PUBLICIDADE

Brasileira vai para EUA e fica milionária vendendo tapioca

Conheça a história da baiana que foi para os EUA com R$ 500 e hoje fatura US$ 1,5 milhão com tapioca

25 out 2022 - 06h15
Compartilhar
Exibir comentários
Verônica Oliveira, a brasileira que enriqueceu com tapioca
Verônica Oliveira, a brasileira que enriqueceu com tapioca
Foto: Instagram / Reprodução

O tão falado “sonho americano” às vezes se torna realidade. Pelo menos para a baiana Verônica Oliveira foi assim: ela foi para os Estados Unidos com R$ 500 e hoje em dia fatura nada menos do que US$ 1,5 milhão.

Vencedora do prêmio Best of Framingham 2022, na categoria Fornecedor de Produtos Alimentícios pelo Framingham Award Program, Verônica nasceu em uma fazenda do interior da Bahia e teve uma infância difícil.

“Cresci na roça com sete irmãos, vendo minha mãe lavar roupa no rio. Passamos por momentos difíceis, como a falta de comida e de oportunidades, mas sempre tivemos muito amor e vontade de crescer e realizar”, relembra ela.

A mudança para os Estados Unidos

Em Belo Campo-BA, cursou enfermagem e trabalhou alguns anos no hospital da cidade. Após ser demitida, em 2009 decidiu se mudar para os EUA ― mesmo sem falar inglês.

“Tinha só R$ 500 na conta, mas decidi arriscar. Parcelei a passagem no cartão de minha irmã e fui”, conta ela, que hoje mora em Massachusetts.

Na América, Verônica trabalhou como faxineira por quatro anos até decidir empreender. Com apenas US$ 30 de investimento, ela iniciou o Tapioca da Baiana. O negócio cresceu tanto que hoje ela fatura incríveis US$ 1,5 milhão.

A conquista do Best of Framingham 2022 coroou o momento único que vive a baiana, pois o negócio dela entra para a lista das empresas que contribuem para a economia norte-americana.

“O tempero baiano mudou a minha vida. Passa um filme de quando chegamos aqui, sem saber como seria o nosso futuro e as perspectivas. Mas com muito esforço e mão na massa, literalmente, nós conseguimos”, vibra ela.

Ambiciosa, Verônica não para por aqui e já sonha ainda mais alto. “Ainda temos muito trabalho pela frente. O meu desejo é alcançar a totalidade do mercado americano”, finaliza ela.

Redação Dinheiro em Dia
Compartilhar
Publicidade
Publicidade