PUBLICIDADE

Feminicídio é tema do novo single da Tribo da Periferia

No single ‘O Cravo e a Flor’, Duckjay aborda a violência contra as mulheres

24 mai 2024 - 14h45
(atualizado às 14h49)
Compartilhar
Exibir comentários
Tribo da Periferia
Tribo da Periferia
Foto: Divulgação

‘Como diz que ama, mas mata quem ama por amor?’ é a pergunta incômoda que se destaca em “O Cravo e a Flor”, no novo single da Tribo da Periferia, lançado nesta sexta-feira, em todas as plataformas de streaming - que também ganha videoclipe e já disponível no YouTube. A faixa será tema do combate contra o feminicídio em uma campanha promovida pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).  

Ouça “O Cravo e a Flor”

Assista ao clipe de “O Cravo e a Flor” no Youtube

“Eu vivo e canto o rap desde 1998, e a gente sempre enunciou, protestou, juntou forças para lutar contra o sistema e para enfrentar os males e as injustiças da periferia. Por mais que pareça que esquecemos isso, o rap ainda tem essa missão. E não existe ninguém melhor para conversar com a comunidade, do que o rap. Acredito que nenhum outro estilo de música poderia ter tamanha liberdade para falar sobre um assunto como esse. Vamos nos juntar, denunciar e divulgar essa força contra o feminicídio e a violência doméstica para criarmos um mundo melhor para nossas mulheres, filhos e família. Não só nas periferias, mas em todo país, pois este é um crime sem raça, credo e classe social, que atinge todas as esferas da nossa sociedade”, fala Duckjay.

A música é baseada em histórias reais. As estatísticas estão aí. Os casos de feminicídio só crescem no Brasil e quando a Tribo da Periferia foi convidada para participar desta campanha, infelizmente Duckjay teve um vasto material para trabalhar. Desde as muitas notícias divulgadas por todo o território nacional, até casos que acompanhou de perto. Na letra da canção ele faz também uma alusão à cantiga popular “O Cravo e a Rosa”, uma música infantil que foi romantizada como se fosse uma disputa de forças. 

A direção criativa do videoclipe segue também uma linha real e bem explicativa de como a violência doméstica atinge uma família e impacta toda uma comunidade que não pode mais blindar os olhos utilizando o discurso ‘em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher’, passando assim a mensagem de uma mudança de percepção.

“Essa é uma música necessária, um clipe necessário. Nosso objetivo é que este trabalho atinja o maior número de pessoas. A realidade choca, te coloca em uma situação de provação. Não é simplesmente um crime, é algo devastador não só na vida de quem sofre essa atrocidade, mas na vida de toda família que fica destruída com essa perda. As mulheres são o símbolo da vida e o feminicídio é, literalmente, o contrário disso”, conclui Duckjay.

Há 26 anos na estrada, a Tribo da Periferia, um dos grandes nomes do cenário do rap e hip hop nacional. Os números impressionam. São mais de 8.9 milhões de inscritos no canal oficial do YouTube e mais de 3.4 bilhões de visualizações na plataforma, algo inédito para artistas do rap e hip-hop no Brasil. No spotify são mais de 3.2 milhões de ouvintes mensais, 2.2 milhões de seguidores no Instagram e 5 milhões no Facebook. A história da Tribo da Periferia nasceu nas raízes do Distrito Federal, em 1998, quando Luiz Fernando Correia da Silva, mais conhecido como Duckjay, decidiu dar o primeiro passo para esse sonho, compondo sua primeira letra musical. Desde então, a Tribo foi tomando novas formas e ganhando novos protagonistas, como Look (Nelcivando Lustosa Rodrigues), que desde 2016 segue ao lado de Duckjay conectando cada vez mais pessoas. Agenciados pela Kamika-Z Produtora e com apresentações por todo território nacional, a Tribo da Periferia arrasta multidões por onde passa.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade