0

J.K. Rowling devolve prêmio após acusações de transfobia

Autora dos livros da saga Harry Potter devolveu um prêmio que recebeu da fundação de Direitos Humanos

30 ago 2020
16h28
atualizado às 17h38
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A escritora J.K. Rowling, autora dos livros da saga Harry Potter e da franquia cinematográfica derivada, Animais Fantásticos, devolveu um prêmio que recebeu da fundação de Direitos Humanos batizada com o nome do falecido senador Robert F Kennedy.

J.K. Rowling devolve prêmio humanitário após acusações de transfobia
J.K. Rowling devolve prêmio humanitário após acusações de transfobia
Foto: Divulgação/Wikimedia Commons / Pipoca Moderna

O prêmio Ripple of Hope, cujos vencedores anteriores incluem Barack Obama, Joe Biden e o arcebispo Desmond Tutu, é concedido a pessoas que demonstram "compromisso com mudanças sociais" e foi concedido à autora de Harry Potter em dezembro de 2019 por seu trabalho com uma instituição de caridade para crianças.

Desde então, Rowling fez comentários transfóbicos na internet e Kerry Kennedy, filha do célebre político americano e presidente da fundação, manifestou sua "profunda decepção".

Em um comunicado oficial, a escritora afirma que considerou "incorreto" o posicionamento de Kerry Kennedy, que a considerou "responsável por machucar pessoas trans". Rowling fez questão de relembrar que é uma antiga doadora de caridades voltadas à comunidade LGBT e sempre apoiou o direito de pessoas trans de viver livre de perseguição, mas reafirmou algumas de suas posições justificando que sua luta é pelo direito das mulheres.

"Nenhum prêmio ou homenagem, não importa minha admiração pela pessoa que o concebeu, significa tanto pra mim a ponto de eu renunciar ao direito de seguir as regras de minha própria consciência", ela disse, em comunicado, sobre a decisão de devolver a homenagem.

Em sua manifestação, Rowling repetiu comentários que revoltaram fãs de Harry Potter, ao chamar a defesa dos direitos trans de "radical" e afirmar que "há conflito entre o atual movimento radical pelos direitos trans e os direitos das mulheres".

Rowling começou a se manifestar publicamente contrária aos direitos transexuais em dezembro passado, ao defender uma mulher demitida por tuitar que as pessoas não podiam alterar seu sexo biológico. Naquele momento, ela se posicionou contra uma legislação do Reino Unido que permitiria que as pessoas trans pudessem assumir suas identidades sociais.

Os ataques foram retomados em junho com ironias contra "pessoas que menstruam", que não seriam mulheres. Os comentários se acirraram e Rowling acabou publicando um texto longo em seu site pessoal contra o "ativismo trans", que, segundo sua interpretação, colocava mulheres em perigo.

"Eu me recuso a me curvar a um movimento que eu acredito estar causando um dano demonstrável ao tentar erodir a 'mulher' como uma classe política e biológica e oferecer cobertura a predadores como poucos antes dele", ela escreveu. "Quando você abre as portas dos banheiros e dos vestiários para qualquer homem que acredite ser ou se sinta mulher – e, como já disse, os certificados de confirmação de gênero agora podem ser concedidos sem a necessidade de cirurgia ou hormônios –, você abre a porta a todo e qualquer homem que deseje entrar. Essa é a verdade simples", disse a autora.

Por conta dessas posições, ela foi criticada pelos três astros dos filmes de Harry Potter, Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint, bem como pelo protagonista do prólogo Animais Fantásticos, Eddie Redmayne, e ainda ganhou uma lição de Nicole Maines, estrela de Supergirl que vive a primeira super-heroína transexual da TV, que escreveu um longo ensaio para demonstrar como a falta de fundamento dos argumentos da escritor expressariam apenas preconceito.

A polêmica tomou proporções tão grandes que a Warner não sabe o que fazer em relação a Animais Fantásticos 3, que perdeu cronograma de filmagens, embora estivesse em pré-produção quando a pandemia paralisou seus trabalhos. E atitudes como a devolução de um prêmio por realizações humanitárias, acompanhado por discurso anti-direitos trans, só piora a situação.

Veja também:

Carol Francischini treina na varanda de sua casa
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade