0

Debates gerados pelo BBB20 incomodam e estimulam o público

Reality show joga luz em problemas pouco discutidos na sociedade e tira o telespectador da letargia

23 mar 2020
11h34
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Machismo. Sexismo. Assédios moral e sexual. Racismo. Ética. Lealdade e falsidade. Individualismo e coletividade.

Conflitos no BBB20 geraram uma espécie de terapia coletiva dentro da casa e entre os telespectadores
Conflitos no BBB20 geraram uma espécie de terapia coletiva dentro da casa e entre os telespectadores
Foto: Fotomontagem Blog Sala de TV / Divulgação

Esses temas relevantes, entre tantos outros, suscitam debates na imprensa, nas redes sociais e em milhões de casas nos quatro cantos do País. A fonte da discussão é improvável: o mais criticado reality show da televisão brasileira.

Sim, o Big Brother Brasil faz muita gente pensar, repensar, concatenar, concluir, mudar de opinião, dar a cara a tapa para defender convicções e atuar contra determinadas atitudes. Os acontecimentos no confinamento servem para tirar o telespectador da zona de conforto. O entretenimento considerado fútil, quem diria, impulsiona empatia, posicionamento e até ativismo.

É raro um programa de TV sem pretensões artísticas ou filosóficas produzir tamanho engajamento e consciência social. Tornou-se impossível assistir ao BBB20 sem reagir aos conflitos da convivência entre brothers e sisters, seja por ter já vivido algo parecido ou se imaginar na mesma situação.

A competição pelo prêmio de R$ 1,5 milhão está em segundo plano. O que interessa à maioria dos participantes e ao público é o combate de personalidades e  ideias, assim como a discussão e o julgamento de comportamentos. Zoológico humano, o Big Brother faz cada pessoa envolvida, seja dentro do reality show ou como telespectador, mergulhar em si mesmo e, às vezes, se conhecer mais a partir de pensamentos e reflexos.

O BBB20 tem produzido um efeito social igual ao das novelas engajadas. Deixou de ser mero entretenimento descartável e passou a contribuir com o debate de graves problemas da sociedade. Do sexismo dos chernoboys ao racismo estrutural contra Babu, do elitismo de Marcela à saúde mental de Victor Hugo, da virulência de Felipe Prior à insolência de Pyong, tudo serve para tirar o telespectador da apatia limitante e fazê-lo raciocinar. Bom seria se a maioria dos programas de TV fosse assim tão envolvente e estimulante.

Veja também:

O chef premiado que valoriza peixes considerados menos nobres
Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade