0

SP registra 2ª morte de criança nesta semana por coronavírus

Vítima tinha 1 ano e histórico de comorbidade; letalidade entre crianças é de 0,8%, quase oito pontos percentuais a menos que entre idosos

14 mai 2020
16h54
atualizado às 17h06
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Uma criança de 1 ano morreu em decorrência do novo coronavírus na capital paulista, segundo uma nota divulgada nesta quinta, 14, pelo governo estadual. A vítima tinha histórico de comorbidade, que ainda não foi detalhado pelos órgãos oficiais. É a segunda morte de criança registrada somente nesta semana no Estado de São Paulo.

Mulher e criança usam máscaras e luvas como medida de proteção ao coronavírus, nesta quinta-feira, 26, na avenida Paulista
Mulher e criança usam máscaras e luvas como medida de proteção ao coronavírus, nesta quinta-feira, 26, na avenida Paulista
Foto: FÁBIO VIEIRA/FOTORUA / Estadão Conteúdo

Ao todo, cinco crianças já morreram em São Paulo por covid-19. Os dois primeiros casos foram registrados na capital paulista: uma bebê de 7 meses, que também tinha histórico de outra doença, e uma criança de 1 ano. A terceira vítima, de 9 anos, morava em Penápolis, no interior. A quarta morte foi confirmada na última segunda-feira, 11, e tratava-se de uma criança de 4 anos, moradora de Francisco Morato, na região metropolitana.

A letalidade entre crianças é de 0,8%, quase oito pontos percentuais a menos que entre idosos, faixa em que o índice é de 8,5%. Os óbitos continuam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 73,1% das mortes.

Para além da idade, os principais fatores de risco associados à mortalidade por covid-19 são cardiopatia (58,9% dos óbitos), diabetes mellitus (43,8%), doença neurológica (11,4%), doença renal (11%) e pneumopatia (9,9%).

Outros fatores identificados são imunodepressão, obesidade, asma e doenças hematológica e hepática. Esses fatores de risco foram identificados em 3.474 pessoas que morreram em decorrência do coronavírus, o que corresponde a 80,5% do total.

São Paulo continua sendo o epicentro da doença no País. Até esta quarta, foram registradas 4,1 mil mortes, com uma taxa de letalidade de 9% - maior que a média nacional, de 7%. Os casos de infecção ultrapassam 50 mil em todo o Estado.

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade