PUBLICIDADE

As vantagens e os riscos de uma dolarização na Argentina

Javier Milei prometeu fazer reformas radicais na economia argentina, entre elas adotar o dólar como moeda corrente e fechar o Banco Central

21 nov 2023 - 13h46
(atualizado em 23/11/2023 às 17h34)
Compartilhar
Exibir comentários
Milei vê na dolarização um caminho rápido para debelar a inflação, mas iniciativa também traz desvantagens
Milei vê na dolarização um caminho rápido para debelar a inflação, mas iniciativa também traz desvantagens
Foto: DW / Deutsche Welle

Javier Milei, presidente eleito da Argentina, nunca escondeu seu plano: na campanha eleitoral, ergueu uma nota gigante de 100 dólares com sua imagem estampada nela. Na frentes das câmeras, também rasgou com raiva uma imagem do Banco Central. A mensagem: A Argentina precisa do dólar! Sua própria moeda, o peso, deve desaparecer, assim como o Banco Central.

Apesar de analistas apontarem que Milei não conseguirá, no momento, colocar em prática essa promessa, por não dispor de maioria no Congresso, sua terapia de choque econômico recebeu muitos aplausos durante a campanha.

Especialmente porque a economia da Argentina está em crise há décadas e não consegue se recuperar. A inflação anual supera os 140%, e um período de seca afetou as exportações de carne e soja, as mais importantes da balança comercial do país. Enquanto isso, a pobreza aumenta e a economia deve registrar recessão neste ano. Muitos eleitores estão frustrados com a política.

Dólar como solução rápida

Se tudo ocorresse como deseja Milei, a introdução do dólar colocaria a Argentina de volta no rumo certo.

Outros países já adotaram essa estratégia, com Equador e El Salvador, que aceitam o dólar como meio de pagamento válido desde 2000 e 2001, respectivamente. No Panamá, o dólar é principal meio de pagamento desde 1904.

Com essa medida, o Estado reconhece a moeda americana como moeda de curso legal. Uma taxa de câmbio fixa determina a taxa na qual a moeda existente é convertida em dólares. A moeda do próprio país continua em circulação, mas geralmente não é mais impressa e desaparece gradualmente.

Tanto Equador como El Salvador usam o dólar atualmente. Após a introdução do dólar, a inflação ficou sob controle em ambos os países e os resultados da economia se estabilizaram. Entretanto, os dois países ficaram mais endividados.

Por outro lado, em muitos outros países com altas taxas de inflação acaba ocorrendo uma dolarização informal. Enquanto suas próprias moedas perdem valor, os consumidores guardam dólares como "reserva forte". Isso acontece há anos na Argentina.

Vantagens da dolarização

A situação desoladora da economia e da moeda argentina está relacionada a erros graves na política econômica, fiscal e monetária. Milei e os defensores da dolarização estão convencidos de que, se o controle da moeda for retirado dos políticos - ou seja, das elites, que são vistas como corruptas -, os problemas serão resolvidos, como a inflação alta.

"A Argentina sempre teve inflação alta", diz à DW o economista Nils Sonnenberg, pesquisador do Kiel Institute for the World Economy (IfW, na sigla em alemão). "Desde a introdução do peso em 1881, houve cinco reformas monetárias nas quais 13 zeros foram removidos das cédulas. E houve duas hiperinflações sem guerra."

A baixa confiança dos argentinos na sua moeda é resultado disso. Aqueles que podem, guardam seu dinheiro em moedas consideradas mais estáveis. No final de 2022, os argentinos tinham mais de 246 bilhões de dólares em contas no exterior ou em notas - o que equivale a cerca de metade do PIB anual do país, de acordo com o escritório de estatísticas argentino. Isso ocorre apesar de controles de capital estarem em vigor desde 2019, com o objetivo de dificultar a fuga de divisas.

O fato de o Banco Central não ter sido capaz de garantir uma moeda estável também se deve à sua falta de independência da política, já que na Argentina o órgão está subordinado ao Ministério da Economia. No passado, o governo já demitiu presidentes do Banco Central, acessou suas reservas e incentivou o banco a imprimir dinheiro.

"Nos últimos 122 anos - desde 1900 - a Argentina teve déficit orçamentário, ou seja, mais despesas do que receitas", diz Sonnenberg. "É preciso cobrir um déficit como esse de alguma forma, seja por meio de impostos mais altos ou de uma dívida maior. E se não for possível contrair mais dívidas, então você imprime dinheiro."

Com o dólar como moeda nacional, as empresas e famílias argentinas voltariam a ter uma moeda estável com a qual poderiam planejar e fazer negócios, de acordo com os defensores da dolarização.

Riscos da dolarização

As vantagens da dolarização também são suas desvantagens. Se a política nacional não tem controle sobre a moeda, a margem de manobra para agir diminui drasticamente.

Seja em relação a subsídios, programas sociais, educação ou financiamento de promessas eleitorais, sem uma moeda própria, o cinto fica muito mais apertado.

Recessões e crises econômicas também seriam muito mais dolorosas do que já são hoje se o Estado não tiver meios de amortecer as maiores dificuldades.

Além disso, não seria mais possível obter uma vantagem competitiva ao desvalorizar a própria moeda, seja para os exportadores nacionais ou para o setor de turismo.

A Argentina já está familiarizada com esse problema. De 1991 a 2001, o país atrelou sua moeda ao dólar americano por lei, a uma taxa de 1:1. Quando importantes parceiros comerciais, como o Brasil e o México, desvalorizaram fortemente suas moedas em relação ao dólar no final da década de 90, a economia argentina teve dificuldades. Seus produtos ficaram subitamente muito caros e quase impossíveis de vender, e a Argentina teve que abandonar essa taxa de câmbio.

Portanto, o dólar é tanto uma promessa de estabilidade como um risco para a Argentina. Ainda não se sabe se e quando ele será introduzido como meio de pagamento. A única certeza é que o presidente eleito terá de fazer concessões porque não tem maioria no Congresso.

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade