2 eventos ao vivo

Índio morto por covid inspirou personagem de novela polêmica

Líder Aritana serviu de base para a criação de galã do Xingu vivido por Carlos Alberto Riccelli

6 ago 2020
09h48
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Na década de 1970, o jovem cacique Aritana se tornou internacionalmente famoso por defender a preservação das terras de seu povo, os yawalapiti, no Alto Xingu, no Mato Grosso. Ele também se destacava pela beleza e o desempenho imbatível como lutador de huka-huka, espécie de arte marcial popular em várias tribos daquela região. A projeção social e a visibilidade midiática do índio valente e engajado inspirou a autora Ivani Ribeiro (1922-1995) a escrever uma novela com temática indígena. O título? Aritana. O cacique morreu na quarta-feira (5), aos 71 anos, vítima de complicações de covid-19.

Aritana (Carlos Alberto Riccelli) e Estela (Bruna Lombardi), o casal protagonista da novela: uma história de amor bela e exótica
Aritana (Carlos Alberto Riccelli) e Estela (Bruna Lombardi), o casal protagonista da novela: uma história de amor bela e exótica
Foto: Reprodução

No ar de novembro de 1978 a abril de 1979, na TV Tupi, o folhetim das 20 horas foi protagonizado por Carlos Alberto Riccelli no papel do índio miscigenado (filho de um branco com uma índia) dedicado a defender sua tribo da exploração comercial representada por seu tio, um fazendo ambicioso ligado a um grupo norte-americano. No começo da trama, a ardilosa Estela (Bruna Lombardi) tenta seduzir Aritana para convencê-lo a abrir mão das terras. Mas logo ela cai de paixão pelo nativo e passa a ajudá-lo contra os interesses nefastos da sociedade dita civilizada. Foi nos bastidores dessa novela que Riccelli e Bruna iniciaram sua história de amor que já dura 42 anos.

A morte do cacique Aritana anunciada na GloboNews: mais uma vítima do novo coronavírus no Brasil
A morte do cacique Aritana anunciada na GloboNews: mais uma vítima do novo coronavírus no Brasil
Foto: Reprodução

Se hoje há intenso conflito entre a política ambiental do governo de Jair Bolsonaro e entidades de defesa da natureza e dos índios, durante a exibição de Aritana houve ruidosa contestação do folhetim por parte de antropólogos, ambientalistas e indigenistas. De um lado, acusaram a autora de criar um herói indígena estereotipado a partir do olhar do branco urbano, e transformar os índios de verdade em meros figurantes. Do outro, disseram que a novela demonizava os produtores rurais e o extrativismo das riquezas no entorno de áreas indígenas.

A polêmica fez bem a Aritana. A novela teve audiência crescente, mesmo disputando público durante algum tempo com o fenômeno Dancin’ Days, da Globo. Controvérsias à parte, a crítica especializada em TV aprovou a temática central sobre a ameaça aos índios. As revistas de fofocas acompanharam com frisson a paixão de Carlos Alberto Riccelli e Bruna Lombardi. O sucesso de Aritana impulsionou o turismo controlado ao Xingu e atraiu a atenção do resto do planeta para as reivindicações dos índios brasileiros.

A paixão da novela virou amor na vida real para Riccelli e Bruna: juntos há mais de quatro décadas
A paixão da novela virou amor na vida real para Riccelli e Bruna: juntos há mais de quatro décadas
Foto: Reprodução

Veja também:

O chef premiado que valoriza peixes considerados menos nobres
Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade