2 eventos ao vivo

Abertura do Carnaval do Rio ocorre com atraso e sem Crivella

25 fev 2017
08h09
atualizado às 08h19
  • separator
  • comentários

A tradicional entrega da chave da cidade ao Rei Momo, que marca a abertura oficial do Carnaval do Rio, ocorreu com atraso e sem a presença do prefeito, Marcelo Crivella. Segundo o presidente da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur), Marcelo Alves, e a secretária de Cultura, Nelcimar Nogueira, Crivella ficou com a primeira-dama, Sylvia Jane Hodge Crivella, que está com uma "profunda gripe".

Maria Cristina Silva Jesús guarda a chave da cidade do Rio de Janeiro, na abertura oficial do Carnaval
Maria Cristina Silva Jesús guarda a chave da cidade do Rio de Janeiro, na abertura oficial do Carnaval
Foto: EFE
Desfile da escola de samba Estácio de Sá, válida pelo Grupo de Acesso, no Sambódromo Marquês de Sapucaí no Rio de Janeiro (RJ), neste sábado (25). (Dhavid Normando/Futura Press)
Desfile da escola de samba Estácio de Sá, válida pelo Grupo de Acesso, no Sambódromo Marquês de Sapucaí no Rio de Janeiro (RJ), neste sábado (25). (Dhavid Normando/Futura Press)
Foto: Futura Press

"Falta faria se essa festa não tivesse sido apoiada como ela foi. A festa foi apoiada na organização, financeiramente no que era necessário fazer. E isso é o que é mais importante", disse Nelcimar. "Ele viria conosco, porém ela não melhorou e ele não pôde vir".

A entrega da chave da cidade foi marcada para as 18h, horário em que chegaram à Sapucaí a banda da Guarda Municipal, representantes da velha guarda de diversas escolas de samba e o Instituto Cultural Candonga, responsável por levar a chave às cerimônias.

Nenhum representante da prefeitura apareceu até as 20h e a velha guarda iniciou seu desfile de abertura pelo sambódromo antes da entrega da chave da cidade.

Ao entregar a chave ao Rei Momo, Nelcimar defendeu a decisão de fazer a cerimônia no sambódromo, em vez de usar o Jardim do Palácio da Cidade, local que recebeu a entrega nos últimos anos.

"Enquanto neta de Cartola e de Dona Zica, esse momento para mim foi inesquecível", disse ela. "Estamos vivendo um novo momento que é valorizar os sambistas".

A chave da cidade foi levada à cerimônia pelo Instituto Cultural Candonga, que herdou a responsabilidade de "guardião" da chave do personagem do Carnaval carioca que lhe dá nome. Na década de 70, Candonga, que se chamava José Geraldo de Jesus, assumiu o posto de guardião da chave do Rio de Janeiro. Conta a família que, na época, a chave desaparecia com frequência, o que nunca mais aconteceu após a iniciativa de Candonga.

"O meu pai fez a chave da cidade. Fez esse evento e virou o guardião dá chave. E nós fizemos o Instituto Candonga voltado ao Carnaval", conta Maria Cristina Silva de Jesus.

veja também:

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade