Europa terá uma retração de cerca de 2% no primeiro trimestre deste ano devido às medidas de restrição para conter a pandemia de Covid-19.

Loja vazia da Apple durante lockdown em Frankfurt.  REUTERS/Kai Pfaffenbach/File Photo
Loja vazia da Apple durante lockdown em Frankfurt. REUTERS/Kai Pfaffenbach/File Photo
Foto: Reuters

O conselho reduziu sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para o ano inteiro de 2021 de 3,7% anteriormente para 3,1%. A expectativa é que a economia atinja o nível pré-crise na virada de 2021/2022 e cresça 4% no próximo ano.

"O maior risco negativo continua sendo o desenvolvimento da pandemia de coronavírus. A velocidade com que a economia pode voltar ao normal depende principalmente do progresso da vacinação", disse o conselho em comunicado, dando a primeira projeção oficial para o impacto nos três primeiros meses do ano.

Economistas alertam que a decisão da Alemanha e de vários outros países europeus de suspender a vacinação com o imunizante da AstraZeneca poderá atrasar o progresso no alcance da imunidade coletiva e adiar a tão esperada redução das medidas de bloqueio necessária para uma ampla recuperação econômica no segundo trimestre.

Veronika Grimm, membro do conselho, disse que a imunização com a vacina da AstraZeneca é necessária para acelerar a já lenta campanha de imunização da Alemanha.

No pior cenário, em que a vacina da AstraZeneca é banida permanentemente, ela poderia ser substituída no plano de vacinação do governo no decorrer do ano apenas parcialmente, quando outras vacinas, como a da Johnson & Johnson, estiverem disponíveis, disse Grimm.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade