PUBLICIDADE

Princípio ativo loratadina: posologia, efeitos adversos e interações medicamentosas

Conheça as principais características e funções da loratadina, medicamento muito usado para aliviar os sintomas de alergias. Acesse e saiba!

31 out 2023 - 14h15
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Envato Elements

Loratadina: o que é e para que serve

A loratadina é um remédio amplamente utilizado para o tratamento dos sintomas de alergia, sejam elas sazonais ou crônicas. Vamos conhecer sua ação e principais características em detalhes.

Trata-se de um medicamento da classe dos anti-histamínicos de segunda geração. Eles são conhecidos por terem menos efeitos colaterais sedativos em comparação com os antigos anti-histamínicos de primeira geração. Saiba mais sobre a loratadina:

  • A principal função da loratadina é aliviar os sintomas alérgicos causados pela liberação de histamina no organismo.
  • A histamina é uma substância química liberada pelo corpo em resposta à exposição a alérgenos, como pólen, ácaros, pelos de animais e outros elementos desencadeadores de alergias.
  • Em geral, a histamina se liga aos receptores no corpo, causando uma série de sintomas incômodos, como espirros, coceira, corrimento nasal e olhos lacrimejantes.
  • A loratadina atua bloqueando os receptores, impedindo que a histamina se ligue a eles. Isso reduz a resposta alérgica e alivia os sintomas.
  • Além do tratamento de sintomas de alergia, a loratadina também pode ser usada para aliviar os sintomas de outras condições, como urticária crônica.
  • É importante, no entanto, que os pacientes compreendam que a loratadina é indicada para alívio dos sintomas e não cura a causa da alergia.
  • Por isso, o uso do medicamento é direcionado para o controle e a redução dos desconfortos associados a alergias.
  • É fundamental que o medicamento seja utilizado de acordo com as orientações do médico ou as instruções da bula, para garantir a eficácia e minimizar quaisquer potenciais efeitos colaterais.

Loratadina: indicações e uso adequado

Como estamos vendo, a loratadina é utilizada para tratar sintomas de alergia. Suas indicações mais comuns incluem o tratamento de rinite alérgica, urticária e outras manifestações alérgicas que incluem coceira, espirros, corrimento nasal, olhos lacrimejantes e erupções cutâneas. Saiba mais:

A rinite alérgica é uma condição na qual a mucosa nasal fica inflamada em resposta à exposição a alérgenos como pólen, poeira ou pelos de animais. A loratadina é eficaz na redução de sintomas como espirros, nariz entupido e coceira no nariz e garganta.

Além disso, a loratadina é indicada para o tratamento da urticária, que é uma condição caracterizada por erupções cutâneas pruriginosas e elevadas na pele. A urticária pode ser causada por alergias, infecções, estresse e outras causas.

A loratadina ajuda a aliviar a coceira e a vermelhidão associadas a essa condição. O uso adequado do medicamento envolve seguir as orientações do médico ou as informações presentes na bula do medicamento.

Em geral, a dose recomendada para adultos e crianças acima de 12 anos é de 10 mg (um comprimido) uma vez ao dia. Para crianças de 2 a 12 anos, a dose costuma ser reduzida para 5 mg (meio comprimido) uma vez ao dia.

É importante que o medicamento seja administrado com um copo de água e pode ser ingerido com ou sem alimentos. Os pacientes não devem exceder a dose recomendada, a menos que sejam instruídos por um profissional de saúde.

Doses excessivas podem aumentar o risco de efeitos colaterais, pois o tratamento com loratadina é geralmente de curto prazo e destinado a aliviar sintomas temporários, e não para o tratamento de condições crônicas subjacentes.

Loratadina: mecanismo de ação

A loratadina pertence à classe dos anti-histamínicos, sendo um representante da segunda geração. O mecanismo de ação dela no organismo está relacionado à sua capacidade de bloquear os receptores H1 de histamina no corpo. Vamos conhecer outras características do medicamento:

  • A histamina é uma substância química produzida pelo sistema imunológico do corpo em resposta à exposição a alérgenos, como poeira, pólen e pelos de animais.
  • Quando a histamina se liga aos receptores H1 no nariz, na garganta, nos olhos e em outras áreas, ela desencadeia uma série de reações alérgicas.
  • Isso inclui a inflamação das vias aéreas, coceira, espirros e produção excessiva de muco. Esses sintomas são comuns em determinadas condições alérgicas como rinite alérgica e urticária.
  • A loratadina age bloqueando seletivamente os receptores H1 de histamina no corpo, impedindo que a histamina se ligue a eles.
  • O resultado disso é a redução da resposta alérgica, uma vez que a histamina não pode desencadear as reações alérgicas que causam sintomas desconfortáveis.
  • Vale destacar que a loratadina é um anti-histamínico de segunda geração, o que significa que tem a vantagem de causar menos efeitos colaterais sedativos em comparação com os antigos anti-histamínicos de primeira geração.
  • Assim, segundo especialistas, os pacientes podem usá-la sem se preocupar tanto com sonolência ou comprometimento das atividades diárias.
  • O mecanismo de ação seletivo da loratadina a torna uma opção eficaz para o alívio dos sintomas alérgicos.

Loratadina: posologia e administração

A posologia recomendada para a loratadina varia de acordo com a idade do paciente e a condição que está sendo tratada. Em geral, a dose padrão para adultos e adolescentes com 12 anos ou mais é de 10 mg, o que corresponde a um comprimido, administrado uma vez ao dia. Veja mais dados sobre isso:

Para crianças entre 2 e 12 anos, a dose é reduzida para 5 mg (meio comprimido) de loratadina uma vez ao dia. É importante que os pacientes sigam rigorosamente as orientações do médico ou as informações contidas na bula do medicamento.

Além disso, pais ou cuidadores dos pacientes pediátricos devem seguir as recomendações médicas em relação à dose correta. É importante frisar que a loratadina não é recomendada para crianças com menos de 2 anos de idade.

A loratadina pode ser tomada com ou sem alimentos, e costuma ser ingerida com um copo de água. Os pacientes não devem mastigar ou esmagar os comprimidos, mas engoli-los inteiros para garantir a liberação controlada do medicamento no organismo.

Em casos de esquecimento de uma dose, o paciente deve tomá-la assim que se lembrar, desde que não esteja próximo da próxima dose programada. Caso esteja próximo, o paciente deve pular a dose esquecida e continuar com o esquema regular.

Não é recomendável duplicar a dose para compensar a dose esquecida, uma vez que isso pode aumentar o risco de efeitos colaterais. A duração do tratamento com loratadina sempre deve ser determinada pelo médico.

Isso pode variar de acordo com a condição clínica do paciente e a necessidade de tratamento a curto ou longo prazo. É importante que o paciente siga as instruções médicas para obter os melhores resultados e evitar complicações desnecessárias.

Foto: Envato Elements

Loratadina: precauções e contraindicações

De uma maneira geral, a loratadina é bem tolerada e considerada segura para a maioria dos pacientes. No entanto, existem algumas precauções e contraindicações que as pessoas devem estar cientes antes de fazer uso do medicamento. Vamos conhecer mais características da loratadina:

  • O medicamento não deve ser usado por quem apresenta hipersensibilidade à loratadina ou a qualquer um de seus componentes. Pessoas que tiveram reações alérgicas graves a medicamentos semelhantes também devem evitar o uso.
  • Pacientes com disfunção hepática devem usar a loratadina com cautela. Em casos de comprometimento hepático, o médico pode precisar ajustar a dose, uma vez que a eliminação do medicamento do organismo pode ser afetada.
  • Gestantes devem consultar um profissional de saúde antes de usar loratadina. Estudos conduzidos com animais não mostraram riscos significativos.
  • Não existem dados clínicos suficientes disponíveis para garantir a segurança do uso durante a gravidez. O médico pode avaliar o benefício versus o risco antes de recomendar a utilização.
  • Mulheres que estão amamentando também devem discutir o uso da loratadina com um médico. A substância pode ser excretada no leite materno, e embora os riscos para o bebê sejam baixos, o médico pode dar orientações sobre o uso seguro.
  • Embora a loratadina seja geralmente segura para idosos, essa população pode ser mais suscetível aos efeitos colaterais, como sonolência. Portanto, é importante que os idosos estejam cientes desses potenciais efeitos adversos.
  • A loratadina é considerada segura para crianças a partir dos 2 anos de idade, desde que a dose adequada seja administrada. Pais e cuidadores devem seguir as recomendações médicas para evitar superdosagem ou subdosagem.
  • É essencial que os pacientes informem ao médico sobre todas as condições médicas preexistentes, medicamentos em uso e histórico de alergias antes de começar o tratamento com loratadina.

Loratadina: possíveis efeitos colaterais

De maneira geral, a loratadina costuma ser bem tolerada pelo organismo. Mas, como qualquer medicamento, pode causar efeitos colaterais em alguns pacientes. É importante estar ciente desses potenciais efeitos colaterais ao utilizá-la. Vamos conhecer em detalhes alguns dos riscos potenciais:

Embora seja um anti-histamínico de segunda geração com menos potencial sedativo em comparação à primeira, algumas pessoas podem experimentar sonolência com a loratadina. Isso pode afetar a capacidade de realizar algumas tarefas, como dirigir.

A boca seca é um efeito colateral comum da loratadina. Alguns pacientes que usam o medicamento podem experimentar uma sensação de boca seca que pode ser aliviada com a ingestão de água ou balas sem açúcar.

Algumas pessoas podem sentir dor de cabeça como um efeito colateral da loratadina. Isso geralmente é leve e transitório. Além disso, em alguns casos, a loratadina pode causar distúrbios gastrointestinais leves, como náuseas ou desconforto abdominal.

Embora menos comum, a tontura pode ocorrer em algumas pessoas que tomam loratadina. Isso pode afetar o equilíbrio e a coordenação. Alguns pacientes relatam sentir-se nervosos ou inquietos ao tomar loratadina. Essa sensação costuma ser leve.

Apesar de a loratadina ser menos sedativa do que os anti-histamínicos de primeira geração, algumas pessoas podem sentir fadiga após tomá-la. Embora consideradas raras, reações alérgicas graves à loratadina podem ocorrer.

Os sintomas de uma reação alérgica incluem erupção cutânea, coceira, inchaço da face, lábios, língua ou garganta, dificuldade para respirar e taquicardia. Se esses sintomas ocorrerem, é necessário procurar assistência médica imediatamente.

Loratadina: interações medicamentosas

A loratadina é geralmente considerada segura e apresenta poucas interações medicamentosas significativas. No entanto, é importante informar ao médico ou farmacêutico sobre todos os medicamentos, incluindo prescrições, de venda livre e suplementos, que você está tomando. Algumas interações potenciais incluem:

  • O uso de álcool amplia o risco de sonolência associada à loratadina. Portanto, é aconselhável evitar o consumo de álcool enquanto estiver tomando loratadina.
  • Alguns remédios que inibem a enzima CYP3A4 no fígado podem afetar o metabolismo da loratadina. Isso inclui cetoconazol, itraconazol e claritromicina.
  • A combinação de loratadina com outros anti-histamínicos, sejam eles prescritos ou de venda livre, pode aumentar o risco de efeitos colaterais, como sonolência. Isso deve ser evitado, a menos que sob orientação médica.
  • Alguns antifúngicos e antibióticos, como o cetoconazol e a eritromicina, podem aumentar os níveis de loratadina no sangue. Isso amplia o risco de efeitos colaterais, como sonolência. O médico pode ajustar a dose de loratadina, se necessário.
  • O uso de antiácidos que contenham hidróxido de alumínio e magnésio pode reduzir a absorção de loratadina. Para evitar essa interação, é aconselhável aguardar pelo menos 2 horas após a administração de loratadina antes de tomar antiácidos.
  • Combinar loratadina com medicamentos que causam sono, como opioides ou benzodiazepinas, aumenta o risco de sonolência. O paciente deve ser cauteloso ao tomar loratadina junto com esses medicamentos e seguir as orientações médicas.
  • A rifampicina, antibiótico usado para tratar tuberculose, aumenta a velocidade de metabolização da loratadina, diminuindo seus efeitos. Quem toma rifampicina pode precisar de uma dose mais alta de loratadina para obter o efeito desejado.

Loratadina e grupos especiais

A loratadina pode ser usada com segurança em crianças a partir dos 2 anos, desde que a dose adequada seja administrada. Idosos podem usá-la, mas devem estar cientes dos efeitos colaterais potenciais. Gestantes e lactantes devem consultar um médico antes de usar o medicamento. Veja outras informações importantes:

Em geral, a loratadina é considerada segura para uso em crianças a partir dos 2 anos. A dosagem recomendada varia de acordo com a idade e o peso do paciente, sendo geralmente de 5 mg (meio comprimido) uma vez ao dia para crianças de 2 a 12 anos.

No entanto, é essencial seguir as orientações médicas para garantir a dosagem correta e a segurança do uso para menores. Já crianças com menos de 2 anos não devem receber loratadina sem consulta médica.

Os idosos podem usar loratadina, mas são mais suscetíveis aos efeitos colaterais, como sonolência. Portanto, é importante que estejam cientes desses potenciais efeitos e evitem atividades que exijam atenção, como dirigir, se estiverem sonolentos. O médico pode ajustar a dose, se necessário, para minimizar os efeitos colaterais.

A segurança do uso de loratadina durante a gravidez ainda não foi estabelecida. Estudos não demonstraram riscos, mas há uma falta de dados clínicos em gestantes. Portanto, elas devem consultar um médico antes de usar loratadina. O médico vai avaliar benefícios e riscos do uso e recomendar alternativas, se necessário.

A loratadina é excretada no leite materno em pequenas quantidades. Embora os riscos para o bebê sejam baixos, as mulheres que estão amamentando devem discutir o uso da loratadina com um profissional de saúde. O médico pode fornecer orientações sobre como usar a loratadina com segurança durante a amamentação.

Pacientes com condições médicas específicas, como disfunção hepática, devem ter precaução ao usar loratadina. O médico pode avaliar se é seguro e, se necessário, ajustar a dose para evitar possíveis complicações. Pessoas com hipersensibilidade conhecida à loratadina ou qualquer componente do medicamento devem evitar o uso.

Foto: Envato Elements

Loratadina: armazenamento correto

O armazenamento correto da loratadina é considerado um ponto essencial para garantir sua eficácia e segurança. Aqui estão algumas diretrizes sobre como armazenar o medicamento adequadamente:

  • Mantenha os comprimidos de loratadina longe da umidade. Isso significa que você deve armazená-los num local seco, como um armário ou gaveta.
  • Deixe a embalagem da loratadina longe da exposição direta à luz solar. Armazená-la em sua embalagem original ajuda a proteger os comprimidos da luz.
  • Evite armazenar a loratadina no banheiro, onde as flutuações de umidade e temperatura podem prejudicar a qualidade do medicamento.
  • A loratadina deve ser armazenada à temperatura ambiente, geralmente entre 15 °C e 30 °C. Evite expor o medicamento a temperaturas extremas, como calor excessivo ou congelamento.
  • Conserve a loratadina em sua embalagem original ou em um recipiente bem fechado. Isso ajuda a proteger os comprimidos de fatores ambientais que possam degradá-los, como luz e umidade.
  • Certifique-se de armazenar a loratadina em um local fora do alcance de crianças e animais de estimação. Isso é importante para evitar que as crianças acessem o medicamento acidentalmente.
  • Sempre verifique a data de validade na embalagem da loratadina antes de usá-la. Não utilize o medicamento se estiver vencido, pois sua eficácia pode estar comprometida.
  • Se você não precisar mais da loratadina ou se ela estiver vencida, descarte-a de maneira adequada. Nesses casos, é importante seguir as orientações para descarte de medicamentos na sua região.

Considerações finais e orientações para uso adequado da loratadina

Para garantir o uso adequado da loratadina e maximizar seus benefícios, siga algumas orientações. Por exemplo, antes de iniciar o tratamento com loratadina, consulte um médico ou farmacêutico. Eles podem avaliar sua condição e fornecer orientações específicas sobre o uso do medicamento. Veja outras dicas:

É fundamental seguir as instruções do médico ou as informações da bula. Isso inclui a dosagem correta, a frequência de administração e a duração do tratamento. Além disso, não use a loratadina sem orientação médica, especialmente se estiver tomando outros medicamentos ou se tiver condições médicas preexistentes.

Certifique-se de informar ao médico todos os medicamentos, suplementos e vitaminas que você está tomando. Isso ajuda a prevenir interações medicamentosas indesejadas. Evite o consumo de álcool enquanto estiver tomando loratadina, pois isso pode aumentar o risco de sonolência.

Conheça os possíveis efeitos colaterais da loratadina e esteja preparado para lidar com eles, se ocorrerem. Se sentir efeitos colaterais graves, consulte um profissional de saúde. Não tome doses maiores do que as recomendadas, a menos que seja orientado pelo médico. Isso pode aumentar o risco de efeitos colaterais.

Se os sintomas não melhorarem ou piorarem após o uso da loratadina, consulte o médico. Isso pode indicar a necessidade de ajustes no tratamento ou uma abordagem diferente. Caso você pertença a grupos especiais (crianças, idosos, gestantes ou lactantes), siga as orientações médicas específicas para essas populações.

Ao seguir essas orientações, o paciente pode usar a loratadina de forma segura e eficaz para tratar alergias. É importante lembrar que o medicamento é destinado ao alívio dos sintomas e não à cura do quadro alérgico. Se os sintomas persistirem ou piorarem, consulte um médico para avaliação e tratamento adicionais.

Fontes:
Drugs.com. Loratadine. Disponível em: <https://www.drugs.com/loratadine.html>. Acesso em: 10.out.2023.
Mayo Clinic. Loratadine (Oral Route). Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/drugs-supplements/loratadine-oral-route/description/drg-20523204>. Acesso em: 10.out.2023.
Medscape. Loratadine (OTC). Disponível em: <https://reference.medscape.com/drug/claritin-reditabs-loratadine-343397>. Acesso em: 10.out.2023.
PubMed. Loratadine. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/?term=loratadine>. Acesso em: 10.out.2023.
WebMD. Loratadine - Uses, Side Effects, and More. Disponível em: <https://www.webmd.com/drugs/2/drug-73-204/loratadine-oral/loratadine-oral/details>. Acesso em: 10.out.2023.
Fonte: Conteúdo Urbano
Compartilhar
Publicidade
Publicidade