PUBLICIDADE

Elza Soares (1937-2022)

20 jan 2022 19h18
| atualizado às 19h34
ver comentários
Publicidade
Foto: Instagram/Elza Soares / Pipoca Moderna

A cantora Elza Soares morreu na tarde desta quinta (20/1) de causas naturais em sua casa, no Rio de Janeiro, aos 91 anos de idade.

"Ícone da música brasileira, considerada uma das maiores artistas do mundo, a cantora eleita como a Voz do Milênio teve uma vida apoteótica, intensa, que emocionou o mundo com sua voz, sua força e sua determinação", definiu perfeitamente a assessoria de imprensa da artista, no comunicado sobre seu falecimento.

Elza Gomes da Conceição Soares foi realmente uma das maiores cantoras da música brasileira, iniciando a carreira no samba no final dos anos 1950, e praticamente lançando a cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959.

A fase áurea da cantora inclui discos obrigatórios da música brasileira, como "O Samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963) e "Na Roda do Samba" (1964). Mas ela sofreu muito quando seu relacionamento com Garrincha se tornou público. Foi vítima de um dos primeiros cancelamentos da música brasileira, oprimida por uma sociedade conservadora que a acusou de ter acabado com o casamento do jogador, mesmo os dois tendo oficializado a união. Para piorar, Elza era desquitada, situação malvista numa época em que nem divórcio era permitido no país.

Ela chegou a ser impedida de realizar um show na Mangueira, tendo que fugir disfarçada para evitar agressões, reação alimentada por radialistas que incentivavam a quebra do disco da música em que ela cantava "Eu Sou a Outra"…

Até o DOPS, a polícia da repressão, invadiu sua casa à noite, rendeu todos os moradores, revirou o interior do imóvel e executou o mainá de estimação de Garrincha, sem dar explicações. A casa também foi alvo de tiros.

A situação abateu sua ascendente carreira cinematográfica. Muitos não lembram, mas Elza participou de muitas filmes brasileiros no começo dos anos 1960, como o musical "Briga, Mulher e Samba" (1960), o drama criminal "A Morte em Três Tempos" (1964) e as comédias "O Vendedor de Linguiça" (1962) e "O Puritano da Rua Augusta" (1964), ambas estreladas por Mazzaropi.

A cantora seguiu gravando discos, como o sensacional "Elza Pede Passagem" (1972), sem que repercutissem como antigamente. Mas após o popular Mazzaropi a levar de volta ao cinema em "Um Caipira em Bariloche" (1973), ela mudou o repertório e voltou a fazer sucesso com gravações que exaltavam escolas de samba do Rio, como "Salve a Mocidade" e "Bom dia, Portela" (ambas de 1974). Seguiu lançando sambas tradicionais e emplacou dois novos hits: "Pranto Livre" (1974) e "Malandro" (1976).

Mas a situação doméstica voltou a chamar mais atenção que a arte. Muitos se ressentiram, ironicamente, por Elza virar alvo de violência doméstica. O fato de o ídolo Garrincha, herói da Copa do Mundo de 1962, provar-se um marido violento, que sofria de alcoolismo e agredia a esposa, teria pesado contra a vítima. Já era a segunda experiência negativa de Elza com casamento, após ser forçada a se casar com o homem que tentou abusá-la na adolescência - seu pai acreditava que só assim sua honra estaria salva.

Ela se divorciou de Garrincha em 1982, um ano antes do ex-jogador morrer de cirrose hepática, mas nem isso a tirou do ostracismo. Elza teria até pensado em desistir de cantar, diante das inúmeras portas fechadas para seu talento, quando literalmente bateu na porta de Caetano Veloso, num hotel de São Paulo, para pedir ajuda.

Caetano prontamente convidou para Elza participar da gravação do samba-rap "Língua" no álbum "Velô" (1984) e do filme que ele dirigiu, "Cinema Falado", lançado em 1986.

"Língua" apresentou uma Elza Soares moderna e conquistou uma nova geração que não tinha compromisso com o conservadorismo. Ela abraçou esse público com seu disco menos voltado ao samba, "Somos Todos Iguais" (1985), que tinha até composição de Cazuza. Ela também gravou um rock com Lobão, "A Voz da Razão", no disco "O Rock Errou" (1986), do cantor.

Reconstruindo a carreira, passou o final dos anos 1980 nos EUA, se apresentando em vários shows no país. Mas na década seguinte só lançou um disco de estúdio, voltando a sofrer boicote da indústria fonográfica nacional, que passou a valorizar outras tendências.

Precisou recomeçar tudo de novo, numa terceira fase no século 20, quando apresentou seu disco mais moderno e radical, "Do Cóccix Até o Pescoço" (2002), indicado ao Grammy Latino. O álbum espetacular, criado sob a sombra de uma queda e cirurgias que afetaram sua capacidade de locomoção, foi seguido por um disco influenciado pela música eletrônica, "Vivo Feliz" (2003), e uma participação no filme "Chega de Saudade" (2008), no qual ela também cantou a trilha sonora. Mas logo veio outro hiato comercial.

O lançamento de "A Mulher do Fim do Mundo" (2015) só foi viabilizado com recursos financeiros do Natura Musica, mas mostrou como Elza continuava a representar a vanguarda musical brasileira, misturando todos os ritmos. Graças à aclamação crítica do álbum, que venceu o Grammy Latino e colocou a faixa-título na série "3%", ela encontrou uma rara estabilidade no final da carreira, fechando contrato com a Deckdisc para lançar dois discos consecutivos, "Deus É Mulher" (2018) e "Planeta Fome" (2019).

Em 2018, Elza virou tema de documentário, "My Name is Now, Elza Soares", cuja trilha foi vencedora do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

A consagração continuou em 2020, quando virou samba enredo da Mocidade Independente de Padre Miguel, "Elza Deusa Soares", e participou como homenageada do desfile da escola de seu coração no Carnaval do Rio.

Mostrando a continuidade de seu diálogo com as diferentes tribos da música brasileira, ela ainda lançou no mesmo ano uma nova versão do hit "Comida" com os Titãs.

Sua última mensagem nas redes sociais, publicada nesta quinta, foi de apoio e torcida para a cantora Linn da Quebrada no "BBB 22".

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade