5 eventos ao vivo

Artistas e personalidades lamentam a morte de João Gilberto

Veja a repercussão da morte de um dos pais da bossa nova aos 88 anos

6 jul 2019
18h05
atualizado em 7/7/2019 às 04h44
  • separator
  • comentários

O cantor e compositor João Gilberto, um dos criadores da bossa nova, morreu neste sábado, 6, no Rio de Janeiro. A morte foi anunciada por seu filho João Marcelo Gilberto, pelas redes sociais: "O meu pai já faleceu. A sua luta foi nobre, ele tentou manter a dignidade à luz de perder a sua soberania. Agradeço a minha família (o meu lado da família) por estar lá por ele, e a Gustavo por ser um verdadeiro amigo para nós, e cuidar dele como um de nós. Por último, gostaria de agradecer a Maria do ceu por ter estado ao seu lado até ao fim. Ela era a sua verdadeira amiga, e companheira."

Através de suas redes sociais, Bebel Gilberto, filha de João, publicou uma mensagem de despedida para o pai. "Obrigada por tudo, por me ensinar a prestar atenção em todas as harmonias e melodias, por amar cada momento da vida como se não houvesse amanhã, por sempre me fazer mudar todas as passagens ou partidas", escreveu, acrescentando: "Por ter sido o melhor pai que alguém poderia desejar. Meu amor, que os anjos e Mamãe te recebam. Descanse em paz. Te amo".

Caetano Veloso, em vídeo divulgado pelas redes sociais, afirmou: "João Gilberto é, no meu ponto de vista, o maior artista brasileiro de todos. Porque, num momento exato, preciso da minha vida, (ele) apareceu, dando o sentido mais profundo à percepção das artes em qualquer estágio. Eu nem sei o que dizer pelo fato de que ele deixou de existir como pessoa física."

Nelson Motta, em depoimento à Globonews, também lamentou: "Para mim João é o maior artista brasileiro, um homem que não só inventou a bossa nova, uma nova forma de cantar e tocar violão, mas também um homem que transformou o jazz americano, transformou a música do mundo inteiro, e que durante toda sua vida só levou delicadeza, coisas amorosas, coisas leves. A música de João Gilberto é identificada com o momento de maior paz e leveza que a música pode trazer a uma pessoa. Ele influenciou decisivamente a vida e a carreira da minha geração inteira e de todos os grandes cantores e compositores que vieram depois dele. Todos eram seus enormes fãs e todos tiveram sua influência maravilhosa."

Outros artistas, personalidades e familiares do cantor e compositor que revolucionou a música popular brasileira se manifestaram pelas redes. Sofia Gilberto Oliveira, neta do cantor, escreveu: "Meu amado vovô virou uma estrelinha, a estrela mais brilhante do céu." Ela ainda acrescentou: "Meu vovô foi o vovô mais amoroso e carinhoso que eu podia ter tido, pedia pra eu irá pra lá todos os dias e quando estava tarde da noite e já estava na hora de eu ir embora, depois de eu já ter passado o dia todo com ele, falava: "Mas já vai? Dorme aqui..!" Comia pra ficar forte pra brincar comigo. Me dizia sempre que eu era grande e que todo mundo ia gostar de mim. Foi carinhoso não só comigo, mas com meu pai e minhas irmãs, pedia sempre pra Alice ir comigo e adorava ficar de mãos dadas com ela conversando. Amo ele demais e vai estar sempre no meu coração e na minha vida."

Adriana Magalhães Oliveira, mãe de Sofia, também lamentou a morte de João Gilberto: "Tristeza, tristeza, profunda tristeza. Tudo que ele queria era estar aqui conosco e brincando com sua netinha, nos pedia isso todos os dias, uma coisa muito simples, momentos felizes que foram negados a ele."

A cantora Gal Costa, um dos ícones da MPB, afirmou: "Se foi João Gilberto o maior gênio da música brasileira. Influência definitiva no meu canto. Fará muita falta mas seu legado é importantíssimo para o Brasil e para o mundo."

A também cantora Daniela Mercury, escreveu em suas redes sociais: "Vai minha tristeza e diz a ele que sem ele não pode ser", citando Chega de Saudade, um dos clássicos eternizados na voz de João Gilberto. Ela acrescentou ainda: "Um gênio que revolucionou para sempre a música popular brasileira. João criou a Bossa Nova e me influenciou imensamente. Um dia ele me disse que eu era de sua família. E sou mesmo. Ele ensinou todos nós a cantar da forma mais bela do mundo. Vá em paz, mestre!"

João Máximo, escritor e jornalista, afirmou em entrevista ao canal de televisão GloboNews: "A bossa nova surge com ele porque ele é um gênio, no violão, principalmente. O João Gilberto sai do Rio de Janeiro cantando de uma maneira, influenciado por Orlando Silva, sai tocando violão aparentemente comum e, quando volta, ele volta com novo violão e nova maneira de cantar que não se sabe ao certo como ele descobriu. Essa nova maneira é que vai levar a música popular brasileira ao exterior. A Carmem Miranda levou a personalidade dela, uma personalidade bizarra, mas a música não foi com ela. Ao contrário do João Gilberto. Ele transforma a música popular brasileira em algo mais digerível para o músico e para o americano. Ele tem essa importância, além de ser um gênio, porque o cara que descobre isso sozinho, trancado no banheiro (é essa história que se conta), é um gênio."

A escritora e roteirista de novelas Glória Perez, afirmou em seu Twitter: "Sábado triste: morreu João Gilberto, o pai da bossa nova." O cantor Roger Moreira, da banda Ultraje a Rigor, também externou seu pesar: "Morreu João Gilberto. Uma pena." O crítico musical Rodrigo Faour lamentou: "Talvez um dia o Brasil entenda quem foi o João Gilberto. Seja como for, sua semente rendeu árvores, galhos, flores, frutos e novas sementes pelos quatro cantos do mundo nos mais variados estilos musicais. Sua batida diferente, seu jeito de cantar, de dividir, usar o microfone, sua forma de gravar e o perfeccionismo à beira do absurdo... tudo em prol da música mais suave e pura em sua essência. Viva João e sua bossa sempre nova."

Ana de Holanda relembrou diversos episódios e afirmou: "Ele cantava, tocava e fazia a gente cantar. Para mim algumas dicas foram fundamentais para entender o canto, a emissão do som e a intenção do que está sendo dito. Entendi naquela época o quanto cantar - mas cantar direito - é um privilégio."

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade