PUBLICIDADE

Erika Hilton vai à justiça contra a mudança de logo da Fundação Palmares

Para a vereadora, a troca da imagem que representa o órgão é parte de um ataque promovido pelo presidente da FCP, Sérgio Camargo, contra a cultura e religiosidade do povo brasileiro

15 dez 2021 14h33
ver comentários
Publicidade
Texto: Caroline Nunes | Edição: Nadine Nascimento | Imagem:Reprodução/FCP
Texto: Caroline Nunes | Edição: Nadine Nascimento | Imagem:Reprodução/FCP
Foto: Imagem mostra os dois logotipos da Fundação Cultural Palmares / Alma Preta

A vereadora Erika Hilton (PSOL-SP), juntamente com diversos militantes do movimento negro, entrou com uma Ação Popular na Justiça solicitando a anulação da mudança de logotipo da Fundação Cultural Palmares (FCP).

Sérgio Camargo, presidente da FCP, já havia se manifestado contra o logo, que remete à ferramenta (machado) do orixá Xangô, cultuado como a representação da justiça e da força para as religiões de matriz africana. Nesta segunda-feira (13), a Fundação Cultural Palmares divulgou a nova imagem da instituição, que, segundo o órgão, traz "a transformação, a modernidade e a nacionalidade".

"Para representar a Palmares, nada melhor que o verde e amarelo que estampam nossa bandeira. Foi com esse pensamento, uma inspiração determinante na busca pela harmonia entre o preto, o branco, o miscigenado, que criamos nosso novo logo e, portanto, nossa identidade visual. Uma identidade que traduz o multicolorido de nosso povo, condensada e sintetizada às cores do nosso país, cuja população tem orgulho de sua nacionalidade. Orgulho de ser brasileiro! ", foi o que disse o Diretor do Departamento de Fomento e Promoção da Cultura Afro-Brasileira (DEP), Marcos Petrucelli, por meio de nota oficial.

Para a vereadora Erika Hilton, no entanto, a mudança é parte de um ataque promovido por Camargo contra a cultura e religiosidade do povo brasileiro.

"É inadmissível a tentativa desse apagamento da Fundação Palmares para substituir a logomarca - um oxê estilizado - simplesmente porque seu atual presidente 'não gosta'. Isso não é sobre gostos pessoais. É sobre a manutenção do nosso patrimônio imaterial. Além de ser uma questão de liberdade religiosa, se trata também da memória e da cultura do nosso povo", pontua Erika Hilton.

Desde que o edital de mudança da logo foi lançado, há quase dois meses, a vereadora enviou uma representação ao Ministério Público Federal pedindo seu cancelamento e abertura de inquérito contra Sérgio Camargo pela prática de racismo religioso.

A Ação Popular contra a mudança do logo da Fundação Palmares também foi apoiada por Regina Lúcia dos Santos e Milton Barbosa, ambos do MNU (Movimento Negro Unificado); Oswaldo Faustino e Flávio Carrança, membros da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial/SJSP; Prof. Dr. Dennis de Oliveira, da Rede Quilombação; pela ativista Neon Cunha; e também por Cinthia Gomes, da Marcha das Mulheres Negras de São Paulo.

'Mudar logo da Fundação Palmares é racismo religioso, diz pesquisadora'

Alma Preta
Publicidade
Publicidade