PUBLICIDADE

Violista premiada cria projeto de música clássica em periferias rurais do Brasil

Iniciativa oferece aperfeiçoamento musical no exterior, bolsas de estudo e formação de lideranças que democratizem o acesso à música erudita

7 jun 2023 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Projeto conecta jovens periféricos com melhores solistas do mundo
Projeto conecta jovens periféricos com melhores solistas do mundo
Foto: Divulgação

A arte transforma vidas, mas antes é preciso que ela seja democrática. Esse é um dos objetivos do Ilumina, projeto fundado em 2015 pela violista Jennifer Stumm como um pequeno festival de música em uma fazenda de café, no interior de São Paulo. A ideia é aumentar a oportunidade e o capital criativo para diversos jovens talentos das periferias urbanas e rurais da América do Sul. 

O projeto, durante todo o ano, atua diretamente com jovens bolsistas, advindos de contextos socioeconômicos críticos, e busca a formação de lideranças que ampliem e democratizem o acesso à música erudita no país. O coletivo, formado por artistas e pensadores, coloca a música como agente central de reformas sociais. 

Os jovens participantes se reúnem com os melhores solistas do mundo em um festival imersivo, ensaiando e vivendo juntos na sede do festival, na Fazenda Ambiental Fortaleza, localizada em Mococa, cidade do interior paulista. Em 2023, o projeto chegou à sua 8ª edição com programação intensa de concertos gratuitos pelo estado. 

O festival oferece possibilidades como o aperfeiçoamento musical no exterior, ao colocar os participantes em contato com solistas e docentes dos principais conservatórios do mundo. Nas últimas edições, foram facilitadas mais de 100 bolsas de estudo. 

Iniciativa foi criada em 2015, no interior de São Paulo
Iniciativa foi criada em 2015, no interior de São Paulo
Foto: Divulgação

"Queremos que todos os talentos do mundo tenham uma chance igual, queremos mudar o processo de como as pessoas obtêm oportunidades neste mundo e como e onde esperamos que a grandeza exista. Estamos tentando iluminar o que não se vê, mas já existe", diz Jennifer.

Quem é Jennifer Stumm

Jennifer Stumm é uma premiada e reconhecida violista norte-americana, que desde a adolescência dá aulas de instrumentos de corda nas periferias de Atlanta, cidade onde nasceu. Foi na orquestra de sua escola, aos oito anos de idade, que Jennifer escolheu a viola – o som mais belo que já tinha ouvido. Estudou com Karen Tuttle no Curtis Institute of Music e na Juilliard School. Fez, ainda, uma imersão em política e astronomia na Universidade da Pensilvânia. 

Atualmente, ocupa a Cadeira Internacional de Estudos de Viola (International Chair of Viola Studies) no Royal College of Music, Londres, e ministra masterclasses no mundo inteiro.

Veio ao Brasil pela primeira vez em 2004, quando trabalhou com jovens da Escola de Música do Estado de São Paulo. "Comecei a trabalhar no Brasil há 12 anos em um momento muito solitário. Estava fazendo shows importantes em todo o mundo, em grandes palcos, mas ainda sonhava com algo maior para minha vida”, conta.

“Na época eu não falava português, não fazia ideia de que o Brasil se tornaria o lar criativo que eu procurava – o lugar onde encontrei a liberdade de imaginar algo totalmente diferente, tanto para a música quanto para a minha vida. Não sabia que aqui recuperaria minha saúde, que construiria um projeto social internacional ou que se tornaria uma família que hoje chega a quase 40 países."

Jennifer acumulou diversas apresentações nos principais palcos do mundo, como o Carnegie Hall, o Concertgebouw, a Sala São Paulo e o Wigmore Hall de Londres. Sua carreira solo ganhou impulso depois de vencer três grandes competições internacionais em 2005: William Primrose, Geneva e Concert Artists Guild, na qual Jennifer se tornou a primeira violista da história a receber o prêmio. 

Fonte: Visão do Corre
Compartilhar
Publicidade
Publicidade