PUBLICIDADE

A fórmula secreta da 'felicidade' que só 2 pessoas conhecem no mundo

No reino isolado do Butão, o incenso tem um profundo significado cultural, sendo tradicionalmente queimado duas vezes ao dia. Na casa mais tradicional de incensos do país, apenas duas pessoas conhecem a fórmula que garante que o produto traga 'saúde' e 'felicidade'

7 mai 2021 10h22
| atualizado às 10h51
ver comentários
Publicidade

A mulher com os seios à mostra estava de pé apoiada sobre uma das pernas em um campo de flores. Ela usava uma coroa de ouro e um colar de rubis e esmeraldas; na mão direita, segurava uma varinha fumegante.

Foto: BBC News Brasil

"Esta é Dugpoema, a deusa budista da oferenda de incenso", diz Nado, apontando para o quadro da divindade pendurado na parede de seu escritório na capital do Butão, Thimphu.

"Diz-se que Buda criou primeiro o incenso, depois discípulos como Dugpoema o espalharam pelo mundo. De muitas maneiras, também me sinto um discípulo. Estou fazendo o mesmo trabalho."

Nado — seu único nome, já que os butaneses tradicionalmente não usam sobrenomes — se ofereceu para me mostrar sua oficina de incenso, a Nado Poizokhang.

É a maior e mais antiga do tipo no país — ela produz varetas e pós de incenso que são bastante requisitados por residências e mosteiros em todo o reino do Himalaia.

Até o rei encomenda pessoalmente incenso da Nado Poizokhang para queimar dentro das paredes do palácio real.

"Acredito que uma das razões pelas quais meu incenso é tão bem conceituado e seus efeitos são tão poderosos é a incrível pureza dos ingredientes", avalia Nado, antes de abrir a porta de um depósito repleto de especiarias secas e espécies botânicas.

"Tudo é 100% orgânico: desde os grandes ramos de zimbro — o ingrediente básico de todos os incensos do Butão — até as mais delicadas flores de jatamansi que oferecem o rico aroma do óleo essencial de nardo."

"Outros fabricantes de incenso podem usar produtos químicos e materiais de baixa qualidade para cortar custos — mas isso apenas enfraquece as propriedades curativas do incenso e pode te deixar com dor de cabeça ou sensação de agitação ao queimar. Aqui, o foco está na qualidade", explica.

Muitas das plantas medicinais e folhas usadas por Nado são colhidas por pastores nômades de iaques em grandes altitudes para garantir que sejam livres de toxinas e contaminantes.

"Eles vivem uma vida difícil, mas a colheita proporciona a eles uma renda extra", afirma.

"Essa boa ação coloca ondas de carma bom em movimento antes mesmo de uma única vareta ser feita ou queimada."

O momento da colheita é o segredo. Nado explica que o período ideal é o mês após o Thrue-Bab, o abençoado dia chuvoso, que marca o fim das monções.

"Durante essa época, o sol aquece as folhas e as pétalas após serem nutridas por meses de chuva; isso me ajuda a produzir um perfume rico e maravilhoso. E esse perfume é vital para que a vareta do incenso e o pó façam sua mágica ancestral."

A oferenda de aroma e fumaça tem uma longa história e um profundo significado cultural no Butão, onde o incenso é tradicionalmente queimado duas vezes ao dia.

"Em outros países, o incenso pode ser usado apenas em cerimônias, mas no Butão também é como começamos e terminamos cada dia", conta Nado.

"É um ritual quase obrigatório."

Até hoje, o incenso ainda é utilizado, como tem sido há séculos, de duas maneiras: em pó ou em vareta.

A versão em pó é a mais fumegante das duas — e é queimada em brasas em residências, mosteiros e templos.

É usada tanto como oferenda aos deuses quanto como defumador para limpar cômodos e objetos sagrados, aplacar espíritos maliciosos e erradicar energia negativa.

Varetas de incenso também são usadas para fazer oferendas, mas além disso são queimadas por suas propriedades terapêuticas.

"A liberação suave de fumaça perfumada nutre a mente e estimula os sentidos", diz Nado.

"Isso traz prazer e, por sua vez, tranquilidade mental. Minha própria receita de incenso pode fazer tudo isso, assim como liberar energia bloqueada e curar muitos tipos de doenças."

Segredo bem guardado

A fórmula totalmente natural de Nado para a saúde e felicidade continua sendo um segredo bem guardado, conhecido apenas por ele e sua filha, Lamdon.

Ele explica que é baseada em uma receita amplamente conhecida do Mosteiro Budista Tibetano Mindrolling, na Índia, que tem mais de 350 anos.

"Mas eu a adaptei, porque as quantidades originais de açafrão eram tão grandes que hoje tornariam o incenso extremamente caro e fora do alcance das pessoas comuns", revela.

"Também misturei com outra receita da escola Drukpa Kagyu de budismo para realçar o aroma e maximizar seus poderes de cura."

"Eu uso cerca de 30 ingredientes no meu incenso padrão e 108 na versão reservada para cerimônias religiosas importantes. O número 108 é auspicioso para os budistas, e esta versão especial só pode ser feita em um dia sagrado, de acordo com os mapas astrológicos budistas", acrescenta.

Para fazer o incenso, os vários ingredientes — incluindo cascas, especiarias, lascas de madeira, flores e folhas — são pulverizados na sala de moagem da oficina.

Embora os membros da equipe que ajudam nessa etapa saibam aproximadamente o que acontece na fabricação do incenso, eles não conhecem as proporções exatas, explica Nado.

"E eles certamente não sabem o que há no copo que coloco no final."

O que ele revela é que o pó destinado à queima direta é misturado com ervas medicinais extras para garantir mais fumaça antes de ser enviado para ser embalado.

O pó para varetas é misturado com água, mel e um corante roxo natural para formar uma massa que é colocada em uma grande cuba para fermentar suavemente por até uma semana.

"Penso nisso como um baú do tesouro", diz Nado, levantando lentamente a tampa para me deixar espiar dentro e inalar o aroma floral da fermentação.

"Muitas pessoas adorariam colocar as mãos no tesouro que está dentro."

Enquanto a massa fermenta, Nado e sua equipe a vigiam de perto, uma vez que é fácil um lote estragar.

"É por isso que grande parte do que fazemos aqui é feito à mão. É um trabalho artesanal, não uma produção em massa."

'Processo que vem do coração'

Nado me levou depois para a sala de extrusão para ver a próxima etapa do processo de fabricação das varetas.

Lá, Gyenzang, uma das 12 mulheres da equipe de Nado que trabalham na fabricação de incensos, colocava punhados de massa fermentada no funil de uma máquina que transformava a pasta semelhante à argila em carretéis de incenso macio em segundos.

"Fazer incenso é um processo que precisa vir do coração", diz ela, pegando os novelos cor de ameixa e colocando em uma bandeja à medida que saem do tubo da extrusora.

"É um trabalho que nós amamos profundamente. Nenhum de nós recebeu uma boa educação; teríamos dificuldade de encontrar trabalho se não fosse por Nado", acrescenta ela, antes de passar a bandeja para sua colega de trabalho, Yeshey, que vai esticar os novelos.

"O trabalho é empoderador", afirma Yeshey, enquanto desenrola a massa para ficar plana ao longo de um bloco de madeira.

"Podemos ganhar dinheiro e nos sentir independentes dos nossos maridos e famílias. O trabalho aumenta nossa autoestima. Sentimos os benefícios da bondade de Nado e ficamos felizes em saber que todas as boas ações e positividades envolvidas no processo de fabricação do incenso serão repassadas ao produto final e às pessoas que o queimam."

Após serem esticadas por completo, as varetas de incenso são levadas para secar ao ar do sótão, e depois são aparadas no tamanho certo e amarradas em maços prontos para serem comercializadas.

"Produzimos cerca de 20 mil varetas e 350 kg de pó por mês", conta Nado.

"Agora exportamos para lugares tão distantes quanto a China, Estados Unidos e Reino Unido."

"Mas, embora este seja um negócio que me oferece sustento, o dinheiro de forma alguma precede a importância espiritual do que faço. Fabricar incenso faz parte da minha devoção ao budismo há mais de 50 anos. É a minha vocação. E me dá uma grande satisfação pessoal porque vejo com meus próprios olhos como as pessoas se beneficiam do incenso. Vem comigo, vou te mostrar."

Nado e eu descemos a encosta arborizada em direção ao centro de Thimphu e, no caminho, ele me contou como havia descoberto seu propósito na vida.

"Entrei para a vida monástica aos 15 anos e fiquei por 10 anos", diz ele.

"Eu me destacava na caligrafia, e quando o terceiro rei do Butão pediu que o cânone budista fosse escrito em letras de ouro, fui recrutado para a tarefa. Depois de terminar, queria encontrar algo igualmente satisfatório que misturasse a criatividade com o sagrado, e isso me levou ao caminho para fazer incenso. "

No centro de Thimphu, entramos no vasto Mercado do Agricultor Centenário; o térreo é dedicado a frutas, legumes e verduras, o andar superior repleto de produtos de incenso que prometem aliviar dores abdominais, ajudar no relaxamento e auxiliar na realização de exorcismos.

Em uma barraca, conversamos com uma mulher chamada Choden, que costumava queimar o incenso de Nado no santuário do templo perto de sua casa e estava comprando um novo suprimento de varetas perfumadas.

"Assim como escovo os dentes, queimo três incensos pela manhã e três à noite", diz ela.

"Me sentiria incompleta se não fizesse isso. É um ritual que foi passado para mim por meus ancestrais, e que eu transmiti para meus filhos. Queimar incenso é tão importante quanto a comida que comemos, a água que bebemos e o ar que respiramos. É uma prática que une a todos — ricos e pobres ".

Continuamos até um mosteiro que Nado abastece com seus incensos.

Lá, em uma sala de oração iluminada pelo sol, um monge balançava suavemente um incensário, a fumaça aromática escapava da tampa perfurada para permear o ar e se infiltrar nas dobras de suas vestes.

"Quando eu realizo o puja (cerimônia de limpeza usando o pó de incenso), ele remove qualquer energia negativa da sala e me faz sentir espiritual, corporal e mentalmente limpo", afirma.

"O incenso ajuda a focar minha mente na oração e a me desenvolver como ser humano. Me ajuda a me tornar a melhor versão possível de mim mesmo."

Ao fim do corredor, em uma sala de estudos, um grupo de monges estava sentado de pernas cruzadas com as cabeças raspadas enterradas em seus livros de orações, cada um com uma vareta fumegante ao lado.

"Acredito que dentro de uma única vareta existe um poder enorme", afirma um dos monges, chamado Wangchuk. Nado concorda com a cabeça.

"O incenso é capaz de remover maus presságios e obstáculos do caminho da vida", acrescenta Wangchuk.

"Isso faz com que as pessoas sejam mais gentis umas com as outras. O incenso é uma chave que pode abrir a porta para a felicidade."

Veja também:

Quase 100 e ainda dançando:

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade