PUBLICIDADE

Quanto custa a pílula antirressaca, que degrada álcool antes de chegar ao fígado

Suplemento promete evitar ou pelo menos reduzir a ressaca do dia seguinte. A pílula já é vendida em e-commerces no Reino Unido

5 jul 2022 - 19h31
(atualizado em 6/7/2022 às 10h37)
Ver comentários

Já pensou em uma solução "mágica" que evita a ressaca após uma noite de muita cerveja ou vinho? Pensando naquelas pessoas que gostam do efeito no álcool — e não das "complicações" da bebedeira —, começa a ser vendida, no Reino Unido, a pílula antiressaca Myrkl, que decompõe o álcool antes dele chegar ao fígado. O composto funciona por até 12 horas e custa pouco mais de 190 reais.

A pílula antirressaca foi desenvolvida pela empresa farmacêutica De Faire Medical e pelo Instituto de Ciência e Saúde Pfützner, da Alemanha. Segundo os fabricantes, todos os ingredientes são seguros para o consumo humano e não foram identificados riscos de efeitos colaterais.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Myrkl (@myrkl.uk)

No entanto, o composto não deve ser entendido como um remédio e, sim, como um suplemento alimentar, já que não foi aprovado pela Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (Mhra), do Reino Unido.

Quanto custa e como deve ser usada?

De acordo com o fabricante, a pílula deve ser tomada pelo menos duas horas antes de beber o primeiro gole de álcool. No Reino Unido, o composto só pode ser comprado em lojas virtuais e, no e-commerce da marca, uma cartela com 30 cápsula custa 30 libras — aproximadamente 195 reais, em conversão direta.

Como é feita a pílula antirressaca?

Vale explicar que, de forma natural, o álcool ingerido é decomposto pelo fígado e, após este processo, a substância passa a ser um acetaldeído. Esse composto pode ser bastante tóxico para o organismo, especialmente quando é encontrado em grandes concentrações. Segundo o fabricante, a pílula antirressaca promete decompor o álcool ainda no intestino, o que deve proteger o fígado dos problemas da bebedeira.

Na sua composição, o suplemento carrega as bactérias Bacillus coagulans e Bacillus subtilis e o aminoácido L-Cisteína. Este último pode decompor o álcool em água e dióxido de carbono, evitando a toxidade do composto quando é digerido no fígado.

Foto: Danilo Alves/Unsplash / Canaltech

Aqui, vale destacar que a fórmula não pode cortar todos os efeitos da ressaca, já que outros processos estão envolvidos no consumo do álcool. Por exemplo, a desidratação e a queda no nível de açúcar no sangue não são alterados pelo uso do suplemento.

Em um pequeno estudo, publicado na revista científica Nutrition and Metabolic Insights, pesquisadores verificaram que os voluntários que tomaram dois comprimidos do suplemento tinham 70% menos álcool no sangue uma hora depois, em comparação com aqueles que não tomaram. Apenas 24 pessoas foram recrutadas.

Tem no Brasil?

Cabe ressaltar que o suplemento antiressaca Myrkl não está disponível no Brasil e os valores da cartela de 30 pílulas foram apenas convertidos, sem a inclusão de possíveis impostos e custos do transporte. Além disso, a fórmula não tem nenhuma licença emitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Fonte: Myrkl, Nutrition and Metabolic Insights e Telegraph      

 

Trending no Canaltech:

Canaltech
Publicidade
Publicidade