0

China proíbe críticas independentes e destrói estreia de Mulan no país

11 set 2020
18h44
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/Disney / Pipoca Moderna

A Disney está aprendendo uma lição bastante valiosa, digna de suas fábulas mais moralistas, com o lançamento de "Mulan" na China.

Após fazer tudo para agradar o governo chinês, o estúdio viu sua produção ser alvo de uma espécie de censura branca do governo do país.

Segundo as agências de notícias, autoridades chinesas orientaram os principais meios de comunicação a não cobrirem a estreia do filme nesta sexta (11/9). Foram proibidas críticas independentes sobre o filme.

A ordem teria relação com a campanha de boicote de ativistas pró-democracia, mas por motivo diverso.

Os ativistas chamaram a atenção internacional sobre as ligações do filme com a região de Xinjiang, onde ocorreram as filmagens. Os créditos finais do longa agradecem as autoridades da região. O problema é que, povoado majoritariamente pela minoria muçulmana do país (os uigures), o local teria sido palco de inúmeras violações de direitos humanos cometidas pelo governo central chinês.

Uma investigação internacional realizada em 2019 e por 17 veículos de imprensa, como a BBC e os jornais Le Monde e The New York Times, teve acesso a documentos que mostram que cerca de 1 milhão de uigures foram aprisionados e torturados em campos de reeducação em Xinjiang.

Os moradores afirmam ter sido submetidos a regimes de doutrinação política exaustiva, trabalho forçado e esterilização — parte de um suposto programa para suprimir as taxas de natalidade na população muçulmana.

O estúdio americano acabou queimando seu filme ao endossar as autoridades do local. Ao mesmo tempo, recebeu em retorno o tratamento de quem foi infectado por um vírus terrível, que o governo chinês trata de isolar com uma quarentena forçada de mídia.

O mercado chinês era a grande esperança da Disney para recuperar o grande investimento feito no filme, orçado em cerca de US$ 200 milhões. Por conta disso, a Disney já tinha relevado comentários da estrela Liu Yifei, intérprete de Mulan, em favor da repressão policial às manifestações pró-democracia de Hong Kong.

Baseado em uma história folclórica chinesa, "Mulan" foi concebido para atrair o público da China, o segundo maior mercado de cinema do mundo - na verdade, o primeiro após a pandemia de coronavírus. Mas a censura na imprensa deve impedir que a produção atinja a arrecadação esperada.

Para piorar, o Global Times, jornal do regime e único órgão de imprensa autorizado a criticar o longa, atacou o "baixo nível artístico" e "incompreensão da cultura chinesa" da produção, o que, inclusive, já teria levado "ao fracasso de Mulan na China". "O filme foi rejeitado devido à sua representação hipócrita, que falhou em ressoar com o público chinês", afirma o texto, decretando a despedida do longa no dia de sua estreia.

A China prefere que "Mulan" saia logo de cartaz para que as polêmicas que o acompanham saiam das pautas e sejam esquecidas.

Ao final, a Disney se sujeitou a enxovalhar sua imagem de defensora de direitos humanos em troca de um punhado de yuans, a moeda chinesa. Achando que ia se banquetear, saiu da trilha certa e segura para tomar um atalho. Engambelada, acreditou que o lobo era uma vovozinha. Há uma moral da história aqui.

Veja também:

Kate Winslet lamenta ter trabalhado com Polanski e Allen
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade