PUBLICIDADE

Após vacinação ilegal, Guedes não vai a evento da CNT

O ministro manifestou a auxiliares indignação com o episódio, que é alvo de uma operação da Polícia Federal

26 mar 2021 14h08
| atualizado às 14h38
ver comentários
Publicidade

Após a Polícia Federal deflagrar uma operação para apurar a vacinação irregular de empresários do setor transportes contra a covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, cancelou sua participação nesta sexta-feira, 26, em seminário promovido pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

Entre os vacinados estava o ex-senador Clésio Andrade, ex-presidente da CNT. "Estou com 69 anos, minha vacinação (pelo SUS) seria na semana que vem, eu nem precisava, mas tomei. Fui convidado, foi gratuito para mim", disse à revista piauí.

Guedes cancelou participação em seminário promovido pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT). 
Guedes cancelou participação em seminário promovido pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil / Estadão

Ao Estadão, Andrade negou ter sido vacinado pelo grupo. "Desconheço. Estou em quarentena aqui no sul de Minas. Tive covid", afirmou.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, o ministro manifestou a auxiliares indignação com o episódio da vacinação ilegal e decidiu cancelar sua participação até que a entidade preste esclarecimentos. Nenhum representante do Ministério da Economia deve participar do evento.

Lei aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro exige que todas as doses de vacina adquiridas pelo setor privado sejam doadas ao SUS até que os grupos prioritários estejam imunizados. Vencida essa etapa, as empresas até poderão ficar com parte dos lotes adquiridos, mas ainda assim precisarão doar 50% da compra ao SUS.

Na quinta-feira, 25, Guedes defendeu, em audiência no Senado, que empresários recebam isenções tributárias como incentivo para doações ao SUS, mas sugeriu que o setor privado possa adquirir imunizantes para uso próprio.

Mais tarde, no Ministério da Economia, Guedes ressaltou que essa permissão depende de uma mudança na lei. "Eles vão conversar, eles vão acertar com o presidente da Câmara. É um problema de legislação, é lei", afirmou, após se reunir com os empresários Luciano Hang, dono da varejista Havan, e Carlos Wizard, da holding Sforza.

Hang e Wizard anunciaram a intenção de doar 10 milhões de doses de imunizantes contra covid-19. Por trás do gesto, no entanto, está o desejo dos empresários de poder comprar imunizantes para aplicar em seus funcionários, sem seguir a ordem de priorização estipulada no Plano Nacional de Imunização (PNI).

Estadão
Publicidade
Publicidade