PUBLICIDADE

De vendas no metrô até a criação de marca própria: afroempreendedora dribla os desafios e realiza seu sonho

"Quando fazemos o que gostamos, mesmo que seja muito árduo, ainda assim é mais fácil de suportar e encontrar outras saídas", comenta Amanda Santos, idealizadora da AMD Moda Feminina

20 dez 2021 10h24
| atualizado em 21/12/2021 às 11h42
ver comentários
Publicidade
Texto: Caroline Nunes | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Acervo Pessoal
Texto: Caroline Nunes | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Acervo Pessoal
Foto: A afroempreendedora Amanda Santos, detentora da marca AMD Moda Feminina / Alma Preta

"Eu nunca imaginei que seria possível um dia viver do meu sonho de trabalhar com roupas, que é algo que eu amo", compartilha a afroempreendedora Amanda Santos, de 28 anos, nascida e criada na Cohab II, em São Paulo, e detentora da marca AMD Moda Feminina.

Desde muito jovem, a mulher negra conta que tinha o sonho de possuir seu próprio negócio. Ela relembra que na quinta série do ensino fundamental, quando tinha 10 anos, vendia trufas, pão de mel e bijuterias para os colegas da escola, a fim de ajudar com as contas de casa e poder comprar coisas para si. De origem humilde, o trabalho sempre esteve inserido na sua rotina.

"Os coleguinhas da escola até zombavam de mim, mas eu não ligava para isso. E, após concluir o ensino médio, fiz um cursinho, estudei e consegui uma bolsa integral para estudar gestão financeira, minha primeira graduação", relembra Amanda.

Mercado de trabalho

A venda de roupas sempre significou uma renda extra na vida da afroempreendedora Amanda Santos. Mesmo assim, o negócio acabou trazendo duas experiências de falência à ela, que obrigaram a jovem a voltar ao mercado de trabalho convencional.

"Quando fazemos o que gostamos, mesmo que seja muito árduo, ainda assim é mais fácil de suportar e encontrar outras saídas. Eu tive a oportunidade de criar uma carreira no mercado comercial, mas optei por fazer o que amo que é trabalhar com moda", avalia.

Em 2020, ela começou a trabalhar numa grande empresa de turismo. Mesmo em um bom cargo e com um salário competitivo, ela não se sentia feliz e realizada. A partir desta frustração, ela decidiu arriscar de fato em uma marca própria. Por não possuir loja física no início, ela vendia em estações de metrô, tentando fazer o negócio crescer.

"O público comprou a ideia. Eu vendia as roupas na hora de almoço da empresa, a noite fazia entregas nas estações de metrô e, aos finais de semana, ainda ia até a casa de minhas clientes com um carrinho cheio de roupas, pegando metrô, ônibus, andando a pé", conta.

AMD Moda Feminina

Com amigos sendo seus primeiros investidores, além de contar com o apoio da família - principalmente sua mãe e seu marido - Amanda criou a AMD Moda Feminina - uma marca humanizada de roupas inclusivas, focada na mulher brasileira e no bem estar.

"Com um investimento inicial de R$ 400, após encontrar o meu segmento neste nicho de mercado, as coisas começaram a melhorar", explica a afroempreendedora.

Pensando na diversidade de corpos femininos, Amanda percebeu a carência em atender tamanhos maiores. "Foi exatamente aí que veio o meu diferencial. Nós confeccionamos roupas do 36 ao 52 e a ideia é expandir até o 60. Produzimos roupas para corpos reais, para corpos com curvas principalmente", salienta.

A principal dificuldade no caminho, de acordo com ela, é o acesso ao crédito para empreendedores. Ela ressalta que mesmo tendo o nome regularizado, parece que isso não é suficiente. Equilibrar a rotina de trabalho com estudos e maternidade também é um desafio que acomete mais mulheres negras, segundo ela.

"Não tem horário certo de trabalho e a atenção à família muitas vezes fica a desejar. A falta de respeito, infelizmente, também é algo que pesa. Além disso, é difícil outros empresários me verem como empresária, de colocarem fé de que realmente eu possuo um negócio próprio. Sinto que sempre tenho que estar provando algo", pondera.

Projetos para o futuro

"Empresas abertas como MEI [Microempreendedor Individual] são compostas por pessoas negras e, a maior parte delas, por mulheres. Sei que muitas optam por empreender por não ter outra opção ou falta de oportunidade no mercado. Eu acredito que é importante ter a mulher negra fazendo o que ela ama de verdade!", avalia a afroempreendedora.

Amanda Santos atendendo as clientes na AMD Moda Feminina | Créditos: Acervo Pessoal

Atualmente, Amanda possui loja física e uma equipe com quatro funcionários. A empresária pretende continuar sua trajetória dentro do mundo da moda, crescendo junto com o mercado. Ela estuda Direção Criativa e Styling de Moda e está expandindo cada vez mais seus horizontes com o objetivo de continuar fazendo o que sempre sonhou em fazer.

"A curto prazo, pretendo abrir um espaço no centro de São Paulo para que fique mais acessível às clientes. Quero também aumentar a escala de confecção, em número de peças e numerações. Uma filial no Rio de Janeiro também está nos planos. Já em longo prazo, desejo estender o projeto para confecção de masculino e infantil", finaliza.

'Afroempreendedora supera câncer de mama e abre clínica de estética voltada à população negra'

Alma Preta
Publicidade
Publicidade