PUBLICIDADE

Paula Mattos revela que é lésbica e está casada há 9 anos: 'Me sentia culpada'

'O cancelamento começa dentro de casa', disse a cantora sobre a falta de apoio da família

15 jul 2021 12h00
ver comentários
Publicidade
Paula Mattos revelou que tinha medo de não ser aceita por causa da sexualidade
Paula Mattos revelou que tinha medo de não ser aceita por causa da sexualidade
Foto: Instagram/ @paulamattosoficial / Estadão

A cantora Paula Mattos falou pela primeira vez sobre a sexualidade nesta quarta-feira, 14. A artista revelou que é lésbica e está casada há nove anos, em entrevista ao jornalista André Piunti, no YouTube.

Conhecida pelos hits Rosa Amarela e Nosso Cupido foi Deus, Paula falou sobre as dificuldades de se assumir para a família e contou que Pabllo Vittar a inspirou a se pronunciar publicamente sobre isso.

"Estou me assumindo gay. Não é fácil falar sobre esse assunto, mas era algo que ficavam comentando (...) Eu tinha medo de falar e as pessoas me enxergarem de outra maneira e não me aceitar. O cancelamento começa dentro de casa. Não tive o apoio da minha mãe e do meu pai", iniciou.

"Dei um selinho em uma garota aos oito anos e minha mãe não gostou, olhou feio como se fosse errado e me senti reprimida (...) Por me sentir culpada, cheguei a namorar garotos mas, aos dezoito anos, resolvi me assumir para os meus pais e não foi fácil lidar com a reação da minha mãe", explicou.

"Sou casada há 9 anos. Não é um caso, não é uma brincadeira. Não vou expor uma pessoa que não é pública (...) O respeito é tudo. Vou continuar a ser a mesma Paula. Nós temos uma família e uma vida. Não estou aqui para ganhar like ou fama. Tantas pessoas morrendo, tanta homofobia e ameaçadas na internet. Que mal ela faz por ser quem ela é?", questionou.

Na quinta-feira, 15, Mattos lançou um novo single, Não Esfriou, que fala sobre a diversidade sexual. "Quando vi o Caldeirão com a Pabllo Vittar, surgiu um desejo ainda maior de assumir publicamente. Me sinto madura e pronta para falar desse assunto, mesmo sabendo que ainda existe muito preconceito", afirmou.

Estadão
Publicidade
Publicidade