Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

PF aponta crime de violação de sigilo de Bolsonaro

28 jan 2022 18h37
| atualizado às 19h12
Compartilhar

A Polícia Federal apontou que o presidente Jair Bolsonaro cometeu o crime de violação de sigilo funcional ao revelar o conteúdo de uma investigação sigilosa da própria corporação a respeito de um ataque hacker sofrido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), destacando que houve "atuação direta, voluntária e consciente" do chefe do Executivo nesse delito.

Foto: Marcos Corrêa/PR / Divulgação

A informação consta em manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) em 24 de novembro feita pela delegada da PF Denisse Ribeiro para embasar o pedido de depoimento presencial de Bolsonaro sobre o caso.

Publicidade

Posteriormente, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, autorizou o depoimento de Bolsonaro, que era para ter ocorrido nesta sexta-feira na sede da PF em Brasília, mas o presidente não compareceu. O sigilo desse inquérito que corre no Supremo foi retirado.

Ao STF, a delegada do caso disse que não promoveu o indiciamento de Bolsonaro e do deputado federal Filipe Barros (PSL-PR), a quem ela aponta como responsável por vazar o inquérito para o presidente, pelo fato de eles terem foro privilegiado e só poderiam ser indiciados com autorização da corte.

"Os elementos colhidos apontam também para a atuação direta, voluntária e consciente de FILIPE BARROS BAPTISTA DE TOLEDO RIBEIRO e de JAIR MESSIAS BOLSONARO na prática do crime previsto no artigo 325, §2°, c/c 327, §2°, do Código Penal brasileiro, considerando que, na condição de funcionários públicos, revelaram conteúdo de inquérito policial que deveria permanecer em segredo até o fim das diligências, ao qual tiveram acesso em razão do cargo de deputado federal relator de uma comissão no Congresso Nacional e de presidente da República, respectivamente, conforme hipótese criminal até aqui corroborada", disse Denisse.

A delegada disse que o deputado federal --que foi relator da PEC do voto impresso em urnas eletrônicas-- fez uma requisição formal do inquérito sobre hackers do TSE para subsidiar a discussão da proposta. Entretanto, segundo ela, o parlamentar entregou a documentação a Bolsonaro como forma de "municiá-lo na narrativa de que o sistema eleitoral brasileiro, de votação eletrônica, era vulnerável e permitiria fraudar as eleições".

Publicidade

Em 4 de agosto passado, o presidente e Filipe Barros fizeram uma live para apresentar o documento como "prova da vulnerabilidade do sistema eleitoral e prova de que ele permite manipulação de votos". O ataque hacker realizado meses antes da eleição de 2018 não teve nenhum efeito sobre o pleito daquele ano.

Procurados, a Advocacia-Geral da União e o parlamentar não responderam de imediato o pedido de comentário.

Depoimento

Na manifestação de novembro ao Supremo, a delegada dizia que restava pendente o ponto de vista do presidente em relação aos fatos e elementos colhidos no curso da investigação.

Publicidade

"Tal medida, além de ser uma forma de obtenção de dados, pode ser considerada também como um direito subjetivo da pessoa sobre quem recai a suspeita da prática do ato, que terá o momento adequado para ratificar ou contrapor os fatos, exercendo o direito à ampla defesa", destacou.

A AGU apresentou nesta sexta um recurso para que Bolsonaro não depusesse no início desta tarde, mas Moraes arquivou-o sem sequer ter analisado o mérito do pedido por ele ter sido apresentado fora do prazo. Para o ministro do STF, o recurso --chamado de agravo regimental-- teria que ter sido apresentado em dezembro passado e não agora.

Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações