PUBLICIDADE

Festa na pandemia arruína recuperação da imagem de Neymar

Produzir aglomeração enquanto o Brasil se aproxima de 200 mil mortes por covid-19 gera repercussão negativa aqui e no exterior

28 dez 2020 14h23
ver comentários
Publicidade

Nos últimos dias, o influenciador Carlinhos Maia tem sido massacrado nas redes sociais e alvo de críticas contundentes na imprensa por ter promovido uma festa em Penedo, Alagoas. A aglomeração resultou em vários contaminados pelo novo coronavírus. Afeito a polêmicas, ele vê sua imagem pública liquidificar enquanto as UTIs estão lotadas de pacientes com covid-19 em todo o País. O mesmo impacto destrutivo de prestígio atinge Neymar por circunstância semelhante — mas, no caso do jogador, a consequência poderá ser mais devastadora.

A mídia internacional ecoa as notícias do Brasil a respeito da festa de Réveillon bancada pelo atacante do Paris Saint-Germain. De acordo com colunistas, o evento em uma mansão de Mangaratiba, no litoral do Rio de Janeiro, acontecerá ao longo de cinco dias. Fala-se de 150 a 500 convidados. A reunião de tantos ‘parças’ e ‘minas’ em um mesmo espaço em pleno recrudescimento do número de casos diagnosticados e mortes por covid-19 causou indignação coletiva e irreversível publicidade negativa.

Neymar, Neymar... O jogador, de 28 anos, parece ainda não ter aprendido a evitar o ônus inerente à figura pública
Neymar, Neymar... O jogador, de 28 anos, parece ainda não ter aprendido a evitar o ônus inerente à figura pública
Foto: Sala de TV

Após uma fase ruim com danos à sua imagem e reputação, na qual enfrentou acusação de violência sexual e protagonizou a monótona novela sai-não-sai do PSG, Neymar conseguiu se reabilitar com bom desempenho em campo e discrição na vida privada. Ganhou preciosos pontos ao se tornar voz importante contra o racismo no futebol e na sociedade em geral. Em abril, foi incensado ao doar R$ 5 milhões para o combate da pandemia de covid-19. Fecharia 2020 em alta cotação. Mas pisou na bola aos 45 do segundo tempo.

Oferecer uma festa de Réveillon às vésperas de o País completar 200 mil mortos pelo novo coronavírus é uma atitude tão kamikase em termos de marketing e autopromoção que remete ao Neymar de antigamente, aquele garoto imaturo e imprudente. Promover essa rave particular enquanto as autoridades imploram para o cidadão comum seguir os protocolos sanitários e evitar agrupamentos beira o nonsense. Parece atitude de alguém que vive em uma bolha ou universo paralelo, onde há permissão para tudo e a diversão individual se sobrepõem ao bem-estar coletivo.

A imprensa internacional informa com espanto o evento de Ano Novo de Neymar em plena segunda onda de covid-19
A imprensa internacional informa com espanto o evento de Ano Novo de Neymar em plena segunda onda de covid-19
Foto: Reprodução

O estrago na notoriedade do jogador já se estabeleceu. Pode piorar caso a festa produza efeitos colaterais previsíveis, como convidados diagnosticados com covid-19 logo em seguida, a exemplo do que ocorreu no oba-oba de Carlinhos Maia. Comenta-se sobre a proibição de celulares na mansão de Mangaratiba. Trata-se de precaução com efetividade apenas momentânea. Ninguém segura as informações. Sempre haverá vazamento para jornalistas e nas redes sociais. Enquanto anfitrião dessa “festa apocalíptica” (nas palavras do jornal italiano ‘Corriere della Sera’), Neymar deve começar 2021 com outra crise de imagem para administrar.

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade