0

Gaga e Ariana Grande entram em lista de letras "ofensivas"

Ministro de Cingapura declarou, por meio de comunicado, que músicas das cantoras poderiam incomodar os ouvintes pelo seu discurso

2 abr 2019
10h57
atualizado às 11h15
  • separator
  • 0
  • comentários

As estrelas pop norte-americanas Lady Gaga e Ariana Grande estão em uma lista de "letras ofensivas" apresentada a membros do Parlamento da socialmente conservadora Cingapura como parte de um comunicado do ministro de Assuntos Internos da cidade-Estado sobre o discurso de ódio.

Lady Gaga posa com a estatueta do Oscar
25/02/2019
REUTERS/Danny Moloshok
Lady Gaga posa com a estatueta do Oscar 25/02/2019 REUTERS/Danny Moloshok
Foto: Reuters

O comunicado de segunda-feira veio quase um mês depois de um show do grupo sueco de black metal Watain ser proibido em Cingapura devido a preocupações com seu histórico de "denegrir religiões e promover a violência".

Cingapura controla rigidamente a liberdade de expressão e a mídia, especialmente quando se trata de raça e religião.

Uma foto do comunicado ministerial sobre "restringir o discurso de ódio" foi publicada no Facebook por Chen Show Mao, parlamentar da oposição, na segunda-feira com a legenda "lição do dia". A postagem havia sido compartilhada mais de mil vezes e recebido centenas de comentários até a tarde local desta terça-feira.

A lista citou as canções Judas, de Lady Gaga, e God is a woman, de Ariana Grande, além de Heresy, do Nine Inch Nails, e Take me to the Church, do Hozier.

Lady Gaga e Ariana Grande já se apresentaram em Cingapura.

K. Shanmugam, ministro de Assuntos Internos de Cingapura, disse em uma postagem no Facebook nesta terça-feira que ofereceu a lista como uma ilustração de coisas que as pessoas podem considerar ofensivas

"Não significa que todas podem ser proibidas só porque algumas pessoas as consideram ofensivas", publicou Shanmugam, que também é ministro da Justiça.

Veja também:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade