5 eventos ao vivo

Elia Suleiman fala sobre seu novo filme, 'O Paraíso Deve Ser Aqui'

Produção que recebeu o prêmio especial do júri no Festival de Cannes tem Gael García Bernal no elenco

20 dez 2019
06h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Em outubro, homenageado pela Mostra, Elia Suleiman recebeu o Prêmio Humanidade, que o evento outorga a um grande artista de reconhecido humanismo. Suleiman veio receber seu prêmio, teve direito a uma retrospectiva de seus filmes e apresentou o mais recente - O Paraíso Deve Ser Aqui -, que recebeu o prêmio especial do júri no Festival de Cannes, em maio, e tem a participação do ator mexicano Gael García Bernal.

Suleiman faz o próprio papel, de um cineasta que viaja pelo mundo falando sobre a Palestina e buscando financiamento para a próxima produção. De um produtor francês, ouve a pérola: "O filme não é suficientemente palestino". Mas se é dele, com ele, um filme já é palestino por natureza. Como a Madame Bovary de Gustave Flaubert, e com base numa decisão da Academia de Hollywood - a Palestina não é reconhecida como país, mas ele ganhou o direito de concorrer ao Oscar -, Suleiman pode dizer: "A Palestina sou eu".

Em Belém, Paris ou Nova York, o Suleiman de O Paraíso Deve Ser Aqui, que estreou nesta quinta-feira, 19, é sempre um observador do absurdo do mundo. Ele quase não fala. Olha, e nisso seu cinema se aproxima de outros artistas também considerados inclassificáveis - o francês Jacques Tati, criador do emblemático M. Hulot, o georgiano Otar Iosseliani, cuja obra em grande parte se desenvolve na França.

Elia é um autor de filmes considerados políticos, mas relativiza essa afirmação. "Faço filmes para compartilhar o prazer pelas imagens, não em prol da educação política. Sempre acreditei que o diretor que se coloca na posição de quem vai ensinar está destinado ao fracasso. Não sou professor, sou um artista. E tenho outra crença: Nenhum filme termina com a palavra 'Fim'." O ideal é que ele continue com o espectador e, para atingir seu objetivo - criar uma imagem que o público tenha prazer em compartilhar -, Suleiman vale-se de uma narrativa episódica.

O repórter arrisca uma pergunta durante a entrevista que o cineasta lhe concede - os esquetes são tão independentes que poderiam ser mostrados em outra ordem, não? "Acredite, chegar ao filme como está me deu muito trabalho. É uma questão de ritmo, mais que de linearidade narrativa. Mas se acha que poderia montar de forma diferente, vas-y. Tente!"

Confira o trailer do filme

Um homem (o protagonista) acompanha a movimentação de policiais sentado num café, em Paris. Briga com um passarinho que invade seu apartamento. Assiste, meio perplexo, à movimentação das pessoas tentando achar cadeira vaga num parque. Tanques e helicópteros invadem Paris. Por quê? Famílias num supermercado vão às compras armadas. Policiais comparam os respectivos óculos de sol, e os gestos concentram o foco até que se percebe, no banco de trás, uma mulher amordaçada. O mundo é absurdo, e Suleiman sabe disso. Mas há uma sutil diferença em relação a filmes anteriores, como Intervenção Divina e O Que Resta do Tempo. "Cresci numa família muito amorosa. Não apenas meus pais, meu irmão mais velho também era protetor. E a gente, apesar de tudo, se divertia muito. Sempre fui muito curioso. Gosto de olhar, reparar, mas sinto que hoje experimento uma melancolia maior pelo estado das coisas." O repórter aproveita a deixa. O israelense Amos Gitai também esteve na Mostra, também foi homenageado. E eles são amigos, apesar das diferenças. "Já fomos mais (amigos). Vou lhe confessar uma coisa, e talvez o surpreenda. Está cada vez mais difícil encontrar um espaço para diálogo na sociedade israelense sob o premiê Benjamin Netanyahu. Essa direita não quer saber do outro. Infelizmente, Amos é uma exceção em Israel. Provavelmente, com seu discurso de tolerância, é um interlocutor tão isolado quanto eu."

De volta ao filme, e ao personagem, Suleiman admite que a melancolia crescente também é acompanhada de uma dose de desespero. "O que eu sinto, e tento passar, é que ele está mais frágil, num mundo de instituições cada vez mais hostis. Escrevi o roteiro e, na hora de filmar, percebi que o fato de ele ser um observador fragilizado deveria dar o tom, ser o próprio conceito. Mais do que qualquer outro filme, ou personagem meu, sinto que estamos nos agarrando na esperança."

É um filme de estrada, de deslocamentos - países, cidades. Mas, curiosamente, Suleiman, em cena, está quase sempre parado. É metafórico. Essa Palestina que busca, e quer colocar na tela, Suleiman carrega com ele. Para demonstrá-lo, cria duas belíssimas cenas, na abertura e no encerramento. Uma encenação religiosa sobre a paz que termina em manifestação de violência. No final, outra manifestação - uma mulher que retira o véu, e jovens numa festa, confraternizando, inclusive um par gay. A Palestina de Suleiman é esse sonho. Um paraíso que abriga toda a diversidade. É um belíssimo filme.

Veja também:

Keaton mantém sigilo sobre rumores de voltar a ser Batman
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade