0

Rafael Primot fará vilão na Globo: 'Amor pode virar doença'

Ator foi escalado para interpretar homem que impõe relação abusiva à namorada

27 fev 2019
10h47
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Quem vê a cara de bom moço de Rafael Primot não imagina que ele poderá se tornar um dos homens mais odiados pelos telespectadores.

Seu personagem na websérie Aruanas será Ramiro, o namorado violento de Clara (Thainá Duarte). Na ficção, ele representa a assustadora onda de violência moral e física contra as brasileiras.

Durante o processo de composição, o ator tomou consciência da gravidade do problema. “Fui percebendo o quanto as relações amorosas podem se transformar numa ferramenta doentia de poder sobre o outro.”

O ator passou a roteirizar e dirigir para realizar seus projetos pessoais
O ator passou a roteirizar e dirigir para realizar seus projetos pessoais
Foto: Sergio Santonian / Divulgação

A produção gravada em parte na Amazônia vai estrear na GloboPlay, em data ainda não definida, com exibição posterior na TV Globo.

Multifacetado, Primot também é roteirista, dramaturgo e diretor de teatro. No momento, assina a direção de Os Guardas do Taj, espetáculo com Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi em cartaz no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo.

Ainda este ano, Primot viverá seu primeiro protagonista na série Chuva Negra, coprodução do Canal Brasil e o serviço de streaming Now, além de roteirizar, dirigir e atuar no filme Reencontro, da produtora PopCorn em parceria com a Paris Filmes.

Acima, Primot com Monique Alfradique em Deus Salve o Rei, ao lado, na pele da travesti Stephanie em Tapas e Beijos; abaixo, na peça Love, Love, Love, e com Tozzi e Gianecchini, de Os Guardas do Taj
Acima, Primot com Monique Alfradique em Deus Salve o Rei, ao lado, na pele da travesti Stephanie em Tapas e Beijos; abaixo, na peça Love, Love, Love, e com Tozzi e Gianecchini, de Os Guardas do Taj
Foto: Reprodução / Instagram

Em entrevista ao Terra, o artista paulista, de 36 anos, comentou a boa fase na carreira, entre outros assuntos.

Em Aruanas você vive um homem que envolve a namorada em um relacionamento abusivo. Qual a importância desse personagem?

É meu primeiro vilão que trata de um tema tão presente nos dias de hoje. Espero estimular a discussão sobre os limites das relações, o assédio, o amor excessivo e manipulador, os papéis masculino e feminino preestabelecidos na sociedade e o que se espera de cada um. Vi muitos documentários e, conversando com amigos próximos, percebi o quanto as relações amorosas podem se transformar numa ferramenta doentia de poder sobre o outro.

O elogiado espetáculo Os Guardas do Taj faz sucesso em nova temporada paulistana. Você promoveu mudanças na peça?

Quase não teve mudanças, mas o teatro lindo ajudou o cenário e a luz a ficarem mais impactantes. Os espaços abertos e os vãos nos remetem mais à grandiosidade do Taj Mahal.

A peça suscita reflexão a respeito das belezas do mundo e de nossa eventual incapacidade de enxergá-las. Na sociedade brasileira atual, essa cegueira está pior?

Acho que nos dias de hoje todos temos mais voz e isso é maravilhoso. Mas, muitas vezes, por estarem protegidas pelo celular ou computador, as pessoas se revelam mais amargas, menos abertas ao diálogo e isso é um tanto perigoso para as relações. As pessoas estão mais agressivas e acabam agindo por impulso, sem ter o tempo da análise dos fatos. A beleza do mundo sempre passou por ameaças, em todos os tempos, mas agora, especialmente, a beleza que vem da cultura, das artes, do teatro, do cinema (que é uma das metáforas possíveis do texto) está sob forte ameaça de ser praticamente extinguida, como o Ministério da Cultura foi. A arte e a beleza têm sido um alvo errado de mal-entendidos e ataques. Ao invés de saírem em defesa de sua manutenção, as pessoas estão sendo manipuladas a partir para o ataque, como se fossem um animal perigoso. É assustador.

O ator em autorretrato: “Quero saber da criação, a glamourização não me interessa”
O ator em autorretrato: “Quero saber da criação, a glamourização não me interessa”
Foto: Reprodução / Instagram

Há glamourização excessiva do trabalho do ator e, especialmente, em torno de quem atua na Globo. Percebe isso no seu ciclo próximo e na relação com os telespectadores?

Não dou atenção a isso nem nunca darei. O ofício do ator é como o do carpinteiro, requer estudo, dedicação, é artesanal. Acho maravilhoso quando a obra resultante dessa carpintaria faz sucesso e é vista, falada, comentada. Mas o que precisamos valorizar é a obra e não se o ator-carpinteiro come glúten ou faz o regime paleolítico. Isso não tem a menor importância, percebe? Quero saber do processo de criação, a glamourização não me interessa.

No Brasil, poucos artistas escrevem, dirigem e atuam. Como avalia essa sua atividade múltipla?

Comecei a fazer isso por necessidade. Queria papéis que não me ofereciam, atuar em filmes para os quais não era escalado, então resolvi produzir as obras que me possibilitassem investigar e mergulhar nestes mundos que me interessavam. Mercadologicamente falando não é bacana, o público e a mídia têm certa dificuldade de aceitar atores em múltiplas funções. Mas isso sempre aconteceu ao longo dos tempos. Atrizes e atores que admiro, de alguma maneira sempre estiveram por trás de seus projetos mais interessantes, seja escrevendo, dirigindo, atuando ou apenas idealizando. Não sei se é o melhor caminho, mas foi o caminho viável até aqui. E foi essa trajetória que me trouxe convites incríveis, como os de fazer Deus Salve o Rei, Tapas e Beijos, Aruanas, e filmes de outros diretores. Ainda bem que não fiquei parado. É um caminho duro, de que brar pedra. O suor é mais salgado, mas também muito saboroso.

Em 2019 você estará envolvido com teatro, cinema e TV. Como faz suas escolhas profissionais e o direcionamento da carreira?

Escolho projetos que tenham algo a dizer, a mínima pretensão de tratar temas caros para mim ou para a sociedade. Apesar dessa nuvem negra que paira sobre a arte atualmente, eu sinceramente acredito no seu poder transformador e agregador.

O que assiste com frequência na TV e quais atores o inspiram?

Vejo muitas séries. No momento, estou assistindo a Assédio e Killing Eve, na GloboPlay, e a uma série da Netflix que estou adorando, Dez Por Cento, sobre os bastidores de uma agência de atores franceses. E tudo o que Marjorie Estiano, Débora Falabella e Andrea Beltrão fazem, eu assisto!

Veja também

Flávia Viana comandará a folia do Terra em Salvador

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade