PUBLICIDADE

TVs se antecipam à morte de famosos para agilizar cobertura

Uma das tarefas mais desagradáveis do jornalismo é preparar matérias de obituário de pessoas ilustres ainda vivas

16 mai 2021 12h14
ver comentários
Publicidade

Morte não é 'furo', diz a ética jornalística. Ou seja, dar em primeira mão a notícia do falecimento de alguém famoso não deve ser visto como uma façanha.

Mas, na prática, todos os canais de TV se preparam para anunciar o mais rápido possível o falecimento de artista, esportista consagrado ou político proeminente.

Quando uma personalidade entra em risco iminente de morte, a redação se mobiliza para pesquisar imagens, fotos e dados biográficos para montar matérias.

Em razão do dinamismo exigido dos meios de comunicação, o jornalismo ‘antecipa’ o fim da vida do personagem em questão para que tudo fique pronto e seja imediatamente exibido (publicado on-line ou liberado para impressão) após a confirmação do óbito.

Paulo Gustavo, Bruno Covas e Eva Wilma: a morte iminente de famosos faz a imprensa preparar matérias com antecedência para informar com agilidade
Paulo Gustavo, Bruno Covas e Eva Wilma: a morte iminente de famosos faz a imprensa preparar matérias com antecedência para informar com agilidade
Foto:

Produzir esse material é uma tarefa angustiante. Impossível não se entristecer ao preparar homenagens a alguém ainda vivo. Desagradável verbalizar no passado sobre uma pessoa cujo coração ainda bate.

Nas últimas semanas, esse ritual aconteceu em relação ao humorista Paulo Gustavo, morto por covid-19, aos 42 anos, depois de 53 dias no hospital; ao prefeito de São Paulo, Bruno Covas, de 41 anos, vítima de câncer, ao fim de duas semanas de internação; e à atriz Eva Wilma, que morreu aos 87 anos, de câncer no ovário, após 1 mês hospitalizada.

Assim que os médicos revelaram a gravidade ou irreversibilidade do quadro clínico de cada um deles, os principais veículos — jornais diários, revistas semanais de informação, grandes portais de notícias, telejornais das redes de TV, emissoras de rádio — definiram jornalistas e editores para a ‘missão’ de preparar o conteúdo obituário.

Assim, o máximo de informações chega rapidamente ao telespectador, usuário de internet, leitor de impressos ou ouvinte. Esse mesmo adiantamento de material acontece em relação a grandes ídolos e personalidades de idade avançada, mesmo que estejam saudáveis. Por precaução, tudo fica pronto ‘na gaveta’ (jargão jornalístico para matéria ‘fria’ que será usada na hora adequada).


 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade